Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PRAIA ESCURA
 
          A freada arrasta olhares, o engate da marcha ré aprisiona. Capturados pelo sobressalto, assistem a manobra de estacionamento do veículo, de um só tempo, entre outros dois que se encontram parados ao longo da via. Telefones e câmeras de segurança acompanham.
          – Que habilidade, vou jogar na net.
          – Sim, mas rua não é pátio de provas.
        O tempo congela até a porta ao lado do volante ser aberta. Um chapéu sobre uma cabeça se levanta e se desloca até a mala do sedan. Retira um embrulho e com um dos braços, pressiona contra o peito, bate a tampa e segue para a calçada. Os passos são curtos, dificultados pelo figurino: fraque, calça comprida e salto alto. Lábios rosados por batom, faces coradas por pó e sobrancelhas desenhadas. O que fora espanto se converte em curiosidade.
          – Homem ou mulher?
          – Deus tem dúvida. Talvez, transformista.
         O mar vazante se espreguiça, a inclinação e brandura do sol apontam para o entorno das sete. O descongelamento do tempo devolve a rotina. O vento retorna a balançar a folhagem dos coqueiros e empurrar as ondas à dissolução. Nesse horário, o movimento é de veículos em direção ao centro da cidade, de corredores e ciclistas nas pistas do calçadão. Na areia, uns se exercitam, outros caminham, mas ninguém se arrisca banhar-se. No quiosque a movimentação está no reabastecimento, mas a água de coco espalha alguns clientes pelo balcão.
         Um carro de polícia e outro da companhia de trânsito param. Três policiais militares, mãos sobre os coldres, se posicionam próximo ao veículo suspeito,  dois agentes de trânsito o rodeiam, olham para dentro enquanto um intrometido se aproxima.
          – Tem ninguém aí, não. Desceu, está na praia distribuindo sanduíche com o pessoal que dorme lá embaixo.
     O pelotão militar, seguido por curiosos, atravessa a calçada, salta a mureta que serve de banco e retenção da areia e logo avista a rodilha de gente em torno do fraque preto.
          – Nunca vi, andar de salto na areia.
          – Cara de mulher e roupa de homem, então?
No início da abordagem uma nuvem manobra à frente do sol.
          – A chuva vai estragar a praia.
          – Vai nada, é passageira, vi na internet.
         Os três guardas se posicionam de forma estratégica, mãos sobre os coldres. Os agentes do município se aproximam.
          – Habilitação e documento do veículo estacionado lá na frente.
        A partir das negativas de posse de documentos pessoais, de condução e propriedade do carro, as faces dos agentes petrificam e escurecem. Os guardas destravam a alça do fecho dos coldres e empunham as armas sem removê-las. A nuvem coloca tapumes em frente ao sol, algumas lâmpadas da orla acendem por entender a chegada precoce da noite. A plateia de curiosos se assusta ao olhar distante e ver claridade, aquela escuridão pertence só a eles.
          – É loucura.
          – Nada, com um carro desse e essas roupas, é gente de grana.
          – Estaria no psicanalista.
          – No psiquiatra, isso, sim.
          – É saudade, essa coisa que dá no povo quando perde um amor.
          – Deixem de coisa, nem sabemos se é homem ou mulher.
          – E, lá importa, saudade desconhece sexo, chama a solidão, toma a alma e estraga o juízo e haja doidice.
         Sem assombro ou mudança de semblante, atira o chapéu na areia, descalça os sapatos, retira o fraque, a blusa. Os seios não denunciam o gênero. A calça, retira com a ajuda de alguém próximo e com a mão esquerda, deixa cair sobre os sapatos.  A ausência de roupa íntima revela a falta da genitália.
          – Nossa Mãe! Caiu do céu.
        – Deixe de tolice, nem possui asas, usa tapa sexo como nas escolas de samba.
          Uns riem, outros fazem o sinal da cruz. O púbis repartido em metades, uma, lisa, a outra peluda, pelos que se distribuem ao longo da perna.
          – Santo Deus! Será essa perna que assombra o centro da cidade?
          Vira-se, caminha de encontro ao mar. Os guardas sacam as armas.
          – Não atirem!
         Passo a passo engolido pela escuridão das águas... Relaxem, dispensem a aflição, o mal não mais me alcança.

Publicado em 2018 pela editora Bagaço na coletânea 28 Cantos de Solidão

 
Ed Arruda
Enviado por Ed Arruda em 23/06/2019
Código do texto: T6679942
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ed Arruda
Recife - Pernambuco - Brasil, 68 anos
63 textos (1432 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/19 19:05)
Ed Arruda