Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

as nostalgias que me levam até ela.

        Sem pretensão nenhuma, peguei o carro e dirigi de forma prudente para qualquer lugar. Qualquer lugar que me despertasse algo que me fizesse sentir emoções.
        Não consegui. Até que ela veio, como um sopro.
        Rápida, feroz. E me acertou em cheio.
       A música era algo que se encaixava perfeitamente neste momento. Era o que eu precisava, era o que me faltava.
       O clima nostálgico de fim de tarde, e a chuva que batia levemente no vidro do carro se misturavam a este evento de forma sutil, trazendo a paz que eu tanto queria.
       Dirigi sem parar. As vezes passando por poças enormes de água, outras subindo ladeiras que mais pareciam montanhas.
       Até que cheguei - ou melhor, até que as sensações me trouxeram até aqui.
       O mar se agitou de forma agressiva com a minha chegada, e o vento gélido parecia que iria perfurar minha pele.
      Ao longe, na beira do mar, ela brincava.
      O meu amor.
      Como se sentisse a minha presença, olhou-me.
      E sorriu.
Eriberto Andrade
Enviado por Eriberto Andrade em 08/11/2019
Código do texto: T6790244
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Eriberto Andrade
Macapá - Amapá - Brasil
4 textos (44 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/11/19 12:37)
Eriberto Andrade