Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NOITE DE NATAL

 Sem interesse ele olhou as iguarias que deixaram como presentes de natal , beliscou algumas guloseimas, mas vontade alguma tinha de se empanturrar como sempre fazia em outros natais.
Sempre esperava com alegria a época do natal principalmente à noite, pois era um tempo de fartura onde ganhava presentes como sapatos roupas agasalhos e até algum dinheiro, as pessoas se tornavam aprazíveis, solidárias, fraternas.
Ao seu lado o fiel companheiro Martim um cão de médio porte mastigava gostosamente as guloseimas, de repente para de se alimentar e o olha como a perguntar: _Não vai comer? Será que terei que comer sozinho? – Ele atendendo ao mudo pedido do amigo belisca mais alguns quitutes, Martim continua o olhando de lado, ele sorri,  acaricia seus pelos dizendo; _Meu amigo, você é apenas um animal, mas entende do estado de espirito humano muito mais do que eu. –
Desta vez deixaram um colchão novo, ele o ajeita em cima da marquise para se deitar, - já é madrugada de natal, ao longe escuta os barulhos festivos de festas natalinas, bem próximo outros amigos de rua já estão dormindo embriagados.
Só ele e Martim estão acordados, de repente a alegria do natal se esvai.
Na mente toda a sua vida começa a se passar como se fosse um filme.
Já ouvira falar que no momento da passagem para outra dimensão o ser humano se lembra de toda a sua vida. Pergunta para si mesmo: _Estou morrendo, chegou a minha hora? – Vendo o amoroso cão o olhar fixamente compreende que não, uma tristeza profunda toma sua alma, sente que sempre detestou o natal, realmente não tinha razão alguma para gostar do papai Noel, em todo a sua vida foram decepções e decepções, jamais ganhou um presente sequer que tinha desejado, e ver tantas crianças e pessoas felizes, com seus presentes, lhe doía o coração.
Uma espécie de lucidez tomou a sua mente, de repente vê o papai Noel passar com as renas levando o trenó abarrotado de presentes, fica na expectativa do bom velhinho parar e presenteá-lo.
O que não acontece, papai Noel no se afã de atender a todos nem o vê.
Seu estômago começa a doer, uma dor terrível, jamais sentira tanta fome como naquele momento, pensa em se levantar e comer todas as iguarias, que Martim nem tocou.
No entanto percebe que não é uma fome de alimentos, e finalmente o bom velhinho estaciona o trenó e vem em sua direção.
Ele se levanta feliz, Martim late alegremente e seus olhos brilham de felicidade ao receber o afago do bom velhinho.
No caloroso abraço, sua fome passa instantaneamente, enquanto papai Noel diz?
_Feliz natal, você nunca ganhou o presente que querias porque nunca precisastes, só hoje parei para presenteá-lo porque conheceste a fome de amor que assola a maioria das pessoas, na verdade você nunca havia  conhecido essa fome!
 O bom velhinho se afasta rindo dizendo Ho... Ho... Ho... Feliz natal!
Ele  senta na marquise se perguntando: _Estou a sonhar? –
Martim com olhos brilhando de felicidade abanando o rabo lambe seu rosto, como a dizer_ Não é sonho, é realidade!
Ele acaricia o amigo depois coloca os cotovelos nas pernas fica com as mãos apoiando a cabeça em atitude reflexiva - O que ele quis dizer com essa fome que nunca senti?
A lembrança de sua saudosa mãe que mora tão longe em outro estado, vem à sua mente,
Ela sempre foi muito amorosa e dedicada, e chorava muito ao saber da situação do filho na cidade grande.
Sentiu como se ela estivesse do seu lado dizendo: _Filho olha o amor de JESUS, lembre-se da sua mais profunda lição, mesmo sendo a perfeição  sofreu o martírio, superou ressuscitando dos mortos para nos salvar, nós, humanos comuns, cair é normal, o importante filho, é ter a vontade e coragem de se levantar! Querer é poder filho! –
A saudade dela lhe doeu o coração, se pergunta: _Porque estou nessa?
Viu novamente toda a sua vida passar pela sua mente como um filme, finalmente compreendeu.
Disse para si_ Papai Noel tem razão, nesta existência por onde passei, jamais me faltou amor.
Em verdade eu que tenho me menosprezado como não deveria, não tenho me amado como devo e posso.
E JESUS sempre ensinou que tudo é possível para aquele que crê.
Hoje termina minha vida de sofrimentos na rua, vou sair disso, sei que posso, está no meu querer me levantar e ter uma vida feliz, onde posso retribuir tanto amor que tenho recebido –
Enquanto ele meditava nas açoes que faria para mudar radicalmente de vida, entre os latidos felizes do Martim.
Ouviu  bem próximo de si as canções falando do amor do Cristo.
Ouviu também ao longe  o som dos sinos do trenó  do papai Noel  com sua voz inconfundível.
Ho Ho Ho ... Feliz natal.....





Mário Silva
Enviado por Mário Silva em 25/12/2019
Reeditado em 25/12/2019
Código do texto: T6826685
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Mário Silva
São Paulo - São Paulo - Brasil, 67 anos
252 textos (15434 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/08/20 10:58)
Mário Silva