Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Abastado & Nefasto Burguês Brasileiro S/A.

“Acautelai-vos do fermento dos fariseus que
é a hipocrisia. Nada há de encoberto que não
venha a ser revelado. E oculto que não venha
a ser conhecido.” (Lucas 12: 1 e 2).

A condição tribal abastada, globalizada do burguês brasileiro é de uma perversidade social que salta aos olhos. Ele, burguês, caudatário de privilégios advindos da ascensão da burguesia a partir das revoluções sociais burguesas do século XVIII, é pai de gerações de filhinhos de papai, acostumados às mordomias de classe, afeitos a uma psicologia, pessoal e social, baseada na hipocrisia, na criminalidade institucional, na impunidade. Vejam-se os mensalões e os carlinhos cachoeiras da vida burguesa nacional.

Veja-se as notícias atuais nos canais de TV. Muitas delas divulgam um ex-ministro dito da Justiça(?) a defender seus criminosos do colarinho branco como se essa defesa fosse a conduta ética mais natural do mundo. Burguês. Veja-se os tribunais dito superiores, instância última da pederastia legislativa com suas leis, no fundo, no fundo, promulgadas em defesa dos criminosos advindos de associações secretas afiliadas ao satanismo globalizado de instituições anticonstitucionais.

Sem caráter, sem personalidade, subserviente e servil, o filhinho de papai da burguesia, atém-se ao discurso cheio de atos falhos, com palavras que bafejam situações diversas das quais deseja tirar proveito em benefício próprio. Sempre. Sem a mínima intenção de parecer honesto, criterioso, embananando-se propositalmente em conceitos próprios que visam imiscuir erro e aparência de verdade.

E pensar que esta sociedade é gerida por seu interesse burguês, pela invocação, pessoal e social de suas necessidades de classe, por suas sociedades secretas cheias de simbologia que evocam demônios antigos em defesa de seus interesses pessoal e coletivo. Então, que poderá advir dessa administração social globalizada em todas as instâncias do interesse privado e público globalizado pela criminalidade de sua intenção burguesa?

As revoluções burguesas são um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que foram elas que contribuíram no abrir caminho para a superação dos resquícios da gestão feudal da sociedade medieval e, portanto, para tornar possível a consolidação do modo de produção capitalista.

O problema político e econômico, estrutural, das revoluções burguesas estava e está na repetição dos mesmos paradigmas das sociedades ancestrais: acumulação de riqueza por uma classe social que se substituiu ao feudalismo romano e medieval. Mas com a mesma intenção de escravizar multidões a seus interesses de acumulação e concentração de renda através da gestão do capital financeiro.

O burguês, tal como o maçom, é um mentiroso patológico. Não visa de modo algum o bem-estar da sociedade, mas a escravização das multidões de eleitores a seus propósitos de acumulação de bens e concentração da riqueza social em benefício próprio. Unicamente da classe social a que pertence. Isto acontece desde a Revolução Inglesa no século XVII e da Revolução Francesa no século XVIII.

Mas, perguntará o leitor mais atento, que classe poderia sobrevir a essa dominação? Uma revolução do proletariado? Evidente que não. O proletariado é, por definição, uma pessoa em busca de um prato de comida para sobreviver até o dia de amanhã. Sem condições mentais e físicas para gerir a si mesmo, como poderia gerir a sociedade?
Que classe poderia substituir a gestão burguesa da sociedade dita organizada? Uma classe social em defesa dos interesses proletários? Não faz sentido.

E o pequeno burguês? Esse, não deseja nada mais na vida do que se transformar em transformista burguês. O quê ou quem mantém a burguesia no poder? Qual o lastro que sustenta o barco ou o Titanic da classe burguesa? Resposta: os Anjos Caídos (os ETs que colonizaram o planeta Terra). Os antigos construtores de sítios arqueológicos desde a pré-história, tais como:

Stonehenge, Karnak, Cnossos, Catal Huyuk, as pirâmides do Egito, Nazca, Cuzco, Teotihuacan, as Cavernas de Ajanta na Índia esculpidas em basalto, com pinturas com mais de um e meio milênio, mas que nada devem ao talento renascentista de um Miguel Ângelo ou de um Leonardo Da Vince. Com suas cavernas Chaityas (templos similares às catedrais cristãs do medievo, com tetos abobadados e pilares de pedra decorados).

Sítios arqueológicos pré-históricos são centenas. Em todos os lugares do planeta. Alguns, com uma arquitetura e engenharia muito acima dos conhecimentos culturais pré-históricos que tornam impossíveis qualquer especulação de que foram construídos com recursos da espécie Homo sapiens/demens. Incluindo-se entre esses, o Templo de Salomão.

A argumentação acima é apenas um preâmbulo para a narração de um acontecimento que pode ser considerado trivial na rotina dos brasileiros. O acontecimento em si mesmo expõe a miséria comportamental e de filosofia de um filhinho de papai (filho de um ex-ministro da Cultura).

A classe social que representa os Anjos Caídos é a Burguesia. O burguês se cristalizou em atitudes de decadência simultaneamente busca legitimá-las como se fossem seu oposto. Exemplo:

Distribuí anúncios na área de letras/inglês na USP solicitando uma pessoa com conhecimentos de português/inglês visando fazer a versão de um Roteiro (Cinema) de minha autoria denominado HOLOCAUSTO NUNCA MAIS (PsychCity). Um cidadão de nome “Fulano Filhinho de Papai” identificou-se via e-mail dizendo estar disponível para fazer a versão.

Após negociações com pessoas que haviam se habilitado a fazer a versão, optei pelo Filhinho de Papai que insistia em se oferecer via e-mails insistindo estar disponível. Questionei a habilitação do Fulano porque o mesmo havia dito fazer traduções de textos técnicos. E o Roteiro (Cinema) estava escrito a partir do um romance de minha autoria.

O Fulano insistia no fato de que havia efetuado muitas leituras de ficção científica na juventude, por isso, estaria habilitado a fazer a versão. Acertou um preço e sugeriu um contrato. O contrato por ele sugerido era simplesmente canibal. As cláusulas visavam favorecer, sempre, uma das partes: ele. De maneira simplesmente ostensiva sugeria que a quantia acertada poderia ser reajustada toda vez que ele achasse necessário.

Logo o Filhinho de Papai mandou um e-mail duplicando o preço combinado, e um anexo de duas páginas mostrando o início do Roteiro traduzido, de modo que eu pudesse avaliar sua competência. Eu havia dispensado outras pessoas para fazer a opção pelo Fulaninho. Resolvi facilitar a negociação e aceitar a duplicação do preço. Mais que isso, redigi um contrato mais simples de uma página (o dele tinha quatro páginas) com uma cláusula que previa mais U$ 2.000,00 (dois mil dólares) a título de bônus quando o roteiro fosse produzido.

O Filhinho de Papai mandou um e-mail no qual afirmava estar tudo bem. E que ele tinha certeza de que daria tudo certo. Logo depois, outro e-mail chegou dizendo que havia surgido um imprevisto, que não poderia mais fazer a versão. Buscava justificar a quebra do contrato com argumentos que não faziam o menor sentido. Dava a impressão de que o cara vivia drogado e mudava de opinião como quem ignorava os compromissos assumidos anteriormente. Para simplificar, aí vai um dos e-mails:

“Obrigado, Decio, você tem sido muito legal. Torço pelo seu progresso e serenidade. Mas existe mais. É o conteúdo. Admito que fui enganado pelo título. Pensei que não haveria problema, já que pelo menos seria antinazista. Assim, eu não teria conflito de consciência colaborando com trabalho contra meus princípios. Mas aí é que está: o título é seu álibi. Com ele, você pode colocar tudo que quiser lá dentro. Até o conteúdo fascistoide, destrutivo, pedófilo e com outros tipos de sexualidade patológica e patologias em geral que você escreveu. Eu esperava ansiosamente pelo aparecimento dos herois, dos bons.
Quando finalmente começaram a aparecer personagens com ocupações decentes, faziam apologia de esportes perigosos, potencialmente suicidas. Foi demais pra mim, ainda mais que eu sabia que a história caminharia para holocausto incendiário-genocida com futuro desolador e desesperançado que você preparou. Se o que você pensa não fossem simples fantasias patológicas, você poderia estar preso hoje. Espero realmente que você procure melhorar e buscar pensamentos mais saudáveis. Respeitando e ajudando a você mesmo e aos outros. Psicoterapia pode ajudá-lo. Do meu lado, eu procuro pessoas e coisas mais saudáveis para mim e não posso ter meu nome associado a produções assim”.

Meu e-mail de resposta:

OI Fulano, é impressionante a ignorância globalizada característica até mesmo das classes sociais mais privilegiadas. Vc não sabe distinguir entre uma ironia literária que critica de forma veemente e criativa uma sociedade globalizada pelo fascismo de classe e de grupos sociais donos do poder político e econômico? Vc diz que leu muita Ficção Científica em sua juventude, e ainda agora não sabe discernir os conceitos de arte e técnica literárias? Esse futuro não sou eu quem criou. Ele está sendo criado pelas lideranças políticas e econômicas vigentes que estão ultimando os preparativos para a vigência da New World (Dis)Order. Não sou eu quem criou um futuro desolador e desesperançado. Vc não possui uma visão crítica dessa realidade! Talvez por ser um filhinho privilegiado dessa "elite" que conduz esse país globalizado pelo carnaval e o futebol, o alcoolismo, a criminalidade, a prostituição e as drogas. Com uma educação, uma saúde e uma insegurança social para Hitler nenhum botar defeito. Meu romance e o Roteiro são uma crítica veemente a essa sociedade (essa administração política e econômica) que condena gerações e gerações de crianças e adolescentes a um estilo de vida herança de todas as patologias, as mais perversas, das gerações anteriores. Vc não olha para seus vizinhos de bairro? Não vê as condições sub-humanas em que vegetam sem a mínima esperança de uma política que lhes privilegie com uma educação minimamente adequada? Uma obra de arte, seja ou não literária, busca fazer as pessoas, seus conterrâneos, até mesmo os cegos pelos privilégios de classe (vc, p.ex.), enxergarem a condição de barbaridade das classes sociais menos favorecidas por uma educação de comadres, pelas patologias sociais a que estão perversamente expostas, por uma saúde e uma insegurança sociais para campo de concentração nenhum botar defeito (vc não liga a tv nos jornais nacionais?). Acredito que nem psicoterapia (a muito longo prazo) possa ajudar sua cegueira tão visivelmente exposta em suas considerações demenciais em seu e-mail anterior. Sua leitura de meu texto está absolutamente equivocada. Vc leu com todos os preconceitos da classe social à qual pertence. Se vc, filho de ex-ministro, tem uma visão da arte literária tão limitada, que não sabe discernir o papel social da literatura numa sociedade escravizada mental e perversamente pelo consumismo desvairado, então se explica o sucesso globalizado da (sub)literatura escrita por coelhos. Vc supostamente tem formação “superior”. Sua classe social é a mesma que produz literatura e filmes de vampiros adolescentes. Certamente vc não vê nessa (sub)literatura e nesses filmes nada de patológico, não é mesmo? Afinal os adolescentes vampiros que aparecem nesses filmes habitam em residências parecidas com o lugar onde vc mora, não é mesmo? Cheios das mordomias dos papais vampiros sociais. Vc certamente gosta dessa (sub)literatura e desses filmes, não é mesmo? E se identifica totalmente com o poder e a glória da classe social desses vampiros. Estou certo? Saiba que este título HOLOCAUSTO NUNCA MAIS (vc escreveu que foi enganado por ele) foi sugerido por um casal judeu que editou duas edições do romance. O conteúdo fascistóide, destrutivo, pedófilo, e outros tipos de sexualidade patológica do qual vc acusa ser portador meu romance (neo-pós-moderno), está nos jornais nacionais diários e noturnos, nas reportagens dos talk-shows da realidade TVvisiva diária deste país. E do mundo globalizado pela exclusão social. Vc por certo é muito "chick" e não vê TV aberta? Vc não toma conhecimento da realidade das favelas que certamente, por mais chique que seja o bairro ou o apartamento onde habita, cercam seu habitat? O conteúdo fascistóide, destrutivo, pedófilo, e outros tipos de sexualidade patológica do qual vc acusa ser portador meu romance (neo-pós-moderno) está em sua mente. É característico da classe social à qual vc pertence. Está em sua maneira destorcida de interpretar uma obra literária na qual busquei simplificar a reprodução de uma realidade nazi-fascista que caracteriza as culturas globalizadas pelo consumismo pós II Grande Guerra. É impressionante que vc leia um livro, um romance, um Roteiro de cinema (neo-pós-moderno) e ignore seu conteúdo interpretando esse conteúdo segundo seus preconceitos culturais e de classe. De que valem seus diplomas se sua avaliação literária de meu romance (e do Roteiro) traduz uma ignorância cultural que lhe nivela abaixo das pessoas sem nenhum preparo acadêmico pertinente à compreensão de uma obra de arte. É simplesmente uma aberração cultural suas considerações abortadas por uma mentalidade pseudo intelectual, diluída pelos privilégios que certamente vc acumulou durante sua boa vida. Uma pessoa de meu convívio comentou apropriadamente: "Se esse cara não sabe nem ler, como poderia fazer uma versão do texto para o inglês?" Tenha a humildade de pedir desculpas por suas agressões gratuitas a um Roteiro de cinema que certamente vc não simpatizou por responsabilizar a classe social a qual vc pertence por todas essas atitudes de conteúdo fascistóide, destrutivo e nazi-fascista que vc deseja inutilmente não ver nas atitudes políticas (tipo mensalões) da classe social da qual vc é propriedade. “O pior cego é o que não quer ver”, tal como afirma o dito popular. Se vc tivesse a mínima razão em sua argumentação demente, como explica que o título do livro tenha sido sugerido exatamente por um casal de hebreus? O nome anterior do meu romance: ADÃO & EVA NO ÉDEN NEO-PÓS-MODERNO (PsychCity). Vc acredita que exista alguém mais anti-nazi-fascista do que um casal de editores judeu? Resposta: Sim, existe: Eu.

Posteriormente esse Filhinho de Papai reteve dois originais do contrato com minha firma cartorial reconhecida por nada menos de três semanas (mais). E somente devolveu quando eu os solicitei de volta sugerindo que publicaria artigos e crônicas mostrando seus e-mails e a falta de caráter de suas atitudes antiéticas.

Na realidade o Fulano não tinha competência para realizar a tradução/versão e inventou a argumentação muito fora de propósito visando sair por cima de uma situação embaraçosa na qual teria de mostrar, de qualquer forma (aceitando ou não fazer a versão) a própria ignorância e ausência de conhecimentos pertinentes para fazer a versão do Roteiro de cinema tendo por base um texto literário romanceado. Posteriormente me escreveu um e-mail cheio de desculpas esfarrapadas e admitindo as atitudes sem nenhum caráter.

Ele, que segundo ele mesmo, somente fazia traduções de textos técnicos e certamente arranjados por conhecidos e amizades firmadas pela influência social chancelada de papai. Ex-ministro. Da Cultura. Autor da Lei Federal de Incentivo à Cultura de dezembro de 1991.

Dessa forma age a descendência da classe social dos Anjos Caídos que fizeram as revoluções burguesas dos séculos XVII e XVIII. Certamente esses Anjos Caídos foram responsáveis pela construção daqueles templos antigos. Assim como pela satanização fundamentalista da cultura e da civilização em que vivemos. Atualmente. À espera da dominação definitiva da sociedade globalizada pela agenda da New World (Dis)Order.
Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 28/07/2012
Reeditado em 07/03/2013
Código do texto: T3801683
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Decio Goodnews
São Paulo - São Paulo - Brasil
2337 textos (517554 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/05/21 01:38)

Site do Escritor