Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PRISIONEIRO DOS PEQUENOS DEMÔNIOS

Tive um pesadelo, porém não me lembro com exatidão como foi e  o que foi. Acredito que tenha sido um ou mais pesadelos seguidos. Pudera, lembro-me de ter cortado e cozinhado uma panela inteira de salsichas ao molho com uns temperos divinais, tomate, cebola, alho, pimentão, sal e pimenta do reino em pó

e para acompanhar, arroz branco, modéstia à parte, a comida estava deliciosa, dos deuses. Já havia tomado algumas cervejas.

Tarde da noite, mandei tudo pra dentro e fui deitar.

Não sei quanto tempo dormi, Sei que acordei apertado para ir ao banheiro, meu quarto é suíte, ainda atordoado, pude ver que o cômodo não tinha móveis e eu estava dormindo no chão. Meus tornozelos estavam presos a duas correntes.

As janelas estavam fechadas, o ambiente estava escuro, mas nem tanto. Quis, primeiro satisfazer a parte fisiológica indo ao banheiro e depois, lavando o rosto e tomando água da torneira.
Passou-se muito tempo e eu naquela situação absurda, gritando, batendo nas portas, nas janelas, não conseguia abri-las. Foi aí que pensei: morri e devo ter feito muitas maldades, porque, com certeza estou no inferno. Neste momento, cinco espíritos vermelhos, pequenos, de aspecto antropomórfico se materializaram e disseram:

-Exatamente, você morreu e virou nosso prisioneiro!
´-Mas qual o intuito de vocês me manterem em cativeiro?
- Um dia você poderá descobrir.
- Por enquanto, vamos torturar você. Agora, se não quiser que o machuquemos, tem que trabalhar para nós. Como você é um rapaz muito bonito, pode atrair pessoas para cá. Queremos homens. Fique tranquilo, não vamos matá-los, colheremos amostras dos seus corpos, depois, eles nem vão se lembrar de que estiveram aqui.

Não adianta querer fugir que as correntes não são apenas físicas, elas são espirituais, você é nosso prisioneiro. Sua missão é trazer cem homens para cá: num dia tráz cinco, noutro, quatro, até completar a meta, os cem, então, nós o libertamos para achar o caminho do que você acredita ser o céu. Anda, vai logo!
Correu, mas levou um tombo federal, pois estava preso pelas correntes. E ficou irado pela queda e pelas gargalhadas e zombarias dos diabinhos.

- Você é um pateta mesmo! Não está vendo que nós somos as salsichas que você comeu? Acorda e vai viver a sua vida medíocre! Agora, vê se não se empanturra mais de comida antes de dormir, senão, da próxima vez ficará preso a nós para sempre! Grandes merdas, acho que nem vamos querer mais não!

%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%

Muito obrigada por sua leitura!
VICTORIAH
Enviado por VICTORIAH em 05/11/2019
Reeditado em 14/11/2019
Código do texto: T6788150
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
VICTORIAH
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
553 textos (62313 leituras)
203 áudios (13489 audições)
2 e-livros (167 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/19 15:07)
VICTORIAH

Site do Escritor