Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cordel Fabuloso - Os Carneiros e Os Carniceiros

Era uma vez alguns carneiros,
Que estavam a pastar,
Então apareceram dois carniceiros,
Sedentos para capturar
Qualquer um do rebanho
Que lhes desse bom ganho,
Velho ou novo iriam papar.

O animal foi morto mesmo ali,
Mas os outros ficaram mudos
E não tiraram as patas dali,
Pareciam completamente surdos,
Permaneceram indiferentes,
Numa atitude contradizente
Com o colega e com tudo.

Os açougueiros se animaram,
Miraram outro carneirinho
E pra cima dele se jogaram
Matando mais um bichinho,
Os parentes não deram berro
Quando este levou ferro
E logo faleceu o coitadinho.

E foram matando um a um
Sem receberem oposição,
A salvo não estava nenhum,
Mas não esboçaram reação,
Permaneceram na indiferença,
Inertes diante da cruel sentença
Como coniventes à brutal ação.

Quando apenas um restou,
Sentindo aproximar seu fim,
Com tristeza ele lamentou
Dizendo entre lágrimas assim:
“Por que não reagimos no início
E aceitamos calados tal suplício?
Agora a morte chegou pra mim.

“Éramos muitos contra dois,
Podíamos ter lutado com bravura,
Mas fomos abatidos como bois,
Nada mais posso a esta altura,
Pois o meu fim é coisa certa,
Já posso ver minha pele aberta,
Que triste esta minha ventura!”

Mas esta fábula deprimente
Tem algo para nos mostrar,
Se você ficar indiferente
E o sofrimento do outro ignorar,
Não será pessoa decente,
Pois se hoje a dor está longe
Lembre que você não é monge
Para o mundo não lhe afetar.

Poema baseado na Fábula de Esopo.

Aberio Christe
Enviado por Aberio Christe em 22/08/2019
Código do texto: T6726168
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Aberio Christe
São Paulo - São Paulo - Brasil
112 textos (9178 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/07/20 17:18)
Aberio Christe