Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
A caixa mágica


Isto aqui não faz muito tempo, mas em certo sentido é pura arqueologia.

Meu namoro com Maria do Carmo não durava uma semana, quando ela cismou que eu devia conhecer seu avô. Havia duas décadas que ele não deixava mais o leito. Na primeira oportunidade, levou-me ao tugúrio do pobre homem, enaltecendo, como todos na família, a extrema lucidez daquele farrapo de noventa e nove anos, que ainda era capaz de soerguer o punho esquerdo ao mais imperceptível solfejar do hino da Internacional. Nessas ocasiões, uma ruidosa manifestação de falsa alegria tomava conta de uma platéia de desmiolados — netos, filhos, genros e noras —, que largavam tudo o que estivessem fazendo na casa para aplaudir freneticamente o patriarca.

Assim que minha namorada nos apresentou um ao outro, ele insistiu em ficar apenas com nós dois no quarto e expurgou dali o resto do pessoal.

Súbito, num fiapo de voz, perguntou conspirativamente à neta:

“Ele sabe da caixa?”

Claro que eu não sabia de caixa alguma, mas ela sorriu-lhe com meiguice e confirmou com a cabeça. Logo percebi que era outro de seus números domésticos.

Tranqüilizado, ele virou o rosto na minha direção.

“Ontem saiu aquela história”, segredou-me.

Olhei atônito para Maria do Carmo. Ela pôs a mão em meu braço e explicou:

“Vovô achava que era só uma invenção dos irmãos Grimm, mas depois começou a ver histórias saindo.”

O jogo parecia forte. Julguei que devia dizer alguma coisa e arrisquei:

“Que bom!”

Dancei feio. O velho começou a estrebuchar como um louco na cama, com falta de ar, e Maria do Carmo inclinou-se para ele, cheia de cuidados, enquanto olhava para mim fingindo contrariedade.

“Não é nada bom, seu bobo”, falou-me, como se estivesse ralhando com uma criança. “Vovô tem medo quando sai aquela história. É a que lhe causa mais medo.”

“Bem”, respondi, tentando mitigar a mancada, “é justamente a única história que não conheço.”

Outra bandeira. O homem quase embarcou dessa vez.

“Então ele não sabe da caixa”, gemeu, encarando com severidade a neta, que entregou os pontos.

O velho comunista, todo contente agora:

“Vai, pega o livro na caixa, conta para ele também.”

Ela fez o que o avô pedia. Apanhou na mesinha-de-cabeceira uma edição dos irmãos Grimm, que abriu automaticamente na página certa e começou a ler, pela enésima vez em sua vida:
“’A chave de ouro’. Num dia de inverno, a terra toda coberta por uma espessa camada de neve...”

O velhinho delirava, feliz, mijando-se todo de alegria.

A Internacional e essa fábula linda com que os irmãos Grimm justificaram para sempre a contação de histórias eram o que ele queria levar para o céu dos socialistas, quando chegasse a hora.


[26.2.2007]
Luiz Guerra
Enviado por Luiz Guerra em 26/02/2007
Código do texto: T394703

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Luiz Guerra, www.galhodearruda.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luiz Guerra
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 71 anos
166 textos (17890 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/19 06:46)
Luiz Guerra