Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Uma bermuda para o cronista

 

Já fui barrado na porta de algumas editoras por estar de bermuda, camiseta e sandálias de couro — mais pela bermuda, na verdade; os outros itens passariam bem com uma calça comprida. Por isso estranhei quando, suspeitoso e cabisbaixo no imenso saguão da Academia Brasileira de Letras, estreando uma bermuda verde-musgo com bolsões laterais na altura das coxas, ninguém se empombou comigo ontem à tarde, e me deixaram entrar numa boa no território sagrado dos imortais. Fui aonde devia ir, sarandei como um louco pelos corredores do oitavo andar em busca de fumódromos que não existiam, peguei o que devia pegar na Editora Rocco, e dei no pé. Melhor para eles, pois não trabalho para quem exige paletó e gravata, ou coisa parecida, de um reles frileiro.

Lembrei-me do nosso malvestido Lima Barreto, de uma autenticidade sofrida e amargurada. “A minha alma é de bandido tímido”, dizia ele, em crônica de 1915, diante do prédio da Biblioteca Nacional, que pouco freqüentava, “sobretudo depois que se mudou para a Avenida e ocupou um palácio americano”. A bronca do genioso mulato procede. Que pobre-diabo dos subúrbios, em busca de instrução e saber, não se sentiria “medroso de entrar” numa dessas “suntuosidades desnecessárias”? Qual era a do Estado, intimidando assim os mais fodidos, já que “a velha biblioteca era (...) mais acessível, mais acolhedora, e não tinha a empáfia da atual”? Porque é verdade que ainda hoje a gente humilde aproxima-se cheia de pés dos grandes templos comerciais do centro da cidade, balbuciando pedidos de informação a contínuos e ascensoristas.

Quanto a mim, não dispenso mais a bermuda. Sob o eterno verão carioca, vou a todo lugar de bermuda, camiseta e sandálias de couro, além da mochila de cinco reais onde carrego livros, frilas, material de escrita e guarda-chuva. Quem não me quiser assim — e acreditem que ainda encontro muita frescura por aí — perde o amigo e o profissional. Eu é que não mudo.

Lima Barreto viajava na primeira classe dos trens suburbanos na maior esculhambação só para irritar os burgueses. Hoje os nossos trens superviários não têm classe alguma, e o cronista não anda esculhambado. Anda é condizente com o clima do Rio de Janeiro, esportivo e animoso como um vira-lata.

 

[28.3.2008]

Luiz Guerra
Enviado por Luiz Guerra em 29/03/2008
Código do texto: T921655

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Luiz Guerra, www.galhodearruda.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luiz Guerra
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 71 anos
166 textos (17867 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/11/19 09:00)
Luiz Guerra