Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Mulher na Lua

- E quando você conheceu a garota? - Perguntei ao Adalberto, que me encarava da tela do laptop através do Skype.

- Faz uns dois meses... um pouco antes desse negócio da pandemia começar - respondeu, após parar para pensar um pouco e ajeitar os óculos.

- E ela já agia de modo estranho, então?

- Ela era... diferente - avaliou ele. - Todos nós somos, em maior ou menor grau, não é mesmo?

- Quando eu digo estranho, me refiro a essas teorias sobre colonização lunar e coisas assim.

- Francamente, não levei muito a sério. Parecia o enredo de algum filme B de ficção científica.

- Os invasores criam uma praga que mantém a Humanidade presa em casa, enquanto eles secretamente tomam nosso lugar - relembrei.

- Isso. Até porque, se assim fosse, nós os veríamos nos lugares dos quais nos retiramos. Mas, simplesmente, não há ninguém lá fora. Só animais selvagens, que evitavam os centros urbanos, e agora estão ficando afoitos.

- Talvez ainda não tenha chegado o momento - ponderei. - Ou talvez já tenham assumido os postos-chave e estejam por trás das determinações do governo, que nos obrigam a ficar em casa, enquanto assentam as bases para o Admirável Mundo Novo que virá.

- Agora você está começando a me deixar preocupado - replicou Adalberto.

- Se estavam esse tempo todo nos estudando a partir de sua base secreta, no lado oculto da Lua, devem saber exatamente quais cordões puxar para nos fazer dançar - continuei. - Algoritmos de redes sociais, por exemplo; são capazes de decidir eleições e de nos fazer acreditar em praticamente qualquer coisa.

- Pra mim, ela é só mais uma dessas malucas por conspiração - desdenhou.

- Mas pelo menos, o sexo com uma dessas invasoras é bom?

- Não posso me queixar! - Riu Adalberto.

- Então provavelmente ela o poupará como escravo sexual, quando completarem seu plano de dominação mundial - prognostiquei.

- Parece um plano elaborado demais apenas para garantir a exclusividade de uso do meu corpinho atlético - atalhou.

- Mas caso possua algum fundamento, veja se ela não tem uma amiga igualmente fanática para me apresentar. Não me importo de discutir minhas ideias sobre um governo mundial comandado por selenitas e minha total submissão aos seus caprichos libidinosos.

- Ela diz que todos nós sairemos dessa etapa transformados.

- Certamente, - acedi - certamente. Só não sabemos exatamente em quê...

Lá fora, a Lua estava em fase nova e não podia ser vista. Protegidas pelas sombras, o que Selene e suas irmãs estariam preparando para os indefesos homens da Terra, quando novamente se revelassem em plena luz?

- [28-04-2020]
Alex Raymundo
Enviado por Alex Raymundo em 28/04/2020
Reeditado em 29/04/2020
Código do texto: T6931645
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Alex Raymundo
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 57 anos
1892 textos (101475 leituras)
1 áudios (42 audições)
1 e-livros (21 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/08/20 21:57)
Alex Raymundo