Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O cronista desencalha

 

“Orelha grande é sinal de vida longa”, sussurrou-me Leide, carinhosa, com uma voz tão sensual que me deu vontade de ter orelhas ainda maiores.

Descansávamos, depois de extensa e gratificante caminhada pela orla da Ilha do Governador, num banco de pedra da Ribeira, trocando juras de amor — se assim podemos chamar a pegação em que de repente nos vimos empenhados — e apreciando a água suja do mar. Era um domingo de sol forte, de quiosques e botequins repletos de mesas na calçada, mas não se via nenhum louco mergulhando naquela praia de óleo, palha podre e cocô.

Impressionado com a consoladora reflexão de minha namorada, pensei comigo: “Esta mulher sabe das coisas”; e aproveitei o embalo para perguntar a ela se não teria também umas tiradas boas como essa acerca de nariz grande e bolsas sob os olhos. Bastante animado com o lance das orelhas, não queria perder a oportunidade de sair do nosso encontro definitivamente reconciliado com a minha cara.

De onde nos achávamos dava para divisar ao longe primeiro a Ponte Rio—Niterói, depois o Pão de Açúcar e o Corcovado. Leide hesitou um instante, uma fração de segundo, até reconhecer este último. Diga-se em seu favor — as primícias de uma paixão é sempre um tempo de franca generosidade — que a estátua do Cristo lá no alto era apenas um borrão na paisagem nublada para aqueles lados, prometendo as chuvas e os ventos furiosos que de fato vieram a castigar a cidade no final do dia. De qualquer modo, gato escaldado, lembrei-me de passar a mão espalmada na frente dos seus olhos, já que enxergar minha orelha não constituía prova alguma de boa visão. Pura felicidade: Leide piscou, piscou várias vezes, em resposta ao meu gesto. Via, portanto. Via perfeitamente, além dos dois gramofones, o narigão, as bolsas sob os olhos fundos, os lábios finos, o bigode e a barbicha obscena do cronista. E nada disso impediu — que mulher extraordinária! — que nos beijássemos com fome e entusiasmo, cada qual mais a perigo que o outro. Dir-se-ia, quanto a mim, um Cyrano de Bergerac bem-sucedido no amor, nariz e espada em riste.

Faz uns três meses que Leide e eu nos conhecemos virtualmente no Orkut. Saímos dali para os telefonemas diários e destes para o que tem sido uma convivência amorosa repleta de encanto. Tudo o que ela diz a seu próprio respeito em sua página orkutiana é verdade, e é pouco, não tenham a menor dúvida.

Eis aí a bela lição da grande rede: sabendo usar, é só correr para o abraço.

 

[15.2.2008]

Luiz Guerra
Enviado por Luiz Guerra em 15/02/2008
Código do texto: T860796

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Luiz Guerra, www.galhodearruda.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luiz Guerra
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 71 anos
166 textos (17857 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/11/19 00:32)
Luiz Guerra