Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

"DEUS MORTO FÊMEA LÍNGUA GELADA"

Para ler ao som de Janelas Abertas Nª 2, de Chico Buarque

(Águas: Escorpião: Destruição. Caos. Redenção. Liberdade.).

É fim de tarde. Acho que vai chover. Como dizia minha vó, antigamente, hoje o céu está bonito para chover. Nunca compreendi como seria essa beleza, sobretudo, porque ao olhar para cima vejo nuvens cinzentas cobrindo o azul celeste. Porém, contrariando meu entendimento escasso sobre meteorologia, a beleza das nuvens acinzentadas advém da esperança de que as gotas que caem do céu consigam lavar e levar algo dentro de nós, ao mesmo tempo no qual traz esperança para alguns…
Não, mas, não era sobre a chuva ou clima que desejava falar. Na verdade, queria te contar um pouco sobre umas histórias – foram tantas, vivemos tantas, penso sempre que chegamos a ser alguma coisa, e, digo “coisa” na ausência de vocábulos para denominar o que aconteceu conosco.
O fato é que, logo no dia de hoje, em que o céu, as nuvens, ou isso que ironizamos tanto chamando de Deus, deu para a humanidade a oferta de uma chuva. Essa oferta me fez lembrar da cidade, de nós, da cidade que só conseguíamos achar algum tipo de afeto – até entre nós mesmo – durante o inverno, ou as chuvas efêmeras do verão. Sempre recordo que você gostava mais do inverno.
Então, com essa iminência de águas celestes – acho que ainda continuo com um pouco de sua ironia taurina em mim – tentei voltar a cidade, a rua, ao apartamento. O terceiro andar do prédio. O que me trouxe aqui não foi a esperança de lhe reencontrar, de tocar você, de olhar nos seus olhos e remexer em velhas histórias – “Você está uma droga para falar, sempre com as mesmas digressões”, tu dirias se tivesses aqui – Eu pensei muito antes de adentrar novamente no apartamento, sempre tive vontade de ficar aqui para sempre, pois, quando olho hoje para a sala, a pequena cozinha, os quartos, o correto minúsculo, que quando estávamos bêbados parecia labiríntico, e a varanda sinto um certo desconforto agradável ao observar tudo que fomos naqueles tempos.
Quantos anos já fazem desde aquele surto? Desde que vim embora da cidade? Parei de calcular o tempo, parei de contar as horas. Parei de ser aquele desconhecido na qual estava me transformando e passei a ser outro desconhecido. É estranho como mesmo abrindo mão das contagens de tempo a terra ainda continua em rotação e translação.
O apartamento continua igual, tem até o desgaste na parede aonde colocamos um pôster de Pagu. A varanda ainda conserva os varais que pendurávamos nossas roupas entrelaçadas, nunca sabia quais eram suas ou minhas, apesar de sermos de gêneros opostos. E quem liga. Eu adorava aquele seu short jeans em mim, tão gay, você falava, e eu gostava das bolsas também.
Quando adentrei por dentro do apartamento e localizei cada cômodo, sentei na varanda, acendi um cigarro – já nem fumo mais, apenas pelos velhos hábitos – e comecei a contemplar aquela vista. O estádio de futebol onde nunca fomos, porque ambos detestávamos esportes, a igrejinha lá do alto daquela pequena elevação, que de longe sempre parecia um monte de pontinhos, e, por fim, a imensidão do que se pode ver do terceiro andar de um apartamento, o que não é muito, no entanto, naquele tempo parecia maior que nós.
O sol já não desce por aqui. E isso me deixou absorto. Absorto, tinha uma música com esse nome, naquele tempo.
A chuva começou a descer, realmente minha vó tinha razão: o céu estava bonito para chover. E ainda existe tantas coisas para falar dizer gritar. Só que fiquei refletindo um pouco e esqueci do cigarro, ele está todo molhado, mas, excito sair da varanda, a chuva está fininha e o que se pode ver vai ser tornando grandioso com os pingos que caem.
Sonhos foram construídos e mortos nessa varanda, nesse apartamento. A questão é: o que sobrou de nós? Acho que nem você conseguiria dizer, pois, é muita amargura para uma criatura só, principalmente, você, a moça dos olhos cintilantes.
O medo de voltar a essa cidade, percorrer correndo o corredor labiríntico e tentar matar qualquer vestígio que houvesse de alguma coisa viva ainda reina sobre mim, embora, seja um esforço necessário. É como uma tentativa de exorcismo do que já não há, já não é, e, nunca foi.
Eu sei que você se encontra em algum lugar dessa cidade. E saber isso me causa um tipo estranho de medo. Tu ainda me amedrontas nos pesadelos, no cotidiano, na possibilidade de um dia te encontrar. O medo vem da sensação de entrar dentro de seu campo magnético e não conseguir sair. O leite derramado sempre assusta a natureza, da mesma forma que tu me assustas nas noites, mesmo depois desse tempo todo.
Claro, tantas digressões e nem falei das histórias que pretendia contar. Encontrei um rapaz de tez azeitonada, ele me faz bem. Ontem vi que ela, aquela menina que você costumava amar partiu para longe. Vi uma foto dela, o cabelo está ainda mais curto, como tu sempre falavas que ficaria melhor. Mania horrível que você tinha de determinar e impor-se sobre os outros.
A chuva agora vai ganhando força, embora, eu não me mova da varanda, porque é preciso. Porque se eu não continuar aqui não conseguirei terminar o que vir fazer. E isso não se trata de um jeito de me redimir perante você, até porque você não está aqui – apenas em uma pequena parte lamacenta, fria, tenebrosa, escura, sórdida dentro de mim – comecei, desde aquele dia a te arrastar para dentro, todas as memórias e lembranças.
Durante muito tempo aprisionei qualquer menção que fosse feita a você em meus pensamentos ou pelos outros – as pessoas nunca entendiam e sempre perguntavam por ti – só que as histórias acabam, não quando vamos embora e sim quando deixamos de existir.
E, quando falo sobre existir não me refiro ao grande organismo vivo, composto por células, tecidos, sangue, água. Digo sobre outro tipo de existência. Aquela, na qual, não somos meros vegetais que se embebedam ou vivem tomando antidepressivos para suportar o dia que amanhece. Digo de existir em seu sentindo mais puro, mais sagrado, existir como sendo alguém, um ser.
Acho que isso não nos cabe mais. Melhor: a existência nunca nos coube e você bem sabe disso. O que ainda te aprisiona é um belo cachorro preto, no qual, você encontra mais sentido para suportar a vida do que depositar a esperança em outros seres humanos. Quanto a mim, nada me aprisiona e foi isso que me fez voltar para o apartamento, que agora está vazio, embora eu consiga ver o local exato em que os móveis ficavam.
Esse retorno depois de tanto tempo reflete em mim certo desprendimento, principalmente, com relação as histórias que ainda carrego em mim, as que você protagonizou em tantas encenações teatrais durante nosso processo de ir sendo. Dito outra forma: nosso pseud. processo de ser. A coisa.
No meio dessa bagunça toda que venho tentando te contar aprendi duas coisas contigo, moça dos olhos cintilantes: que somos egoístas; que usamos as pessoas e que gostamos de plateia; mas, sabe o pior, e tenho certeza que sabes: tornamo-nos escapes de nós mesmos. Doí em você?
Tenho a certeza que não. Tenho um absolutismo de que meu problema é afeto, o teu é desafeto. São tantos acumulados? Eu sei que são. E não vai parar até que cumpramos o que prometemos, ainda que distantes e fora dos nossos campos magnéticos. O teu me doí, o meu te alimenta, eu estarreço, seco, tu me absorves, sugas e sopra para fora como a fumaça de teu cigarro.
A chuva agora está se tornando insuportável, contudo, ainda preciso me prender a essa varanda para conseguir terminar o que tanto preciso fazer. Preciso suportar essa chuva como forma de se redimir a mim; como se fosse o último ato de uma grande encenação. E é.
Preciso, com o auxílio da chuva, descer até o canto que te encarcerei, a lama, o esgoto, os cheiros podres que carrego que é o lugar ocupado por você. Construir uma casa no âmago e passei a colocar nela corpos mortos para depois te trazer para dentro. Foram anos me dedicando ao esgoto, a lama e a morte. A casa ficou pronta. Coloquei tudo que nos ligava dentro dela e depois a tranquei de todas as formas para você nunca mais sair de lá, e sentir como é apodrecer.
Agora, a chuva me lança para dentro dessa casa e vou te soltar e cumprir o combinado, não da forma que era para ser, mas, talvez, quando você souber e estiver a ler esse escrito, compreenda e faça o mesmo e assim ficaremos juntos de novo, sem ressentimentos e mágoas.
Desci. Cheguei. Abri portas. Abri Janelas. Derrubei paredes: você agora está livre. Então, levanto da varanda e vou até a cozinha. Pego todo o material de limpeza e deixo a apartamento completamente limpo para que você possa sair de dentro de mim e trafegar em um campo neutro, sem lama, sem podridão. A chuva parou.
Fui ao banheiro tomei um banho. Enxuguei-me, juntei a toalha, as roupas e qualquer vestígio de matéria e queimei. A chuva parou, olho pela janela e consigo ver o azul sobrepondo-se sob os restos de nuvens cinzas. Parece que o sol conseguirá abrir novamente.
Caminho pelo corredor labiríntico e abro as portas dos quartos, janelas, banheiro. Tudo aberto para que a possibilidade do sol traga algum vestígio de luz quando eu te expulsar de mim.
Completamente despido, de roupa, de alma, de insanidade, das lamas, poços, ratos mortos, pessoas mortas com a qual construir uma casa para você. Despido, sento no centro da sala, com as pernas cruzadas e você lentamente vai emergindo de mim ao passo que vou tragando o cigarro.
Agora te vejo. Desgastada como um pano velho. E te pergunto se ainda existe dor, você não responde, você apenas me olha, os olhos cintilantes. Senta na minha frente, tira o cigarro da minha mão e posso sentir a gelidez da tua pele. Dando-te essa liberdade de sair de mim, acabo por me libertar de você.
Espero que você cumpra o trato. A casa está limpa, você consegue enxergar o que isso quer dizer? É quando você tenta falar, mas não consegue, é no momento exato que passo a compreender que ainda que seja silêncio, agora, você na minha frente, desce o entendimento da necessidade de tanta limpeza nesse apartamento.
Tu te levantas e vai até a janela e joga a ponta do cigarro. Em seguida, volta e senta na minha frente, olha-me por alguns minutos e eu recebo o beijo gélido dos teus lábios amargurados e derrotados. Era tudo que precisava fazer.
Depois do beijo, tu, Deus Morto Fêmea dos olhos cintilantes me dá o aval.
Caminho até a varanda, já não tem chuva, apenas uma inerência de um sol de fim de tarde, pouca luz. Então, jogo-me. E daqui de cima eu realizo seu maior desejo, cumprindo o que prometemos um ao outro, podendo um dia voltar das trevas que você me atirou e te levar comigo para nosso eterno sofrimento enfadonho. No inferno.
Jailson Anderson
Enviado por Jailson Anderson em 28/04/2019
Reeditado em 07/05/2019
Código do texto: T6634079
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jailson Anderson
Belo Jardim - Pernambuco - Brasil, 29 anos
38 textos (311 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/19 04:28)
Jailson Anderson