Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nossa Atenas

Como acontece n'algumas cidades históricas, edifícios antigos e modernos se entrelaçam entre si. Aqueles como memória e estes como urgência da especulação imobiliária. Nossa história se passará em Atenas, onde a acrópole parece vigiar os prédios que vão sendo construídos enquanto lá tudo tende à imobilidade.
Certa noite, contam que os fantasmas de Aristóteles e Platão se encontraram em um bar. Depois de umas tantas taças de vinho, não ousaram beber cerveja, ambos começaram a se questionar sobre o que ocorreu com a cidade depois de dois mil e tantos anos. Quem puxou a conversa foi Platão:
- Acho que não estou em Atenas.
- E por que não estaria?
- Sei lá, só não me identifico com isso que vejo.
- Mas você não disse que os sentidos eram falhos?
- Sim, eu sei... Mas não é a mesma cidade. Admita, ela também não te intimida?
- Bem, a acrópole ainda está lá. Meio acabadinha, mas é ela. Disso não há menor dúvida.
- Olha Ari, eu sei que nós tivemos nossas brigas e que tem pontos nos quais a gente não bate, porém me entenda. Essa não é a NOSSA Atenas. Tudo aqui está impregnado de um vazio tão tóxico.
- Ela mudou, homem. Isso é da natureza. Substância e acidente.
- Tá, então me diz, o que fazia aquela Atenas ser a NOSSA Atenas?
- Nada. Atenas já estava dada como fato concreto, cara. Era a gente que a apreendida por meio dos sentidos e nesse processo se aprendia junto como membro de algo.
- Você é muito chato!
- O que eu fiz agora?
- Ari, a IDEIA daquela cidade era outra, a aura... Ali tudo tendia ao eterno. Olha lá a acrópole. Tá ali, ruínas! E mesmo esses monturo exposto sobressai disso aqui ao redor. Mas as pessoas passam ao largo.
- Platão, meu querido. É a vida. Todo movimento vai seguindo. Já ouviu falar de samba?
- Que é isso?
- É um ritmo que os bárbaros cantam. Mas tem um que diz: deixa a vida a me lavar... É isso. Se vocé fica procurando uma Atenas que só existe na sua cabeça, dá ruim. Vai por mim.
- Lá vem você criticar minha doutrina das ideias...
- Nao, rapaz. O que eu estou dizendo é que, vai, falando sua língua, a imagem sensível de Atenas sempre será inferior àquela Atenas ideal ou cidade ideal, sei lá. Por isso eu digo. Se prender é bobagem.
- Mas as pessoas, Aristóteles. Olha como elas se comportam. Parece que o tempo todo se preocupam com esse invólucro imperfeito. E ficam reproduzindo a própria imagem vez após vez. Não tem nada que as solidifique em nada. É só imagem. Cópia da cópia da cópia. Já ouviu falar de Instagram?
- Já.
- Então! Quer coisa mais vazio do que aquilo? E pra que?
- Sei lá. Tudo é mímese.
- Mímese, meuzovo!
E ficaram discutindo a noite toda. No fim Aristóteles teve que levar ele pra casa carregado. Se ele fosse vivo, teria pedido um Uber.
Tiago da Silva
Enviado por Tiago da Silva em 12/09/2019
Código do texto: T6743316
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Tiago da Silva
Suzano - São Paulo - Brasil, 30 anos
481 textos (13769 leituras)
3 áudios (305 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/09/20 11:53)
Tiago da Silva