Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O homem de Mercúrio


Cruzo com o meu amigo Águia Negra na Praça XV de Novembro, em pleno Boulevard dos Tamarindos.

Mas já o tinha visto de longe, rumo à estação de trem, com algo estranho na cabeça que me parecera não uma bacia de barbeiro ou o famoso elmo de Mambrino (o que não seria de espantar, vindo de personagem tão quixotesco em Marechal Hermes), mas um turbante branco de pai-pequeno nagô, saravá. O cara tem peito, pensei comigo, esperando apenas a ocasião de estarmos frente a frente para poder interrogá-lo sobre isso.

Não, não era um turbante.

Agora, que nos cumprimentávamos, percebi que Águia Negra usava no coco raspado a metade do couro vazio de uma bola de futebol. Bola branca. E repintara os gomos, deixando-os branquíssimos. No gomo que lhe protegia a testa desenhara com tinta preta os dizeres:

MERCÚRIO

2025

AB + 51,

o que não significava coisa alguma para ninguém.

Permitir que ele reparasse em minha curiosidade seria a maior tolice do mundo — o homem se despejaria numa torrente de explicações descabidas, alugando-me a atenção pelo resto da tarde. Bem, não podia dar outra: eu estava curioso, o cronista dentro de mim estava curioso, e dois camelôs ali perto, que nos observavam com estranheza, também estavam curiosos.

Vai aqui o resumo do resumo do que ele me contou, pois não tenho a coragem de torrar o saco dos visitantes do meu Galho de Arruda com a extensa oração aos tolos do velho tipógrafo da Aeronáutica.

Levantando o fura-bolo direito para o céu, digamos que Águia Negra tenha dito o seguinte, no essencial:

"Sou de Mercúrio. Ou melhor, atualmente moro no planeta Mercúrio, e lá já estamos no ano 2025, bobos de ver como os terráqueos conseguiram ficar mais quentes do que nós. AB é o meu tipo sangüíneo, 51, a cachaça que eu gosto de beber."

Não tenho como refutá-lo. Forçando um pouco, poderia até garantir que ele bebe muito bem da marca de caninha que lhe pagam, mas esse pelo menos contenta-se com Mercúrio e por isso mesmo não vive no mundo da lua.


[10.1.2008]

Luiz Guerra
Enviado por Luiz Guerra em 10/01/2008
Código do texto: T810803


Comentários

Sobre o autor
Luiz Guerra
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 72 anos
166 textos (18127 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/08/20 02:55)
Luiz Guerra