Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O ACROBATA

Cair: verbo intransitivo que finda seu sentido em si mesmo. Ser ou estar, primeiro verbo a ser apreedido em uma língua. Viver: verbo que pode conectar-se a todos os demais e traz implícito seu esboroar-se. Assim a vida parece estender-se entre diversas conjunções e sintaxes. Perder-se em morfologias talvez seja próprio dos filósofos. "Viver" em si mesmo não depende dos significados, nem dos radicais, nem de declinações. É só uma linha entre dois extremos. E alguém a cruzar por ela. À diferença dos espetáculos circenses, nós não sabemos onde é o outro lado, mas sabemos que haveremos de cair um dia. Em algum momento faltar-nos-ão forças nas pernas, equilíbrio, vontade, ânimo, virtude, coragem, bravura, fortuna. Faltar-nos-ão meios de prosseguir em frente, mesmo sabendo que possa ser inútil e muitas vezes, colocarão ardis para que caiamos no laço. Alguns, quando isso se der, nem se darão conta que caíram, outros se agarrarão no fio que insiste em balançar esperando a ser destencionado. Outros aida chegarão perto de voltar à linha, tentarão se arrastar até o final... até perceberem que na verdade não há um final, e que mesmo depois de deixarem o caminho, o caminho continua. Uns farão de tudo para significar seu trajeto. Pegarão a barra mais bela, mais ornada, a encherão de fitas azuis, amarelas; colocarão um nome pomposo, provavelmente reflexo de um sonho, de uma saudade de um super-heroi, de uma brincadeira de criança; tentarão legar esse sonho a outros que vem atrás dele - alguns até serão lembrados, quiçá imortalizados na memória coletiva. Mas outros viverão para si o desdém de saber-se num espetáculo inútil, numa piada que se repete, numa plateia que emudeceu ante o espetáculo que há muito já perdeu a magia. Outros viverão atônitos, voziferarão sonhos escatológicos sobre as possíveis realidades do fim da linha, atribuirão à linha em si espinhos a roer-lhes a carne, realidades que afligem o trajeto e dirão a si mesmos que encontraram a razão do andar e que este percurso é deveras perigoso e que nessa certeza encontraram a paz de espírito que tanto buscavam. Outros, e creio que estes saõ os menos aflitos, tentarão aproveitar o caminho ao máximo, deleitando-se no seu próprio cansaço, na sua capacidade de equilíbrio, no sorriso furtivo de alguém da plateia, nos outros que virão após ele, sabendo que algum momento será o momento, não de cair, mas deixar-se cair. Quando isso lhes ocorre não tentam agarrar-se à linha, mas sorriem pra ela e em serena queda somam-se aos mortos que jazem na lona para ser enterrados tendo como consolo o fim do cansaço e o apagar das luzes. Mas o que une todos é que no final vem a certeza de que viver é um verbo intransitivo.
Tiago da Silva
Enviado por Tiago da Silva em 03/05/2018
Código do texto: T6326041
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tiago da Silva
Afogados da Ingazeira - Pernambuco - Brasil, 28 anos
452 textos (11366 leituras)
3 áudios (296 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/09/19 03:57)
Tiago da Silva