Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O tecido do imaginário infantil

Eu era menina e gostava muito quando mamãe avisava que íamos "á cidade". Depois de muitos anos fui compreender que a cidade, na verdade, era o centro da cidade. Morávamos próximos e íamos á pé, mas o costume da gente que morava afastada, talvez em subúrbios, ficou gravada na ideia e refletia no linguajar popular.
Íamos comprar tecidos para levar às costureiras, tão comum na minha infância.
Eram os panos, chamados de fazendas e ficavam nas lojas, enrolados em peças enormes que o vendedor rodopiava com destreza no balcão de madeira, para cortar a medida solicitada pela freguesa, sempre conferida num metro de madeira pintada de amarelo, diga-se de passagem.
Ficava pensando nas fazendas... Eu sabia que nas propriedades rurais havia gado, porcos, pés de fruta, mas não conseguia ver uma relação com aquelas casas repletas de bancas de tecidos ou enormes prateleiras com as tais peças empilhadas.
Após os cortes, vinha a desenhista quase sempre sorridente. Ela nos conduzia a um cantinho onde tinha uma mesa com duas cadeiras. Mamãe se sentava e ela do outro lado punha-se a desenhar com rapidez, belos modelos de vestidos com cortes, palas, pences e machos... Machos? Que teriam os animais masculinos ou até mesmo os homens com aquele universo tão feminino? Eu olhava aquilo tudo com grande curiosidade. Perguntava furtivamente à minha progenitora que me olhava de um jeito que eu entendia o recado para não interromper o momento da artista com seus modelitos coloridos em tons pastéis. Então eu caminhava por ali, olhando as estampas tão variadas, quase sempre floridas... tocava os veludos tão macios ou os cetins delicados. Meus olhos perscrutavam aquele ambiente com sagacidade, e quando eu achava as flanelas coloridas, os tecidos para roupas infantis, eu me deliciava com as muitas frutinhas, passarinhos e bichinhos de todo tipo, inclusive os boizinhos, porcos e pintinhos; todos os animais machos das tais fazendas e então tudo parecia fazer sentido para mim.
Cláudia Machado
Enviado por Cláudia Machado em 24/05/2020
Reeditado em 25/05/2020
Código do texto: T6957102
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Cláudia Machado
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
773 textos (24256 leituras)
60 áudios (3040 audições)
1 e-livros (23 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/08/20 03:31)