Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


                             Armas nas escolas


          Os valentes, quanto mais têm coragem, menos precisam de armas... Contudo os medrosos, quanto menos têm coragem, mais se apegam às armas e criam por elas uma verdadeira idolatria e, quando jovens, escrevem nos cadernos escolares, como em caso recente: “eu amo arma”, e por lá “I love the gun”... Nos Estados Unidos, vê-se o exemplo, nas inúmeras escolas atingidas por esse diabólico fenômeno: Mentes adoecidas por problemas familiares e por esses estimuladores entram nas salas de aula ou nos parques de recreação, carregando armas e munições que facilmente são compradas em qualquer esquina ou em algum shopping. Aqui, a essa juventude, tem sido mais usual falar do “dever de se ter uma arma” do que de se adquirir e ler um livro. E por lá, quem preside tal loucura chegou a apresentar como solução, contra a violência na escola, entregar armas aos professores para eles se protegerem de eventuais ataques ou defenderem seu lugar de trabalho.
          É revoltante ver, na televisão, esse repugnante cinismo de políticos, que apregoam desmesurada fabricação e facilitada comercialização de armas, lamentarem a tragédia na Escola de Suzano; simulando que estão chorando, eles reconfortam os pais dos alunos assassinados e prometem maior segurança e pagar R$ 100.000,00 por cada estudante morto: só pensam nisso, no lucro, no dinheiro... Assim como aqueles dois alunos planejaram o massacre; eles planejam como melhor lucrar junto à fabricação e à comercialização de armas; e na circunstância da tragédia, simulam nada ter em a ver com tais crimes.  
          Aristóteles nos ensinou que cada coisa foi feita tendo uma finalidade que lhe foi causa. Quando se dá um lápis a um estudante, espera-se que ele vá escrever; um livro, que ele leia; um guarda-chuva, que ele se proteja da chuva ou do sol. E um revólver? Daí, concluir-se, pela lógica, que cada coisa tem, dentro de si e na sua forma, a finalidade para que foi feita. Se o garfo para espetar, a faca para cortar; o revólver foi feito para atirar... Enfim, nesse mundo de violência, em vez de uma coragem desastrosa, bem melhor talvez seja o medo ou a prudência às ações de equilíbrio. Geralmente, os “valentes” virulentos preferem a comodidade do uso da força à providência racional da destemida coragem.

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 15/03/2019
Reeditado em 15/03/2019
Código do texto: T6598316
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Damião Ramos Cavalcanti
João Pessoa - Paraíba - Brasil
667 textos (90676 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/05/19 19:37)
Damião Ramos Cavalcanti

Site do Escritor