Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

208 - Proscrito

 Recebeu o cheque que o compensava da perda do seu posto de trabalho. Assinou o recibo, recolocou o boné, limpou no lenço a timidez do rosto e foi ao Banco levantar o dinheiro. Poderia ter pago as contas e a renda da casa, poderia ter-lhe dado algum para a comida mas não fez nada disso. Chorava sem lágrimas e bebia, dançava depois com as que ali estavam para o fazer esquecer e dormia. Repetiu tudo até que, por falta de dinheiro, o expulsaram do Bar. Quando voltou a casa já morava lá outra gente que nem conhecia a Maria. Quando se reviram também ela não o queria. Ninguém é de pedra, disse-lhe. Foi por isso que voltou a Lisboa para ver quem poderia precisar dele. Trabalho não havia. Fazia recados, transportava coisas, dormia onde calhava. E foi perdendo o que ainda tinha de suave e de raiva se foi revoltando até ser bruto. O mundo é de poucos. Todos os que via passar às mesmas horas eram escravos a mando do dono, à ordem da mulher e dos filhos, da felicidade que construíram de obrigações e sacrifícios. E o amor? Olhando para trás já não o via tão raro foi o que teve. Tão de cansaços e dores pago, assim, sexo sem pele, apressado como se tivesse de poupar tempo, como se valesse só as respostas ácidas que, em troca, recebia. Deixou que o usassem, deixou que por pouco lhe arrancassem as orelhas na Escola, e quando se viu sem nada reparou que  trazia em si um lobo que tinha fome.
Edgardo Xavier
Enviado por Edgardo Xavier em 17/06/2020
Código do texto: T6979948
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Edgardo Xavier
Portugal, 73 anos
2657 textos (44050 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/08/20 10:28)
Edgardo Xavier