Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O "MARRETEIRO"

O "MARRETEIRO"À margem da estrada, num velho prédio mal cuidado que pretendia parecer Estação Rodoviária, o casal e seu filhinho de 7 ou 8 anos aguardavam a chegada do ônibus -- vindo de distante garagem -- para levá-los a Belém, à capital, sede da festa do Círio de Nazaré. Do interiorzão onde estavam, "interland" segundo as Rádis de época (eram os anos 80) levava-se de 5 a 6 horas modorrentas para aportar no Ver-o-Peso, vindo de barco ou, no caso deles, quase 10 longas horas por penosas estradas lamacentas, onde o suposto asfalto desaparecera faz muito tempo. Maletas, saco com redes, outro menor para farinha e "comidinhas" a serem consumidas na viagem, além do tradicional isopor com todo tipo de líquido. Pai e mãe saíram por um instante para lanchar num boteco próximo, deixando a "Diquinho" a incumbência de zelar por tudo ali, principalmente a casinhola de madeira e meriti, cuidadosamente construída pelo pai Raimundo, "seu Dico", durante vários domingos. Era a promessa que fizera à Virgem de Nazaré por conseguir casa popular para a família, sonho antigo do avô de "Diquinho", a admirá-la nas mãos, orgulhoso do talento do genitor.Eis que chega um espertalhão pronto para ganhar alguns trocados revendendo a bela peça, verdadeira obra de arte.-- "Bela casinha, hein, moleque... quanto quer por ela" ?!-- "Não é pra vender, é do meu pai, vai pagar promessa" !-- "Dou vinte "contos", êle faz outra rapidinho" !-- "Não paga nem a pintura, moço, demorou 3 semanas para fazer... e não 'tô vendendo" !-- "Tá certo, dou 40 reais agora, meu carro está saindo" ! (*1)O menino balançou, seu pai sempre dissera que êle era um grande vendedor e ali estava a chance de provar. O comprador percebeu a hesitação e deu a "tacada" final:-- "Cinquenta "paus" e não se fala mais nisso... é dinheiro "pra dedéu", seu pai vai ficar feliz" !Era muita grana, a féria de quase 1 mês vendendo macaxeira, cupuaçu e umas piabas, peixe miúdo. Volta o pai e dá por falta da casa, uma angústia esquisita a apertar sua garganta. Com medo da resposta, sonda o garoto:-- "Vendi, papai, 50 "contos", cinqueeenta, olha só"!, e exibe a nota colorida, orgulhoso, seu pai afirmava sempre que êle tinha tino pros negócios, era um bom "marreteiro". O pai só faltou arrancar os cabelos de desespero, o "ex-voto" era pra pagar promessa por ter conseguido a casa "por milagre", por conta de moradores que teve que mudar às pressas para o Maranhão e indicara seu nome. Aborrecido, decidiu não mais viajar, vendeu sua passagem e voltou pra casa preocupado, "quebrar promessa" era sinal de desgraça. Mãe e filho foram sozinhos a Belém e ficaram na casa de uma tia deste, muito desconfortáveis com a situação. Na terça-feira seguinte bate na porta funcionária da "estatal de (des)habitação", acompanhada de carro de polícia.-- "Seu" Raimundo, o senhor atrasou 3 meses, pegue suas tralhas e libere a casa" !-- Ah, senhora, o Correio não me entregou as contas e vocês só funcionam pela manhã, não pude largar tudo pra resolver isso ! Mas o dinheiro 'tá aqui, olhem" !-- "Agora é tarde... guardas, joguem tudo na rua" !, sentenciou a doutora insensível da estatal indigna. Para "maquiar" a injustiça lhe pagaram "uma miséria" pelas benfeitorias e ampliação do casebre original de 4 x 7 metros, verdadeira "gaiola". "Seu Dico" adquiriu modesto sítio com a "indenização" e a casa foi posta À VENDA pela nova mutuária, coisa proibida. "Diquinho" "marreta" como poucos na feira, vendendo passarinhos, outra coisa proibida. Já "seu Dico" não quiz saber mais de promessas ! Reconhecido por quase todos como "O Rei do Curió" o filho ganhava num mês o que seu pai precisava de 10 para faturar, vendendo avezinhas a 50, 80, 200 ou mesmo 500 reais de hoje, na época cruzados novos, ou cruzeiros, ou cruzeiros novos, etc.-- "Ah, o amigo quer um curió ?! A quanto ?! Nesse preço só cego, mudo e manco" !-- "Minha sabiá ensinou o bispo a assobiar e esse canário já se apresentou no "RAUL GIL" !-- "Quer passarinho barato ?! Vá no IBAMA... faltando asa, perna, odo "pelado" !-- "Olha o coleirinho-professor, quando canta os outros se calam, pra aprender... só cinquenta reais" !-- "Vendido pro cavalheiro aqui ! Eh, parceiro, falta pagar a gaiola ! Ah, vai levar na mão" ?!, e ameaça enrolar o passarinho num pedaço de jornal. O cliente paga contrariado mais essa "despesa" !   
 "NATO" AZEVEDO (em 11/out. 2019, 10 hs)
OBS: o REAL só seria criado por volta de 1992, salvo engano !
NATO AZEVEDO
Enviado por NATO AZEVEDO em 12/10/2019
Código do texto: T6767777
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
NATO AZEVEDO
Ananindeua - Pará - Brasil, 67 anos
890 textos (14271 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/11/19 17:23)
NATO AZEVEDO