Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MINHA PRIMEIRA VEZ

A PRIMEIRA VER NINGUÉM ESQUECE

Naquele domingo, 2 de agosto de 2008, acordei com uma ressaca como há muito não sentia. Na véspera, até parte da madrugada do dia 2, passei com uns amigos bebendo em uma festa junina lá na minha querida Pacoti e depois fomos jantar em um restaurante, onde ficamos conversando amenidades até bem tarde: eu, Faheina e Sebastião Belmino. Este último conhecido apresentador de programa esportivo na nossa capital.
Na ocasião, lembro-me, falamos de diversos assuntos, principalmente de futebol, e eu contava ao Sebastião um episódio que ocorrera comigo quando jogava futebol de subúrbio e era praxe os juízes, devido a inúmeras reclamações dos jogadores, entregarem o apito, pondo-o em cima da bola. Bem lembrado, disse Belmino, era assim mesmo. Qualquer dia te levo ao meu programa para contar mais algumas reminiscências daquela época sobre futebol. E, o que contava naquele dia, era um fato ocorrido numa partida entre o Cialta, time que eu jogava, uma conhecida empresa de ônibus de Fortaleza e o Alvorada, que depois transformou-se em Uniclinic e hoje em Sport Cearense.
Pois bem, mas voltando ao assunto principal da ressaca, porque a conversa do bar não é a questão no momento. Quando acordei, não quis nem tomar café, uma das primeiras coisas que faço logo ao me levantar. Mas devido ao meu estado: dor de cabeça e o estômago embrulhando com vontade de vomitar não tomei o bendito café da manhã. Mesmo assim, fui para o bar do Beguim assistir ao sorteio de um consórcio e depois de algum tempo, já melhor, consegui comer alguma coisa.
Terminado o sorteio, fui em casa, peguei minhas coisas e vim para Fortaleza, acompanhado de um casal de amigos. Em Baturité paramos para ir ao banheiro de um restaurante, tomar água e o casal aproveitou para pedir uma cerveja também. Ofereceram-me. Como já havia melhorado da ressaca, pensei em tomar um copo de cerveja, porém como a Lei Seca tinha sido instituída há poucos dias, fiquei receoso de ser parado numa blitz, embora o horário não fosse muito convidativo para isso, devido ao calor que fazia; mesmo assim pensei, pensei e terminei recusando.
Minha sorte! A viagem transcorria tranquila e sem qualquer problema até Redenção, quando na parte duplicada da estrada, demos de cara com uma blitz; montada estrategicamente num local que não permitia retorno. Não havia como escapar, só se podia seguir em frente.  Para se salvar da blitz seria preciso que os agentes estivessem todos ocupados, e não foi o caso.
Fomos parados!
Gentilmente, um agente do trânsito dirigiu-se a mim e pediu o documento do carro e a carteira de habilitação; entregues, depois dos exames de praxe; o agente pergunta-me se eu poderia descer para fazer o exame do bafômetro.
Preocupado com a bebida do sábado e madrugado do domingo, origem da abençoada ressaca àquela altura, porque se não fosse ela provavelmente teria tomado um copo de cerveja em Baturité e o provavelmente pegue no bafômetro,  ponderei, dizendo-lhe que havia bebido à noite até por volta de uma da madrugada e estava com receio de algum problema.
O guarda, sempre cortês, perguntou-me se eu já havia comido naquele dia.  Sim, respondi-lhe. Não haverá problema, assegurou-me; é somente rotina. Hesitante concordei.
Dirigi-me a um veículo equipado que estava estacionado no outro lado da estrada para fazer o teste de bafômetro. Recebi o aparelho e as instruções necessárias para seu uso; hesitei novamente; meu desiderato não era aquilo, com medo da carraspana do dia anterior, que me deixava aflito, se o resultado fosse positivo; com a punição advinda. Embora a Lei Seca ainda não fosse tão dura como hoje. No entanto, não havia outro jeito; era fazer, ou fazer. Fiz. Soprei o tal bafômetro como o coração disparado. Deu negativo, para meu total alívio. Ufa! Escapei, pensei comigo mesmo.
Na mesma hora que eu fui fazer o teste, veio também outro convidado: um sujeito alto, magro, vestido com a camisa do São Paulo. Após fazer minha estreia no bafômetro, fiquei me recompondo do susto; conversando com o agente, que inclusive era amigo de um dos meus companheiros da farra anterior, enquanto observava o torcedor sampaulino. Este ao receber o aparelho de teste, olhou para o guarda, hesitou também um pouco como eu e disse: “Olha, seu eu não soprar direito, não é por não quero, é por que estou com uma dentadura nova e não sei se vou conseguir.” Fiz grande esforço para não ri, afastei-me e fui embora.
Portanto, foi assim minha estreia no bafômetro, e até agora a última, mas como se diz:” A primeira impressão é a que fica”; e eu fiquei com a do sampaulino da dentadura nova.

HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO
FORTALEZA, AGOSTO DE 2019.
Henrique César
Enviado por Henrique César em 14/08/2019
Código do texto: T6720310
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Henrique César
Fortaleza - Ceará - Brasil, 67 anos
670 textos (207995 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/19 10:48)
Henrique César