Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A OUTRA DIMENSÃO

                       Serei alma que buscará a luz do infinito
                  Transitando em campos azuis, me vejo a louvar
                  Em túneis reluzentes nas mãos de anjos benditos
                      Magnânimos pensamentos irão me purificar.

                     O quanto valerá ter tocado em solo terrestre.?
                        Que traz na atmosfera o amargo veneno
                        Da maçã mordida em desejo incontido
                      Fragmentando inconteste, o elo prometido.

                       Estarei do outro lado, acima das estrelas
                    Na leveza da poética transcendente e singela
                       Levando nesse espírito estilhaços da lua
                    Que ao avistar-me hialina, cintilará contínua.
 
                         A imortalidade excelsa em mim reinará
                  Serei tudo, que ao nada a terra nunca ofereceu
                 Na concepção da dimensão desse grande apogeu
               Estarei evoluída, onde a paz cobiçada nunca findará.

                                                        (Verdana Verdannis)
                                 

                   Aqui não me castiga a chuva fria do inverno
                   e nem gritos ecoam de demônios arrogantes
                   cujas ordens pavorosas em hediondo caderno
                   são cinza de cinzas de vanglórias distantes.

                   Irão findar-se as eras sem meu sono turbar,
                   igual bonança de lago em remoto planeta
                   que em vão barcos estranhos cobiçam navegar
                   enquanto espelha a luz dum plácido cometa.

                   Brados e lamúrias da multidão furente,
                   para o meu rosto já sem vida e sem feição
                   nada serão se não borrasca evanescente
                   qual zéfiro que sopra em noite de verão.

                   Mais não me fere o caminhar do tempo,
                   mas esse corpo em pó que deixou de palpitar
                   preferiria sangrar até sem lenimento
                   se pelo menos uma vez pudesse amar.
 
                  Rogo aos amigos que ao ler esse poema
                  lembrem de mim com um gesto de ternura:
                  -ponham do sol, de seu fúlgido diadema,
                  uma réstia a amornar tão silente sepultura.

                                                       (Richard Foxe)






 
Verdana Verdannis e Richard Foxe
Enviado por Verdana Verdannis em 15/04/2019
Reeditado em 28/04/2019
Código do texto: T6624320
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Verdana Verdannis
Fortaleza - Ceará - Brasil
239 textos (23395 leituras)
55 áudios (2850 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/19 17:21)
Verdana Verdannis