Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

                                  
                        Fátima, pintora sem pincel


          Há anos atrás, enquanto esperávamos o voo, minha filha caçula, Esther, aos três anos de idade, foi atraída por um enorme aquário, em cujo vidro encostou seu pequeno nariz, mergulhando os olhos nas águas e algas, e quase em diálogo com os peixes, observou as bocas, as caudas e as nadadeiras, suas súbitas partidas e o seu parar sereno. Pegou o avião e, ao chegar em casa, trocou de roupa, e, sem aulas de natação, de repente, pulou na piscina e nadou. Concluí que a natureza é mestra: aprende-se a nadar com os peixes; e a voar, com os pássaros.
          Agora, a competente jornalista Fátima Farias voa nos céus das pinturas, organizando exposições na Fundação Casa de José Américo; apareceu mostrando-nos belas telas, dizendo serem obras suas. Diante de tão grata surpresa, com cuidados para não magoá-la, medi palavras para perguntar: - Como foi isso? Imaginei, teria sido como aconteceu com Esther, levando em consideração sua convivência com tal arte? Então, confessou que foi e não foi ela quem pintou. Apenas, diante de um tacho cheio de tintas, foi atraída pelas cores, mergulhou as mãos, e, sem escolha, foi espalhando o azul, o vermelho, o verde, o amarelo na tela, de olhos quase fechados, conforme misterioso impulso que recebia, num ritmo marcado pela vontade e pelo desejo. E quando abriu os olhos, maravilhou-se com o que tinha feito. Entusiasmada, prometeu expor esses “Mistérios, Surpresas e Revelações”.
         Curioso, recorri ao amigo genial artista Flávio Tavares que, prudentemente, explicou: “É possível” ... E dissertou sobre famosos pintores, como Goa, Van Gogh e Jackson Pollock, que, parecendo “endiabrados”, pintavam assim numa estranha velocidade. Os esotéricos, evitando o termo “endiabrar”, justificam que tais criações são coisas dos espíritos que, em gunas, suscitam criatividade e iluminação. E sem pincel? Respondeu-me Flávio: “Sim, você faz uma crônica, mesmo quando a escreve, jamais pensa que está usando uma pena...” Daí, Fátima, uma pintora sem pincel.

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 10/08/2018
Reeditado em 11/08/2018
Código do texto: T6415235
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Damião Ramos Cavalcanti
João Pessoa - Paraíba - Brasil
633 textos (82821 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/10/18 15:54)
Damião Ramos Cavalcanti

Site do Escritor