Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
A caixa mágica


Isto aqui não faz muito tempo, mas em certo sentido é pura arqueologia.

Meu namoro com Maria do Carmo não durava uma semana, quando ela cismou que eu devia conhecer seu avô. Havia duas décadas que ele não deixava mais o leito. Na primeira oportunidade, levou-me ao tugúrio do pobre homem, enaltecendo, como todos na família, a extrema lucidez daquele farrapo de noventa e nove anos, que ainda era capaz de soerguer o punho esquerdo ao mais imperceptível solfejar do hino da Internacional. Nessas ocasiões, uma ruidosa manifestação de falsa alegria tomava conta de uma platéia de desmiolados — netos, filhos, genros e noras —, que largavam tudo o que estivessem fazendo na casa para aplaudir freneticamente o patriarca.

Assim que minha namorada nos apresentou um ao outro, ele insistiu em ficar apenas com nós dois no quarto e expurgou dali o resto do pessoal.

Súbito, num fiapo de voz, perguntou conspirativamente à neta:

“Ele sabe da caixa?”

Claro que eu não sabia de caixa alguma, mas ela sorriu-lhe com meiguice e confirmou com a cabeça. Logo percebi que era outro de seus números domésticos.

Tranqüilizado, ele virou o rosto na minha direção.

“Ontem saiu aquela história”, segredou-me.

Olhei atônito para Maria do Carmo. Ela pôs a mão em meu braço e explicou:

“Vovô achava que era só uma invenção dos irmãos Grimm, mas depois começou a ver histórias saindo.”

O jogo parecia forte. Julguei que devia dizer alguma coisa e arrisquei:

“Que bom!”

Dancei feio. O velho começou a estrebuchar como um louco na cama, com falta de ar, e Maria do Carmo inclinou-se para ele, cheia de cuidados, enquanto olhava para mim fingindo contrariedade.

“Não é nada bom, seu bobo”, falou-me, como se estivesse ralhando com uma criança. “Vovô tem medo quando sai aquela história. É a que lhe causa mais medo.”

“Bem”, respondi, tentando mitigar a mancada, “é justamente a única história que não conheço.”

Outra bandeira. O homem quase embarcou dessa vez.

“Então ele não sabe da caixa”, gemeu, encarando com severidade a neta, que entregou os pontos.

O velho comunista, todo contente agora:

“Vai, pega o livro na caixa, conta para ele também.”

Ela fez o que o avô pedia. Apanhou na mesinha-de-cabeceira uma edição dos irmãos Grimm, que abriu automaticamente na página certa e começou a ler, pela enésima vez em sua vida:
“’A chave de ouro’. Num dia de inverno, a terra toda coberta por uma espessa camada de neve...”

O velhinho delirava, feliz, mijando-se todo de alegria.

A Internacional e essa fábula linda com que os irmãos Grimm justificaram para sempre a contação de histórias eram o que ele queria levar para o céu dos socialistas, quando chegasse a hora.


[26.2.2007]
Luiz Guerra
Enviado por Luiz Guerra em 26/02/2007
Código do texto: T394703


Comentários

Sobre o autor
Luiz Guerra
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 72 anos
166 textos (18138 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/20 03:30)
Luiz Guerra