Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Caipira/A carta

I
Caipira
maria da graça almeida

Sou eu caipira

e gosto de “sê-lo”,

mesmo caipira

posso envolvê-lo

no toque caipira

do meu coração.

Eu sou caipira,

“de sê-lo”, eu gosto,

mesmo caipira,

juro que posso

prendê-lo nas malhas

da minha emoção.

Eu sou caipira

e sou um poeta

e sendo caipira

e ainda poeta

versejo tranqüila,

de poRtas abeRtas,

o que há de caipira

na minha oração.

II
A carta
maria da graça almeida

O Bigode grisalho vestia

a bocarra do caipirão,

a tarde nas lonjuras se ia,

sem rumo, sem direção.

O homem se amofinava

à espera da carta do bem,

seu olho esperto colava

na curva das linhas do trem.


- Ô cruiz crédu, meu Padínhu,

mia Virge, meu Santínhu,

Num é qui ovi um apítu?

I vem das banda du riu,

dôndi u pástu é mai bunítu,

dôndi as égua tão nu ciu!

Zé Maneru, Oristidi,

u barúio já tá vínu,

é o bichão qui largô tárdi,

i na curva vem rugínu!

Ponha têntu, véia Nega,

pega lógu u emborná,

córri, a carta aqui já chega

num mi deixa ela massá.

Mia santa, qui gastura

pégu di arripiá,

síntu até, fórti, a tuntura,

das vorta qui os vagão dá.

Chega aqui ô Vardemá,

pega as lênti si qué vê

túdu u amô qui tem na carta

qui hôji hei de arrecebê!


Nega foi e não em vão

e dos dedos fez varal,

para carta que então

nem entrou no embornal.

E subindo a ladeira

seca o rosto com o braço,

o suor cobre-a inteira,

não há sol, mas há mormaço.


Seu Bigode, do balcão,

grita com preocupação

- Vem dipressa, véia “lesa”,

chega lógu, perta u pássu,

pois é hôji, numa mesa,

qui em água mi disfaço.



Nega velha ali voltando,

ri e abana o envelope

e, de longe, palpitando:

- Teje carmo, sô Bigodi!


Põe-se o homem em carreira,

toma-lhe a carta das mãos.

À coitada, na canseira,

nem um gesto de atenção

E na folha bem branquinha,

vê -se grande um coração,

desenhado sobre as linhas,

com a ponta de um batom.


- Ôia aqui, ó Vardemá,

qui lindeza de missiva!

Põe o povo a comichá

feitu chanha di urtiga.


E o Valdemar sem jeito

cisma um ar de confusão:

- Num veju nada dereitu

us iscrítu dôndi istão?


-I ocê num sábi lê?

- Veju só rubro borrão...

-E quiria vê u quê?
 
Eva num sabe escrevê!


maria da graça almeida/sp
maria da graça almeida
Enviado por maria da graça almeida em 13/08/2009
Reeditado em 13/08/2009
Código do texto: T1751659
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre a autora
maria da graça almeida
São Paulo - São Paulo - Brasil
249 textos (17696 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/19 15:38)
maria da graça almeida