Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Crônicas, Passageiro: Pobreza é não ter escolha

Belém, 18 de janeiro de 2018.


"Pobreza é não ter escolha", gostou da frase Jô. Olha que interessante, seria uma máxima eu que teria inventado?  Não que eu queira na ambição boba um dia pesquisar no Google e achar lá o nome Pantoja Ramos vinculado ao termo  pobreza é não ter escolha, isso, repito, é bobagem. Interessa-me muito mais provocar alguém para que leia este pseudo ditado, olhe pra cima e repita em voz quase sibilante um "taí, pobreza é não ter escolha", sorrindo e avaliando filosoficamente como fez João Grilo sobre a parte final da sentença proferida por Chicó no Auto da Compadecida: "pois tudo que é vivo, morre, taí?"[1]. Mesmo o sabido João Grilo se surpreendeu com a profundidade proferida pelo amigo.

Tal frase saiu de mim assim sem programação, talvez cuspida de tantas andanças e viajadas de barco pelos interiores da Amazônia. Acúmulo de visões e conversas, diagnósticos socioeconômicos e ambientais sem ficha de entrevistas e sim na base da prosa. Eu vi a fome? Vi. Eu liguei os pontos sobre lugares onde havia exploração sexual de crianças e adolescentes? Sim (Tajapuru). Eu constatei jovens se embriagando e descontando seus traumas nas ruelas em forma de assalto? Constatei. E de tanto caminhar, não sei o porquê de sair a frase, mas saiu: “pobreza é não ter escolha”.

Se olhas para os lados e não tem comida, é a máxima forma de pobreza. É a miséria, hoje orçada quando uma pessoa tem menos de R$136,00 mensais para se manter[2].

Se não tem caderno, se não tem escola, se não tem professor ou professora, ou falta gasolina para o transporte dos estudantes, ou falta merenda para meninos e meninas em plena fase de nutrição do cérebro a partir da boa alimentação; e se não estudei por falta de escolha diante de tantas condicionantes, fiquei pobre.

Se me contundo na bola e vou atrás de um posto de saúde, não encontrando material que me cuide do joelho, nem médico (que até tinha na cidade próxima, mas foi embora pra Cuba), minhas escolhas são limitadas. Sem alternativa a não ser rezar para que Dona Nazaré e seu óleo de andiroba me sejam milagrosos (e são às vezes) enquanto consigo ir para a capital para exames mais minuciosos. Enquanto isso, ando a dor do peso dos anos, capenga de um lado. Contudo, mais capenga é um país com declínio de solidariedade.

Nosso país é midiaticamente pobre de conteúdo, enquanto paradoxalmente milionários seus barões da comunicação. Ou é proposital? Não sei nem se tenho escolha para obter outras formas de informação e conhecimento, pois o que me chega é que a Televisão e os Grandes Jornais são os detentores da notícia. Não, estou equivocado. Não é bem assim, torno-me rico quando pesquiso e encontro muitos profissionais sérios do jornalismo no Youtube e outras páginas da internet. Tenho escolha, só não sabia. Sou pobre neste sentido (as das notícias) até perceber que não preciso ser.

A escolha e seu irmão mais velho e sábio, o Livre-Arbítrio, são elementos que precisamos exercitar. Entender que algumas redes sociais lançam uma falsa sensação de liberdade, provada por A+B nas últimas eleições dos EUA e no Brasil.  Não sou filósofo, mas de tanto estranhar as propagandas e temas que me chegam como se soubessem o que estou assuntando ou tenho preferência, fiquei a desconfiar dos algoritmos, que agridem minhas escolhas livres por meio da captação de meus dados pessoais[3]. Se Espinoza diz que precisamos nos libertar dos nossos sentimentos e sensações para obtermos tranquilidade[4], o volume de informações falsas e induções que mexeram com o emocional dos eleitores brasileiros ideologicamente e na prática culminaram que milhões de pessoas elegessem mandatários provavelmente a não nos trazer paz nos próximos 4 anos e isso já se vê desde o dia 1 de janeiro de 2019. Portanto, devemos monitorar o quanto da modernidade trazida nos aplicativos de celulares nos prejudica em nossa capacidade natural de decidir em favor do bem-estar coletivo. Ou seremos Id-Otas (aqueles que só olham para o próprio umbigo)[5]?.

De tanto viajar e perceber que não sou nenhum técnico genial, mas apenas um apresentador às pessoas de escolhas técnicas e escolhas políticas nas comunidades onde trabalhei, percebi que os resultados destas famílias surgem quando elas entendem possuir opções para jogar com esta ou com aquela carta contra as falhas governamentais. Nada fenomenal, apenas o demonstrar que pode haver uma escolha, uma bomba d´água diferente, uma forma outra de manejar a floresta, uma modalidade fundiária, se planto essa árvore frutífera ou aquela outra, tudo aquilo que possa enriquecê-los na Esperança.

Por fim, penso na pobreza de espírito de algumas pessoas. Que não abrem a mente e o coração para o diverso e o plural. Que internamente estão com a porta fechada para as possibilidades do pensamento humano e para outrem. Que aboliram o debate, que é canal de alternativas. Um país mais pobre do que nunca em diversas áreas se não nos mobilizarmos.


Pobreza é a falta de Escolha.









[1] “É verdade; a cachorra morreu. Cumpriu sua sentença, encontrou-se com o único mal irremediável, aquilo que é a marca do nosso estranho destino sobre a terra, aquele fato sem explicação que iguala tudo o que é vivo num só rebanho de condenados, porque tudo o que é vivo, morre...”.
[2] Veja o cálculo feito com bases em estudos do Banco Mundial em https://www.valor.com.br/brasil/5446455/pobreza-extrema-aumenta-11-e-atinge-148-milhoes-de-pessoas , o qual me fez denunciar a Emenda Constitucional 95 como um ato contra a população mais pobre em https://meioambienteacaiefarinha.blogspot.com/2018/05/sobre-os-repasses-federais-aos.html
[3] Ver a reportagem da Folha de São Paulo sobre o assunto https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2018/12/operacao-de-influencia-russa-nas-eleicoes-dos-eua-visou-eleitores-negros.shtml
[4] Recomendo a leitura do livro “O Mundo de Sofia” para entender de maneira didática Espinoza e outros pensadores consagrados da Filosofia.
[5] Mário Sérgio Cortella comenta este termo em seu vídeo publicado na página https://www.youtube.com/watch?v=XjpHBYLwL8Q
Pantoja Ramos
Enviado por Pantoja Ramos em 23/01/2019
Código do texto: T6557718
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pantoja Ramos
Belém - Pará - Brasil, 44 anos
291 textos (10321 leituras)
71 áudios (2245 audições)
38 e-livros (2409 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/10/19 05:25)
Pantoja Ramos