Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DIA DE FEIRA.


   Brisa suave que sopra nas primeiras horas desta manhã de sexta-feira, a primeira gota de chuva chega alvejando o telhado, e uma após a outra formando uma sinfonia agradável, chuva mansa, dessas que duram o dia todo.  Do lado de fora o barulho costumeiro de caixas caindo, coisas batendo, conversas aleatórias, é dia de feira na rua de casa, Paulão das panelas é o primeiro a chegar com o seu auto girante barulhento e sua costumeira voz rouca.  Outros mais em sequência começam a figurar, cada qual no espaço destinado a sua barraca, a rua antes silenciosa começa a ganhar vida, o monstro adormecido começa a despertar esticando seus longos braços.
   Quem não conseguiu tirar carro da garagem não conseguirá mais, em poucos minutos o barulho e a movimentação se intensificam. Os feirantes enfileirados arrumando suas barracas em meio a chuva que cai. Caixas de tomates, bananas, frutas, maçã, mamão, ferramentas, roupas, acha-se um pouco de tudo.
   A barraca do pastel é uma das últimas a chegar, e também uma das mais disputadas da feira. São duas, uma no começo da feira e outra no final. De toda a pequena diversidade de uma feira de rua, a barraca do pastel é indubitavelmente a mais desejada. E não demorou muito para o cheiro de óleo frito começar invadir as casas nos convidando para um rápido passeio despretensioso.
  De repente, a rua inteira desperta, outras também despertam, o movimento é intenso, frenético, idosos com seus olhares curiosos, mãos criteriosamente hábeis escolhendo os melhores tomates, procurando as melhores frutas, barganhando o preço, ganhando aqui e perdendo ali, puxando seus carrinhos lotados de um lado para o outro. Conversas e mais conversas, fofocas, mentiras, futebol, novela, séries, nem parece que estamos em quarentena, máscaras no rostos, de todas as cores e tipos. O Paulão das panelas comenta dos gafanhotos que estavam à caminho do Brasil, mas, uma abençoada ventania os desviou, disse ele.
A chuva é contínua, suave, a temperatura cai lentamente, o sol escala o céu vagarosamente, oculto por nuvens chorosas. Sou apenas um observador, alguém curioso, indo aqui e ali, conversando com um, com outro acolá, escondendo da chuva entre uma barraca e outra. E o dia segue o seu curso de sempre. Logo mais as barracas serão desmontadas, braços ligeiros desfazendo as armações de ferro. Paulão, o primeiro a chegar é um dos últimos a ir embora, perdendo apenas para o colega da frente, que, sem a mínima pressa desmonta a sua barraca aos poucos.
   O dia passa, tudo passa, as pessoas passam, as horas voam em ponteiros desgovernados, e o dia pede caminho, a chuva não dá trégua e recomeça o tempo todo. Sou apenas um observador da vida alheia. Um cronista desavisado colhendo palavras e ideias em meio a frutas e verduras,  verdades e mentiras, atento, escuto, escrevo na tela da mente.
E sexta-feira.

Tiago Macedo Pena
Enviado por Tiago Macedo Pena em 19/07/2020
Código do texto: T7010116
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Tiago Macedo Pena
Sorocaba - São Paulo - Brasil, 38 anos
623 textos (17287 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/09/20 14:25)
Tiago Macedo Pena