Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A velha Martins

A velha Martins

A Martins de outros tempos
das serrações, cajueiros
algarobeiras nas ruas
bodegas, sítios, chiqueiros
estradas sem calçamentos
tropas de burros, jumentos
que iam para o sertão
barro branco, umarizeira
e a ladeira da trincheira
sítio de dentro, poção

os aromas matinais
flor de café, cajueiro
na ladeira do Urubu
flor de mufumbo, espinheiro
bodegas lá no mercado
esterco fresco de gado
na madrugada orvalhada
palha de coco no chão
figança no caldeirão
tripa de porco virada

madrugadas de setembro
carroças de mandioca
final de festa na rua
garapa de engenhoca
carnaval de papangus
carro de mão de cajus
moagem na umarizeira
pedalando feito atleta
padeiro de bicicleta
pão doce com pão carteira

cambista desenfreado
numa monark engebrada
senhoras com caldeirões
vendendo broa e cocada
banca de feira na rua
marceneiro com a pua
furando o caibro de angico
mulher com bolsa na mão
na feira do barracão
atrás de comprar penico

 na feira do barracão
 cocada, bolo de milho
 ratoeira, chinelão
 e cadeira de fitilho
 tapioca e aluá
 pote, panela, alguidar
 urupemba e caqueira
 urucum, cravo e canela
 tripé de botar panela
 balde d'água e cantareira

anjinho descendo a estrada
muito choro e comoção
com caixão de duas telhas
mãe amparada nas mãos
novenas no mês de maio
corisco, trovão e raio
de dezembro pra Janeiro
na festa da Conceição
roda de fogo e rojão
ofícios do fogueteiro

nos quintais de terra forte
bem adubado de estrumo
mamão, laranja, urucum
tinha roçado de fumo
engenho puxado a bois
baixa de cana e arroz
e apanhas de algodão
feijão com carne de charque
busca-pé, bomba e traque
nas fogueiras de sao João

lavadeiras com bacias
descendo em fila a ladeira
cacimbão de Dona Rita
cacimba da umarizeira
no romper da madrugada
o cheiro de farinhada
se espalhava no espaço
pra cevar e tirar o mosto
botavam um cabra disposto
com muita força no braço
 
naqueles tempos de outrora
tinha procissão de santo
brincadeiras de calungas
rezadeiras de quebranto
pau de sebo, pinga velha
carne assada na grelha
nas festas de batizado
retrato de uma saudade
da minha velha cidade
que se perdeu no passado.

Bosquim
Enviado por Bosquim em 28/07/2019
Reeditado em 28/07/2019
Código do texto: T6706425
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Bosquim
Martins - Rio Grande do Norte - Brasil, 46 anos
177 textos (11864 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/09/19 10:09)
Bosquim