Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Militante de ongue


Fiquei muito puto ao ser apresentado a este militante nacional de ongue.

Não era para menos.

O cara vestia um tropical inglês brilhante capaz de botar no chinelo o guarda-roupa grifado do presidente Lula, sapatos de cromo alemão e camisa italiana. Muito simpático — mas a simpatia dos candidatos a qualquer coisa em ano eleitoral —, sorria de orelha a orelha ao aplicar tapinhas no meu ombro, na maior intimidade, dizendo "meu caro, meu caro" com o aperto de mão másculo e confiante dos que têm suas contas em dia e não devem explicações a ninguém.

Ele queria dar umas escovadas num artigo de sua lavra sobre a má distribuição de renda no país e precisava de um bamba no copidesque para isso. Bondade dele. Queria também que o trabalho fosse feito em sua própria casa, para poder esclarecer de imediato todas as dúvidas que surgissem. Tinha pressa.

Por mim, tudo bem. Onde residia o distinto? Num condomínio da Barra da Tijuca, vejam só. Morando na Ilha do Governador nessa época, senti-me na mesma hora como um esculachado insulano sem canoa e comecei a calcular os gastos que teria com a alimentação, o transporte... "Nada disso, nada disso", interrompeu-me o brutamontes estilizado. Um de seus motoristas ficaria à minha disposição para o que desse e viesse, tinha graça contratar um profissional de respeito e não tratá-lo como a um príncipe.

Olhei com mais atenção para ele, tentando adivinhar de onde me saíra esse mecenas dos revisores. Pelo teor da monografia, o nosso homem era certamente um economista importante, com um belo emprego e um ótimo salário. Ledo engano. Com o desenrolar da conversa, vim a saber que era tão-somente militante de ongue, comprometido até a alma com a salvação dos miseráveis, e fazendo muito barulho nos corredores de Brasília com a sua turma de abnegados, todos bochechudos de grana. Mencionou um planaltino de sua particular afeição (não me lembro mais quem) e aconselhou-me a carregar no preço pelo trabalho, pois havia verba suficiente para lutar pelos mais pobres. Pelo jeito, devia pensar no seu artigo como o libelo dos libelos.

Foi o bastante para deixar-me escabreado. Dei uma desculpa esfarrapada e tirei o meu da reta. Estou fodido, mas ainda tenho vergonha na cara. Não guardei nem o nome da figura.

Confesso que não sei muito bem como funciona internamente uma ongue e tenho por hábito admirar aquelas que outras pessoas sérias admiram, desde que não haja nenhum pilantra enchendo a burra com isso. Vou ficar mais atento. Chego a sentir um frio na espinha ao imaginar uma investigação de âmbito nacional sobre essas organizações que recebem dinheiro público para cuidar de muita coisa a que os governos renunciaram por incompetência, falta de interesse ou incúria. Ou por esperteza mesmo, o que é mais provável.

Voto pela investigação. Para que a gente fique só com o trigo, claro.


[31.1.2008]

Luiz Guerra
Enviado por Luiz Guerra em 31/01/2008
Código do texto: T841430

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Luiz Guerra, www.galhodearruda.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luiz Guerra
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 71 anos
166 textos (17867 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/11/19 12:21)
Luiz Guerra