Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O "MORTO DE FOME"

 O "MORTO DE FOME"
Líder no setor,o Supermercado tinha uma bela revista -- posterior aos tempos do "house organ" ou coisa que o valha -- onde divulgava imagem e opinião de emocionados clientes, honrados com a escolha de suas figuras. Mas, como "araruta tem seu dia de mingau" (ô, ditado antigo, esse !) quiz o Destino que a "Revista "LIDERANÇA" escolhesse um poeta do bairro de um de seus SuperShoppings para o prestigiado espaço "Nossos Clientes". Só que o sujeito era "carne de pescoço", um "chato de galocha" -- meu Deus, de onde tirei isso ?! -- expressão popular que para Belém é compreensível, onde ou "chove todos os dias ou, então, o dia todo" !
Convidado para uma rápida foto nas dependências da loja, mais 2 ou 3 frases, êle tentou escolher o cenário, a escadaria da entrada. Polidamente a jornalista recusou... insistiu, não iria falar de Política, Economia, Religião e nem do convencido Paissandu. Ah, da sua vida particular, idem ! Lhe pediram para tirar o chapéu e os óculos escuros, pois já se fazia noitinha... não fez uma coisa nem outra ! Tinha o chapéu por  sua marca registrada, compositor que era -- na verdade escondia o início de preocupante calvície -- e os óculos o deixavam mais charmoso. Se achava um gênio "do pedaço", artista, letrista, contista, cordelista, cronista, sonetista... um bocado de "ISTA" !
Por fim, foto feita, elogios registrados, a empresa permitia ao cliente contemplado encher o carrinho com o que quisesse por exíguos 2 minutos, que parecem bastante quando não se está sob pressão. Testou vários carrinhos, todos tinham algum defeito... o "Chatonildo" exigiu "largar" pelo corredor central, ao invés das entradas, nas laterais. Finalmente "sugeriu" ESVAZIAREM os corredores, para não ser atrapalhado. Isso irritou a fiscal da "corrida" que, com cronômetro na mão, deu o ultimato:
-- "O senhor tem 10 segundos para partir, senão perde a promoção" !
Avançou feito uma bala pelo corredor do macarrão, depois ao dos biscoitos recheados, adiante arroz parbolisado, açúcar cristal no lado oposto -- "40 segundos, amigo" ! -- e "voou" para as velas, primeira necessidade, estava sem luz a ANO E MEIO.
-- "Já tem 1 minuto e 10 segundos, falta pouco" !
-- "Eu sei, eu sei... eu quero FRANGO ASSADO" !
(Esquecera o local , mas que merda !) Precisava de legumes, fazia tempo que não os comia. Banana verde e batata doce eram boas pra "baixar" a glicose... ah, margarina e yogurte, que seu irmão adorava.
-- "Um momento... tem que pesar e precificar as frutas e legumes, se não não leva. Só tens 30 segundos, agora" !
-- "Porque não falaram antes, merda" !
Deixou os pacotes no balcão de pesagem ("só faltam 20 segundos, senhor" !), largou o carrinho e disparou para o corredor das margarinas e yogurtes, cujo final dava na padaria, de onde saíam os "chesters", "primos ricos" das galinhas dos nossos quintais. Pegou a margarina e 2 blocos de yogurte e findou no balcão dos frangões, um espanto ! Nem Felipe massa seria tão rápido !
-- "Só 8 SEGUNDOS... pega logo qualquer um, pega" !
O "'olho grande" que tinha desde garoto o impediu, congelou o cérebro com a ordem "o MAIOR, veja onde está o maior" !
-- "CINCO SEGUNDOS... vamos, homem... 3, 2... "!
Por sua própria conta, a fiscal pegou a embalagem mais próxima e poz sobre as mercadorias em seus braços. Mirrada costela meio marrom, a asinha esturricada, 300 gramas se tanto de carne ! Lhe saíram lágrimas, a tez morena embranqueceu de dar inveja a Michael Jackson. Os pacotes foram ao chão, com êle junto, parecia guindaste quebrado estatelando-se. Ninguém percebeu a queda... o arrastaram para os fundos da padaria, puseram numa "Van" de entregas rumo a UPA mais próxima e, de lá, ao Hospital Metropolitano. No diagnóstico "estado de choque após desmaio". Três dias depois, nos corredores, duas enfermeiras cochicham:
-- "Sabe... aquele paciente do quarto 13" ?!
-- "Ah, o que balbuciava "frango assado / frango assado" ?!
-- "É, esse mesmo... MOR-RE-EEEUUU" !, imitando Tiririca.
No atestado de óbito "falecimento por INDIGESTÃO" ! A revista optou por não publicar NADA, podiam ligar os fatos !
     "NATO" AZEVEDO (em 3/abril 2019, 21 hs)
NATO AZEVEDO
Enviado por NATO AZEVEDO em 06/04/2019
Reeditado em 10/04/2019
Código do texto: T6617049
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
NATO AZEVEDO
Ananindeua - Pará - Brasil, 67 anos
988 textos (18764 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/09/20 14:42)
NATO AZEVEDO