Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

                    CRÔNICA DOS AMORES




 
Outro dia, numa conversa com minha avó e mãe pensei na trajetória e no sentido da experiência amorosa para cada uma de nós. Na época de minha avó, o valor de uma mulher passava necessariamente pelo casamento, devido ao valor social do feminino atrelado à família. Carregar o sobrenome do marido poderia significar desde sucesso e orgulho até uma extrema submissão e sacrifício pessoal em prol dos interesses da célula familiar.

O tempo trouxe mudanças com a entrada da mulher no mercado de trabalho. Minha mãe saiu de uma faculdade direto para o altar e durante anos não exerceu sua profissão para dedicar-se aos filhos e marido. Quando meus irmãos e eu crescemos, ela sentiu mais liberdade para trabalhar e realizar-se além do casamento e da família.

Entre minha avó e mãe vejo o feminino ainda muito ligado ao comando paternalista. Quando chegou minha vez, imaginei que casamento não seria prioridade. Coisas de uma mulher que nunca desejou ter filhos e sabia, desde muito cedo, que seria complicado conciliar minha natureza não "domesticável" à idéia da união amorosa.
 
Do meu ponto de vista, a instituição do casamento ainda está muito associada à família. E isto nunca esteve em meus planos, embora quem me conheça entenda ainda menos esta decisão, ao ver como gosto e me dou bem com crianças.

Apesar de não me enquadrar nos moldes tradicionais, casei, não apenas uma, mas duas vezes! Talvez, seja uma "otimista incoerente" ou de fato, valorize a experiência amorosa. Carreira nenhuma acolherá meus sonhos e medos no meio da noite (no sentido literal), nem posso me aninhar no colo dos contratos de clientes. Nunca compensei um eventual vazio amoroso com o sucesso profissional. São pilares importantes e a meu ver, independentes, na construção da minha felicidade e realização como mulher.

Penso que o ponto de equilíbrio não pode residir nos extremos. Nem na submissão ao homem ou no canto oposto, ao "dispensá-lo" como se não fosse importante caminhar ao lado da pessoa amada e enfrentar juntos os desafios da vida.

Relacionamentos saudáveis conferem crescimento à existência. O valor da experiência amorosa permanece entrelaçado ao sentido mais profundo que encontrei em meu caminho.

Entretanto, creio, a regra de ouro da vida é descobrir o que combina com a alma de cada um. Por isto, não acredito em receitas, nem nasci com vocação para bússola. Confesso que sou "desnorteada" por natureza. Falo (e escrevo) unica e exclusivamente por mim.





(*) IMAGEM: Google


 http://www.dolcevita.prosaeverso.net

Dolce Vita
Enviado por Dolce Vita em 04/11/2010
Reeditado em 05/11/2010
Código do texto: T2596270
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Dolce Vita
São Paulo - São Paulo - Brasil
1206 textos (275719 leituras)
338 áudios (55145 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/09/20 17:03)
Dolce Vita

Site do Escritor