Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O "MORTO DE FOME"

 O "MORTO DE FOME"
Líder no setor,o Supermercado tinha uma bela revista -- posterior aos tempos do "house organ" ou coisa que o valha -- onde divulgava imagem e opinião de emocionados clientes, honrados com a escolha de suas figuras. Mas, como "araruta tem seu dia de mingau" (ô, ditado antigo, esse !) quiz o Destino que a "Revista "LIDERANÇA" escolhesse um poeta do bairro de um de seus SuperShoppings para o prestigiado espaço "Nossos Clientes". Só que o sujeito era "carne de pescoço", um "chato de galocha" -- meu Deus, de onde tirei isso ?! -- expressão popular que para Belém é compreensível, onde ou "chove todos os dias ou, então, o dia todo" !
Convidado para uma rápida foto nas dependências da loja, mais 2 ou 3 frases, êle tentou escolher o cenário, a escadaria da entrada. Polidamente a jornalista recusou... insistiu, não iria falar de Política, Economia, Religião e nem do convencido Paissandu. Ah, da sua vida particular, idem ! Lhe pediram para tirar o chapéu e os óculos escuros, pois já se fazia noitinha... não fez uma coisa nem outra ! Tinha o chapéu por  sua marca registrada, compositor que era -- na verdade escondia o início de preocupante calvície -- e os óculos o deixavam mais charmoso. Se achava um gênio "do pedaço", artista, letrista, contista, cordelista, cronista, sonetista... um bocado de "ISTA" !
Por fim, foto feita, elogios registrados, a empresa permitia ao cliente contemplado encher o carrinho com o que quisesse por exíguos 2 minutos, que parecem bastante quando não se está sob pressão. Testou vários carrinhos, todos tinham algum defeito... o "Chatonildo" exigiu "largar" pelo corredor central, ao invés das entradas, nas laterais. Finalmente "sugeriu" ESVAZIAREM os corredores, para não ser atrapalhado. Isso irritou a fiscal da "corrida" que, com cronômetro na mão, deu o ultimato:
-- "O senhor tem 10 segundos para partir, senão perde a promoção" !
Avançou feito uma bala pelo corredor do macarrão, depois ao dos biscoitos recheados, adiante arroz parbolisado, açúcar cristal no lado oposto -- "40 segundos, amigo" ! -- e "voou" para as velas, primeira necessidade, estava sem luz a ANO E MEIO.
-- "Já tem 1 minuto e 10 segundos, falta pouco" !
-- "Eu sei, eu sei... eu quero FRANGO ASSADO" !
(Esquecera o local , mas que merda !) Precisava de legumes, fazia tempo que não os comia. Banana verde e batata doce eram boas pra "baixar" a glicose... ah, margarina e yogurte, que seu irmão adorava.
-- "Um momento... tem que pesar e precificar as frutas e legumes, se não não leva. Só tens 30 segundos, agora" !
-- "Porque não falaram antes, merda" !
Deixou os pacotes no balcão de pesagem ("só faltam 20 segundos, senhor" !), largou o carrinho e disparou para o corredor das margarinas e yogurtes, cujo final dava na padaria, de onde saíam os "chesters", "primos ricos" das galinhas dos nossos quintais. Pegou a margarina e 2 blocos de yogurte e findou no balcão dos frangões, um espanto ! Nem Felipe massa seria tão rápido !
-- "Só 8 SEGUNDOS... pega logo qualquer um, pega" !
O "'olho grande" que tinha desde garoto o impediu, congelou o cérebro com a ordem "o MAIOR, veja onde está o maior" !
-- "CINCO SEGUNDOS... vamos, homem... 3, 2... "!
Por sua própria conta, a fiscal pegou a embalagem mais próxima e poz sobre as mercadorias em seus braços. Mirrada costela meio marrom, a asinha esturricada, 300 gramas se tanto de carne ! Lhe saíram lágrimas, a tez morena embranqueceu de dar inveja a Michael Jackson. Os pacotes foram ao chão, com êle junto, parecia guindaste quebrado estatelando-se. Ninguém percebeu a queda... o arrastaram para os fundos da padaria, puseram numa "Van" de entregas rumo a UPA mais próxima e, de lá, ao Hospital Metropolitano. No diagnóstico "estado de choque após desmaio". Três dias depois, nos corredores, duas enfermeiras cochicham:
-- "Sabe... aquele paciente do quarto 13" ?!
-- "Ah, o que balbuciava "frango assado / frango assado" ?!
-- "É, esse mesmo... MOR-RE-EEEUUU" !, imitando Tiririca.
No atestado de óbito "falecimento por INDIGESTÃO" ! A revista optou por não publicar NADA, podiam ligar os fatos !
     "NATO" AZEVEDO (em 3/abril 2019, 21 hs)
NATO AZEVEDO
Enviado por NATO AZEVEDO em 06/04/2019
Reeditado em 10/04/2019
Código do texto: T6617049
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
NATO AZEVEDO
Ananindeua - Pará - Brasil, 67 anos
902 textos (14912 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/19 06:55)
NATO AZEVEDO