Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O trabalho infantil.

Com a caneta na mão,
Vai fluindo pensamento.
Peço a Deus inspiração
Agradeço o meu talento,
Com tamanha sensibilidade,
Ao ver tanta crueldade,
Sem razão nem sentimento.

Peço a Deus compreensão,
E também sabedoria.
Escrever para toda idade
Em perfeita harmonia.
Com muita inspiração,
Com lógica, fé e razão.
Que na rima encaixaria.

Vou falar de um grande tema,
Que é muito importante:
Da criança e adolescente
O leitor não se espante.
O trabalho infantil,
Não só reina no Brasil.
Como no mundo errante.

Vamos conhecer um pouco
Essa história de pavor
Peço que ouça esses versos,
Se acomode por favor.
Para poder entender
E assim venha debater
Essa causa com fervor.

No passado a criança
E o jovem adolescente
Viviam como adultos
Em um mundo incoerente.
Com suas vidas frustradas,
A história é marcada,
Por aquele olhar carente.

Um costume que reinou,
Nos tempos de antigamente,
Até hoje ainda reina,
E tenho na minha mente
A criança era explorada
Sua alma machucada,
Junto com os adolescentes.

E ainda hoje existem
Pessoas com esse pensamento
Não se importam com o bem,
Desses daí só lamento.
Pois existe a diferença
Com uma distância imensa
Devemos ficar atentos.

Criança é sempre criança,
Em qualquer parte do mundo,
Parece um ser tão frágil,
Tem sentimento profundo.
Com tamanha delicadeza,
Donos de toda beleza
Raridade desse mundo.

O trabalho infantil,
Prejudica a criança
Afeta seu desenvolvimento,
Vai perdendo a esperança.
De viver melhor o futuro
O certo é que trabalho duro
Não faz passo nessa dança.

Muitos tem a visão distorcida
De uma educação verdadeira
O trabalho que não educa
Só implanta mais barreira.
A educação tem outro rumo,
E aqui faço o resumo
Da vida e da carreira.

Em muito lugar no mundo,
Crianças são obrigadas,
A trabalhar como adulto,
Tendo a infância roubada.
Pelos mais velhos e parentes,
Só por estarem carentes
Tem sua vida acabada.

São muitos casos que vemos
De crianças vendendo balas,
Sempre tão desprevenidas,
E ninguém tenta ajudá-las
Correndo risco de vida.
Faz a sina tão sofrida
Que o coração dispara.

Tem criança que trabalha
Até lavando caminhão,
Faz fogo para assar carne,
Acaba queimando a mão.
Vira até costureira
Toda cheia de poeira
Sem sapato, pé no chão.

Por viverem na miséria
E sem ter educação,
Jovens entram pra o crime
Por falta de opção.
Pelas ruas maltratadas,
Vivem nos becos jogadas
Por tamanha opressão.

Podemos ver em lixões
Tantas crianças “vivendo”,
Procurando alimentos
Assim vai sobrevivendo.
Sem nenhuma liberdade
Vítimas da desigualdade
Que no mundo vai crescendo.

Não esquecendo também,
Da exploração sexual
Das crianças abandonadas
Que passam por esse mal
Vão perdendo a inocência
Pois ninguém tem a clemência.
E acham tudo banal.

Em meio a essa injustiça
Temos a dura visão,
Crianças indo pro tráfico
Tomam essa decisão.
Entram num mundo sem volta,
Isso é o que nos revolta
Diante dessa exploração.

Muitos são os culpados
De tal prática incoerente
Família e sociedade
Destruindo o adolescente
Porém o maior culpado
É a incapacidade
De um Estado incompetente.

Quando a criança trabalha
Perde seu belo direito,
De viver a sua infância
E com bastante respeito.
Criança tem que brincar
Estudar e se formar
Para ser um bom sujeito.

No entanto existem casos
Que o trabalho é concedido.
Com atenção na idade
Pela lei é permitido.
Sem nenhuma exploração
Dando boa explicação
A quem não tem entendido.

Jovens aos dezesseis
Já podem até trabalhar.
No entanto, há restrições
Que já vou lhes explicar:
Não pode ser perigoso,
Cansativo e penoso
Que o deixe de estudar.

A juventude é prazerosa,
Mas nesse mundo cruel,
A maldade é insana,
Faz o jovem virar réu.
Assim toma outro destino
Com tamanho desatino...
Nessa torre de babel.

Muitos conseguem vencer,
Outros perdem a vida em vão,
Alguns com a sina sofrida
Caem na prostituição.
Sem nenhum lugar no mundo,
Vivendo como imundos
Em uma terra sem chão.

Pitágoras tão inteligente
Nos chamou muito atenção
Rogando pra que cuidem
Da bendita educação.
Clamando com piedade
Pois educando de verdade,
Formará bons cidadãos.

Todos nós somos iguais
Afirma a Constituição
Porém com tantas diferenças
Vai ferindo o coração.
Ao ver tantos na miséria
Essa visão é coisa séria
Que maltrata o cidadão.

Se tá na lei é direito,
Não vamos nem discutir
Respeitar o adolescente
Sem precisar lhe punir
Dar educação as crianças
Vivendo na esperança
E seus sonhos conseguir.

Peço aqui vossa atenção
Pois já estou a encerrar
Esse assunto tão difícil
Que aqui vim ressaltar
Falando desses direitos
Que gritam aqui no meu peito.
Sem medo de me expressar.

Josiane
Josiane cordelista
Enviado por Josiane cordelista em 11/06/2019
Código do texto: T6669931
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Josiane cordelista
Sátiro Dias - Bahia - Brasil, 20 anos
48 textos (694 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/11/19 23:02)
Josiane cordelista