Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

181 - Quarentena

 Quando deixei de perseguir, desodorizar e raspar pelos fiquei com um ar diferente. Também deixei de usar perfume, sabonete ou banhos demorados. Era impossível aturar a nova competição à hora a que todos precisavam da casa de banho. Muitas vezes, desleixado, abria o duche, deixava correr a água e saia seco. Para melhor a enganar molhava com as mãos o cabelo e assobiava como dantes. Uns dias poderia ser assim, noutros perante a constatação do lençol seco, dizia-lhe a verdade. Água com fartura, quente, só uma vez por semana. A pele ficava mais oleosa, concentravam-se os odores do sovaco, as pilosidades amaciavam ao toque e ela vibrava sem saber bem o que agora tanto a atraía em mim. Por sua vez, Cristina, sem pinça e com os cremes esgotados, relaxara-se no tratamento da pele e ficava-se pela higiene mais sumária. Éramos dois trogloditas que se amavam. Um amar renovado com cheiro a suor e odores fortes. Um regresso às cavernas, ao mundo tosco dos que, sem obrigações sociais, voltavam, com prazer, a ser primitivos.


Edgardo Xavier
Enviado por Edgardo Xavier em 30/04/2020
Reeditado em 30/04/2020
Código do texto: T6933335
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Edgardo Xavier
Portugal, 73 anos
2657 textos (44050 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/08/20 21:47)
Edgardo Xavier