Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Acordei com o pé direito



Hoje talvez seja meu dia, sei lá porque, mas tive a ligeira impressão que acordei literalmente com o pé direito. Começou com um sonho maravilhoso, a que sonho foi esse, no meu sonho aconteceu de tudo, tudo mesmo.
Primeiro começou eu ganhando na loteria, assim como todos sonham em ganhar um dia. Daí começou a historia, e que historia de um super ultra milhonario, o rei do pedaço em uma única vez que jogou na loteria e ganhou, logo fui pegar meu premio. Assim como todos humildes milhonarios; mudei de cidade e fui morar na beira da praia, que praia, que lugar. Não poderia ser diferente uma casa em Fernando de Noronha, outra casa, nossa! Outra casa?
 Isso mesmo. Em Angra dos Reis.
Tinha uma linda visão, da sacada olhei para baixo vi meu carro, carro não um sonho, mas que sonho bom sô. Era uma Ferrari, vermelha da cor da paixão, e do meu sonho realizado, foi apenas um sonho, mas que sonho bom.
Sai correndo da sacada, assim como não quer nada, sentir o vento na cara, andando como se fosse o rei no meio da mulherada. Que na verdade não olhavam para mim e sim para o carro, mas que carro. Voltei para casa, e que casa, nossa que beleza de lugar. No meu sonho tinha uma linda mulher a me esperar, vê se pode, sai para paquerar a mulherada e esqueci que um milhonario nunca anda só.
Pois ao meu redor, tinha mordomo, lavadeira, empregada, cozinheira, tanta gente que tinha empregados que nem sabia se quer o nome. Meu Deus! Como é que eu pagava todos então?
Tinha outra pessoa que eu pagava, e ele por sinal pagava os outros empregados para mim.
Era uma vida muito ocupada, pois nessa voltinha que dei, perdi alguns negócios por não atender o bendito celular, mas nem por isso fiquei pobre, pois tinha dinheiro a perder aos montes. E enquanto lhe contava essa história, tinha um helicóptero a me esperar. Para ir pra onde? Sei lá.
Peguei-o mesmo assim, no meio do vôo fiquei sabendo, ia para meu escritório no centro financeiro da metrópole, pois eu era nada menos que Doutor João Medeiros, amigo particular de Antonio Emilio de Morais. Nossa! Que moral.
Fato que chegando ao meu escritório, tinha o recado da secretaria, o presidente Lula queria falar comigo. Só pra ser irônico, disse agora não quero atender. Pois ela insistiu, e o patrão no caso eu, a demiti. Por essa mancada, perdi outros rios de dinheiro, mas quem importa, tinha dinheiro aos montes, não me preocuparia em perder mais alguns.
Assim foi, recebi outro telefonema, dessa vez era do meu advogado, estava muito irritado, não era por menos, era minha linda mulher. Que não agüentava mais a vida que levava e pediu o divorcio, na hora fiquei sem rumo, pois tinha ela há muito tempo, mas nos meu sonho passei a conhecer alguns segundo e já queria se separar de mim.
Para não sair por baixo disse que estava de acordo, chamei no escritório e fiz o acordo, me arrebentei mais ainda. Perdi a metade da fortuna, sem contar a maldita pensão que agora tinha que pagar. Mais isso não era problema tinha dinheiro aos montes.
Mas meu advogado logo mostrou as cartinhas nas mangas, e tirou mais algum. Agora estava começando a me preocupar, não colocava nada, só tirava sem parar.
Quando terminou o enforco, fui para casa relaxar, pois agora foi à pior parte. O dono da imobiliária queria os bens não pagos, disse como não esta pago?
Tua mulher nunca pagou. Descobri que tinha casado com uma devoradora de dinheiro e também de coração. Mas não estava tudo perdido, assim como meu dinheiro conhecia varias pessoas; peguei meu celular liguei para elas, expliquei toda situação. Ninguém quis me ajudar, vê se pode, riam sem parar dizendo vai seu otário quem manda se achar.
Ali comecei a chorar, mas lembrei que era apenas um sonho e meu relógio começou a despertar. Levantei feliz da vida, pois não era rico, mas tinha uma vida realmente vivida, e fui para meu trabalho. No meio do caminho assim como não quer nada, achei um bilhete qualquer, cheio de números coloquei no bolso e fui para o trabalho. No trabalho tinha um amigo viciado em jogo da loteria, que acompanha atentamente com o seu bilhete na mão.
Pois me lembrei do meu sonho, peguei o bilhete que tinha encontrado na rua e fiquei no meu canto, era o bilhete da loteria. Então foi que a mágica aconteceu, meu bilhete era o bilhete premiado, o fim dessa história, é que o Doutor João Medeiros estava voltando, mas agora diferente sem os erros do passado, alias que erros que nada, hoje é o dia da virada, fiquem com Deus, pois vou lá a lotérica receber o meu.
Sandro Sansão
Enviado por Sandro Sansão em 07/09/2011
Código do texto: T3206599
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Sandro Sansão
Miracatu - São Paulo - Brasil
893 textos (36794 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/10/19 03:20)
Sandro Sansão