Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Pique Nique da Família Tartaruga

Uma família grande de jabutis
Decidiu fazer um pique nique
E não pense que foi fácil decidir
Pois conversas e discursões
Aconteceram em diversas refeições
Até concluir onde deveriam ir.

Cada palavra de uma tartaruga
Demora muito tempo em média
Uma conversa fácil madruga
Seja de uma pergunta e resposta
Ainda pior se há palavra composta
Então o tempo total é você quem julga.

Enfim decidiram o parque a visitar
Seria o belíssimo Ibirapuera
Bom para um lanche partilhar
Preparam os doces e sandubas
Tanta fruta que Deus nos acuda
Pois daria trabalho para carregar.

Foi muito tempo até sair de casa
Pois todos queriam bem se arrumar
E sempre há aquele que se atrasa
Já que o perfume não quer esquecer
Pois bem na fita deseja aparecer
Para na diversão mandar brasa.

Enfim chegou o momento de sair
Depois de meses de preparação
Começaram pelo caminho seguir
Passo a passo sem pressa nenhuma
Em fila indiana uma a uma
Fazendo a distância diminuir.

Essa caminhada demorou um ano
Até que chegaram ao destino
Porém todas sem nenhum dano
As tartarugas bem cansadas
Mas ainda deram muitas risadas
E estenderam na grama o pano.

Tiraram da cesta pão e geleia
E outras guloseimas gostosas
A tartaruga vó, a mais velha
Ficou responsável pela arrumação
Ela contava com 180 anos neste chão
E se chama Dona Maria Zélia.

Depois de algumas semanas enfim
Ela termina a tarefa que iniciou
Mas tudo bem se não fosse algo ruim
A família esquecera de trazer o sal
E alimento sem sódio não é legal
Por isso chamou o Senhor Joaquim.

Este era o mais sábio dos Jabutis
E beirava seus 150 anos de vida
Era ele que resolvia tudo por ali
Uma espécie de pai, chefe e juiz
E todos davam ouvido ao que ele diz
Chamou então a tartaruga Magali.

Ela era a mais jovem da comunidade
Tinha apenas doze anos de existência
Para uma jabuti era tenra sua idade
Tida como a menos lenta para andar
Deveria o cloreto de sódio ir buscar
E trazer de volta com velocidade.

Mas a jabutizinha era desconfiada
Como todo adolescente do mundo
Reclamou que se pegasse a estrada
Ficaria com fome e sem comida
Pois acabaria tudo, até a bebida
E pra ela não sobraria nem salada.

Os outros lhe quiseram tranquilizar
Dizendo que não tinha nada a temer
Pois iriam pacientes esperar
Que ela voltasse para enfim comer
E somente na sua presença iriam beber
Que Magali podia neles confiar.

Ela não deu sinal de estar convencida
Mas em passos de tartaruga
Pôs-se a andar em direção à avenida
Os outros mesmo com muita sede
Deitaram pacientes em suas redes
Torcendo pra ela fazer rápida ida.

Calcularam seis meses mais seis
Para ela ir e sem demora voltar
Pois a metade do tempo talvez
Usaria para fazer mesmo percurso
Economizando tempo no transcurso
Que a família inteira a pé ela fez.

Mas o tempo previsto passou
E nada da jabuti jovem voltar
Mesmo assim a família esperou
E nenhuma torradinha comeu
Honrando a palavra que deu
Àquela que fidelidade lhes cobrou.

Esperaram então mais um ano
Que até o pão endureceu
O pique nique começou ir para o cano
O leite e a margarina azedaram
A melancia e as bananas estragaram
O passeio perfeito sofreu sério dano.

Considerando a grande demora
Os jabutis convocaram reunião
Para decidir o que fariam agora
Já que a fome muito apertava
E a comida toda se estragava
E a Magali ainda estava fora.

Fizeram então uma votação
E ninguém escolheu o contrário
Partiriam sim para a refeição
Pois a situação já dava enguiço
E ninguém merece passar por isso
Por que a fome já causava aflição.

Quando os jabutis iriam comer
A tartaruguinha jovem apareceu
Estava o tempo todo a se esconder
Atrás de uma árvore tinha ficado
Pacientemente tinha esperado
Para perceber o que iria acontecer.

Ela gritou: “Eu disse, não disse?
Vocês não iriam me esperar,
Já pensou se eu mesmo sumisse?
Ainda bem que não fui buscar
O sal que ficou no nosso lar,
O que fazem comigo é sandice!”

Com isso que à família aconteceu
Podemos aprender boa lição
Aquele que de desconfiança se encheu
Nenhuma promessa ou argumento
Lhe valerá para nesse momento
Fazer mudar o pensamento seu.

E aquele que acredita numa tese
Mesmo que não tenha pé no real
Fará de tudo, até viajar na maionese
Para provar ser certa sua ilusão
E da sua mentira não abrir mão
Mesmo que o contrário mais pese.

Aberio Christe

Aberio Christe
Enviado por Aberio Christe em 04/10/2019
Código do texto: T6760953
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aberio Christe
São Paulo - São Paulo - Brasil
85 textos (4683 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/11/19 10:10)
Aberio Christe