Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Esse náufrago é o homem - pensamento lúcido em Ortega Y Gasset

http://mauricioserafim.com.br/marcadores/filosofia/

O Homem de mente lúcida é o náufrago

8 de agosto de 2011 por Mauricio Serafim
Categorias: em_geral

[...] Observai os que vos rodeiam e vereis como avançam perdidos em sua vida; vão como sonâmbulos, dentro de sua boa ou má sorte, sem ter a mais leve suspeita do que lhes acontece. Ouvi-los-eis falar em fórmulas taxativas sobre si mesmos e sobre seu contorno, o que indicaria que possuem idéias sobre tudo isso. Porém, se analisais superficialmente essas idéias, notareis que não refletem muito nem pouco a realidade a que parecem referir-se, e se aprofundais na análise achareis que nem sequer pretendem ajustar-se a tal realidade. Pelo contrário: o indivíduo trata com elas de interceptar sua própria visão do real, de sua vida mesma. Porque a vida é inteiramente um caos onde a criatura está perdida. O homem o suspeita; mas aterra-o encontrar-se cara a cara com essa terrível realidade, e procura ocultá-la com um véu fantasmagórico onde tudo está muito claro. Não lhe interessa que suas “idéias” não sejam verdadeiras; emprega-as como trincheiras para defender-se de sua vida, como espantalhos para afugentar a realidade.
Homem de mente lúcida é aquele que se liberta dessas “idéias” fantasmagóricas e olha de frente a vida, e se convence de que tudo nela é problemático, e se sente perdido. Como isso é a pura verdade – a saber, que viver é sentir-se perdido -, quem o aceita já começou a encontrar-se, já começou a descobrir sua autêntica realidade, já está no firme. Instintivamente, como o náufrago, buscará algo para se agarrar, e esse olhar trágico, peremptório, absolutamente veraz porque se trata de salvar-se, lhe facultará pôr ordem no caos de sua vida. Estas são as únicas idéias verdadeiras; as idéias dos náufragos. O resto é retórica, postura, íntima farsa. Quem não se sente de verdade perdido perde-se inexoravelmente; é dizer, não se encontra jamais, não topa nunca com a própria realidade.
Isto é certo em todas as ordens, ainda na ciência, não obstante ser a ciência, de seu, uma fuga da vida (a maior parte dos homens de ciência dedicaram-se a ela por terror a defrontar sua própria vida. Não são mentes claras; daí sua notória falta de jeito ante qualquer situação concreta). Nossas idéias científicas valem na medida em que nos tenhamos sentido perdidos ante uma questão, em que tenhamos visto bem seu caráter problemático e compreendamos que não podemos apoiar-nos em idéias recebidas, em receitas, em lemas nem vocábulos. Quem descobre uma nova verdade científica teve antes que triturar quase tudo que havia aprendido e chega a essa nova verdade com as mãos sangrentas por haver jugulado inumeráveis lugares comuns.
José Ortega y Gasset na obra A rebelião das massas . Peguei daqui.


Ortega y Gasset Revolta de Massas (fragmento ou trecho)

Nós não sabemos o que está acontecendo para nós, e é precisamente isso que está acontecendo conosco, não saber o que está acontecendo conosco: o homem de hoje está começando a ser desorientado em relação a si mesmo, dépays em>, ele é fora do seu país, jogado em uma nova circunstância que é como uma terra incógnita. (1926)

O ensaísta e filósofo espanhol, José Ortega y Gasset (1883-1955), nasceu em Madrid de uma família patrícia. Foi educado num colégio jesuíta e da Universidade de Madrid, onde recebeu seu doutorado em filosofia em 1904. Ortega passou os próximos cinco anos em universidades alemãs em Berlim e Leipzig e na Universidade de Marburg. Nomeado professor de metafísica da Universidade de Madrid, em 1910, ele ensinou lá até a eclosão da guerra civil espanhola em 1936. Atuou também como jornalista e como político. Em 1923 ele fundou a Revista de Occidente, uma revisão de livros que foi fundamental para levar a Espanha em contato com ocidentais, e pensei especificamente alemão. Ortega trabalho como editor e publisher ajudou isolamento final da Espanha a partir da cultura ocidental contemporânea.

Ortega liderou a oposição republicana intelectual sob a ditadura de Primo de Rivera (1923-1936), e ele desempenhou um papel na derrubada do rei Alfonso XIII em 1931. Eleito deputado pela província de León na Assembléia Constituinte da Segunda República Espanhola, ele era o líder de um grupo parlamentar de intelectuais conhecido como La Agrupación al servicio de la república ("A serviço da república") e foi nomeado civis governador de Madrid. Tal compromisso obrigou-o a deixar a Espanha no início da Guerra Civil, e passou anos de exílio na Argentina e na Europa. Estabeleceu-se em Portugal em 1945 e começou a fazer visitas a Espanha. Em 1948 ele voltou a Madrid e fundou o Instituto de Humanidades, em que lecionava.

Um escritor prolífico, Ortega era o chefe da escola mais produtiva de pensadores Espanha tinha conhecido há mais de três séculos e ajudou a filosofia lugar além do alcance de uma censura de séculos, que foi de alguma forma un-espanhola, e, portanto, perigoso.

O que segue são trechos de sua obra influente na teoria social, A Rebelião das Massas, publicado pela primeira vez em 1930.

* * * * *

Há um fato que, seja para o bem ou para o mal, é de extrema importância na vida pública da Europa em seu momento presente. O fato é que a adesão das massas para completar o poder social. Como as massas, por definição, não devem nem podem dirigir sua própria existência pessoal e da sociedade regra, menos ainda, em geral, esse fato significa que, na verdade a Europa está sofrendo a maior crise geral que pode afligir os povos, nações e da civilização.

Estritamente falando, a massa, como um fato psicológico, pode ser definida sem ter que esperar para que as pessoas aparecem na formação de massa. Na presença de um indivíduo que pode decidir se ele é "massa" ou não. A massa é tudo aquilo que não estabelece qualquer valor em si - bem ou mal - com base em motivos específicos, mas que se sente "como todo mundo", e, no entanto, não está preocupado com isso; é, de facto, muito feliz por me sentir -se como um com todos os outros.

A massa acredita que tem o direito de impor e dar força de lei a movimentos nascidos no caf? Duvido que tenha havido outros períodos da história em que a multidão tem vindo a governar mais diretamente do que no nosso.

A característica do momento é que a mente comum, sabendo-se ser comum, tem a garantia de proclamar os direitos do comum e de impô-las onde quer que vai. Como se costuma dizer nos Estados Unidos: "ser diferente é ser indecente". A massa esmaga sob ele tudo o que é diferente, tudo o que é excelente, individual, qualificado e selecione. Qualquer pessoa que não é como todo mundo, quem não pensar como todo mundo, corre o risco de ser eliminado.

É ilusório imaginar que a massa man-of-a-dia será capaz de controlar, por si mesmo, o processo de civilização. Digo processo, e não de progresso. O processo simples de preservar a nossa civilização atual é extremamente complexa, e exige poderes incalculavelmente sutil. Mal-equipados para dirigir é este homem comum que aprendeu a usar muito mais da máquina da civilização, mas que é caracterizada pela raiz ignorância dos princípios muito dessa civilização.

O comando sobre a vida pública exercida hoje pelo intelectualmente vulgar é talvez o fator da situação presente, que é mais nova, pelo menos assimilável a nada no passado. Pelo menos na história européia até o presente, o vulgar nunca tinha acreditado em si ter "idéias" sobre as coisas. Tinha crenças, tradições, experiências, provérbios, hábitos mentais, mas nunca imaginar-se na posse de opiniões teóricas sobre o que as coisas são ou deveriam ser. A-dia, por outro lado, o homem médio tem mais matemática "idéias" sobre tudo o que acontece ou deve acontecer no universo. Por isso, ele perdeu o uso de sua audição. Por que ele deveria ouvir se ele tem dentro de si tudo o que é necessário? Não há razão agora para ouvir, mas sim para julgar, pronunciando, decidindo. Não há dúvida a respeito da vida pública, em que ele não intervém, cego e surdo como é, impondo suas "opiniões".

Mas, isso não é uma vantagem? Não é um sinal de progresso imenso que as massas devem ter "idéias", isto é, deve ser cultivado? De maneira nenhuma. As "idéias" do homem médio não são genuínas idéias, nem sua cultura posse. Quem quiser ter idéias deve primeiro preparar-se para a verdade e desejo de aceitar as regras do jogo impostas por ele. Não é por falar uso de idéias, quando não há aceitação de uma autoridade superior para regulá-los, uma série de normas a que é possível recorrer de uma discussão. Estes padrões são os princípios sobre os quais repousa a cultura. Não estou preocupado com a forma que eles tomam. O que eu afirmo é que não há cultura onde não existem padrões para que nossos companheiros homem pode recorrer. Não há cultura onde não há princípios de legalidade a que recorrer. Não há cultura onde não há aceitação de certas posições finais intelectual de que uma disputa pode ser encaminhado. Não existe uma cultura onde as relações econômicas não são sujeitas a um princípio regulador para proteger os interesses envolvidos. Não existe uma cultura onde a controvérsia estética não reconhece a necessidade de justificar a obra de arte.

Quando todas estas coisas estão faltando não há cultura, não há no sentido mais estrito da palavra, barbárie. E não vamos nos enganar a nós mesmos, é isso que está começando a aparecer na Europa sob a progressiva rebelião das massas. O viajante sabe que no território não existem princípios que regem a qual é possível recorrer. Propriamente falando, não existem normas bárbaro. Barbárie é a ausência de normas a que apelo pode ser feito.

Sob o fascismo aparece pela primeira vez na Europa um tipo de homem que não quer dar razões ou de estar certo, mas simplesmente se mostra resolvido a impor suas opiniões. Esta é a coisa nova: ". Razão da irracionalidade" o direito de não ser razoável, o Aqui eu vejo a manifestação mais palpável da nova mentalidade das massas, por terem decidido governar a sociedade, sem a capacidade para fazê-lo. Em sua conduta política a estrutura da nova mentalidade é revelado na forma mais crua, mais convincente. O homem médio encontra-se com "idéias" na cabeça dele, mas ele não tem a faculdade de ideação. Ele não tem noção mesmo da atmosfera rara em que os ideais ao vivo. Ele deseja ter opiniões, mas não está disposto a aceitar as condições e pressupostos que fundamentam toda a opinião. Suas idéias são, portanto, em nada mais efeito do que o apetite em palavras.

Para se ter uma idéia significa um crente está na posse das razões para tê-lo e, conseqüentemente, significa acreditar que não existe tal coisa como uma razão, um mundo de verdades inteligíveis. Para ter idéias, formar opiniões, é idêntico ao apelar para uma tal autoridade, submetendo-se a ele, aceitando o seu código e suas decisões, e, portanto, acreditar que a maior forma de intercomunicação é o diálogo em que as razões de nossas idéias são discutidas . Mas a massa-homem se sentiria perdido se aceitasse a discussão, e instintivamente repudia a obrigação de aceitar que autoridade suprema deitado fora de si. Daí a "coisa nova" na Europa é "ter feito com discussões", e abominação se expressa de todas as formas de intercomunicação, que implica a aceitação de padrões objetivos, que vão desde conversa ao Parlamento, e tendo em ciência. Isto significa que há uma renúncia à vida comum da barbárie. Todos os processos normais são suprimidos, a fim de chegar directamente à imposição do que é desejado. O hermetismo da alma, que, como vimos antes, exorta a massa de intervir em toda a vida pública.
J B Pereira e Ortega y Gasset em http://mauricioserafim.com.br/marcadores/filosofia/
Enviado por J B Pereira em 18/08/2012
Código do texto: T3836794
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
J B Pereira
Piracicaba - São Paulo - Brasil
2461 textos (1483002 leituras)
19 e-livros (203 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/08/20 07:56)
J B Pereira