Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O homem de Mercúrio


Cruzo com o meu amigo Águia Negra na Praça XV de Novembro, em pleno Boulevard dos Tamarindos.

Mas já o tinha visto de longe, rumo à estação de trem, com algo estranho na cabeça que me parecera não uma bacia de barbeiro ou o famoso elmo de Mambrino (o que não seria de espantar, vindo de personagem tão quixotesco em Marechal Hermes), mas um turbante branco de pai-pequeno nagô, saravá. O cara tem peito, pensei comigo, esperando apenas a ocasião de estarmos frente a frente para poder interrogá-lo sobre isso.

Não, não era um turbante.

Agora, que nos cumprimentávamos, percebi que Águia Negra usava no coco raspado a metade do couro vazio de uma bola de futebol. Bola branca. E repintara os gomos, deixando-os branquíssimos. No gomo que lhe protegia a testa desenhara com tinta preta os dizeres:

MERCÚRIO

2025

AB + 51,

o que não significava coisa alguma para ninguém.

Permitir que ele reparasse em minha curiosidade seria a maior tolice do mundo — o homem se despejaria numa torrente de explicações descabidas, alugando-me a atenção pelo resto da tarde. Bem, não podia dar outra: eu estava curioso, o cronista dentro de mim estava curioso, e dois camelôs ali perto, que nos observavam com estranheza, também estavam curiosos.

Vai aqui o resumo do resumo do que ele me contou, pois não tenho a coragem de torrar o saco dos visitantes do meu Galho de Arruda com a extensa oração aos tolos do velho tipógrafo da Aeronáutica.

Levantando o fura-bolo direito para o céu, digamos que Águia Negra tenha dito o seguinte, no essencial:

"Sou de Mercúrio. Ou melhor, atualmente moro no planeta Mercúrio, e lá já estamos no ano 2025, bobos de ver como os terráqueos conseguiram ficar mais quentes do que nós. AB é o meu tipo sangüíneo, 51, a cachaça que eu gosto de beber."

Não tenho como refutá-lo. Forçando um pouco, poderia até garantir que ele bebe muito bem da marca de caninha que lhe pagam, mas esse pelo menos contenta-se com Mercúrio e por isso mesmo não vive no mundo da lua.


[10.1.2008]

Luiz Guerra
Enviado por Luiz Guerra em 10/01/2008
Código do texto: T810803

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Luiz Guerra, www.galhodearruda.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luiz Guerra
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 71 anos
166 textos (17857 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/11/19 06:06)
Luiz Guerra