Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

BIPOLAR - O INTELECTUAL DO ÂNUS

Uma batida, duas batidas... Apenas o som das marretadas e o estalar dos ossos quebrados em meu corpo. Tropeço em minhas próprias pernas, uma velha respira com dificuldades em seu pulmão de aço, um louco se masturba ao seu lado enquanto ele a observa, introduz agulhas em sua uretra durante o ato, seu olhos esbugalhados revelam um prazer doentio correndo em suas veias contaminadas. Abro meus olhos, estou sonolento. No espelho próximo a minha cama uma imagem se forma, uma menina nua com o corpo pálido rasteja em minha direção, ela atravessa a fina camada de vidro. Em seu rosto eu vejo dois buracos negros onde deveriam ter olhos, sua mandíbula está fraturada fazendo com que seu queixo fique pendurado na altura do peito, seus lábios mostram-se com uma elasticidade enorme pelo tamanho da abertura em sua boca, devido ao deslocamento dos ossos faciais e de sua fratura. Rastejou pelo chão em minha direção, abriu um sorriso doentio com gengivas negras e uma língua azulada, sua saliva escura jorrava devido a abertura enorme de sua boca. Ela se aproxima lentamente da cama, estou paralisado ao me deparar com aquela cena de horror. Ela se apóia em minha cama com seus braços finos e fracos, seu cabelo sujo desliza pelo meu corpo. Ela estende sua mão, vejo que ela segura três comprimidos. Ela os oferece a mim. Pego com minhas mãos rígidas, levo-os até minha boca e os engulo com dificuldade. O despertador toca, são 6h da manhã. Levanto, tomo banho. Os caranguejos continuam a caminhar pelas paredes, eles nunca se vão. Coloco minha melhor roupa para ir a entrevista de emprego, salário bom e cargo bom. No momento estou desempregado, às vezes faço bico vendendo cordas para suicidas em potencial.
Em minha geladeira as baratas dançam valsa, na parede o crucifixo com o macaquinho pendurado nele está empoeirado. Depilo minhas virilhas para sair de casa,dou uma bela lustrada nas minhas nádegas ,é preciso estar pronto para receber o não caso a entrevista não dê certo para mim. Esfrego bem as mãos em minhas bolas para poder cum primentar as pessoas na rua. Claro, eu sou um cidadão exemplar, sempre respeitando a ética, a moral e os bons costumes, amém. Dou uma bela laminada em minha língua para poder lamber as botas necessárias para eu poder pagar minhas contas alegremente como o bom cidadão que sou. Retiro alguns pelos do meu ânus com uma pequena pinça velha, passo vaselina nas axilas, quero estar com o cheiro dos vencedores hoje! Bebo um copo de café com urina de cadela no cio para dar sorte, esse emprego vai ser meu! Lembre-se sempre, os bons pensamentos atraem boas energias. Talvez eu até pare no meio do caminho para fazer uma fezinha e jogas na mega sena. Amem!
Ergo minha calça cheio de auto estima, os testículos estão divididos no meio e a cueca está enfiada no rego, do jeito que todo homem de verdade deve sair de casa. Cuspo nas duas solas de sapato para dar sorte antes de sair de casa, dou uma olhada no meu computador para acompanhar as novidades da vida dos meus amigos que eu não conheço das redes sociais. Vejo que todos estão bem felizes e realizados com seus sorrisos de plástico e olhares petrificados, nunca se deve perder a mesma pose de sempre para a foto que será compartilhada! Faça um biquinho e um olhar sexy. Olho no celular, meus amigos desconhecidos me mandaram cenas de pessoas mortas em um acidente terrível, tripas e sangue para todos os lados, nesses momentos que eu sinto dó dessas pessoas que sofreram na hora da morte, mas fico feliz por não ser comigo. A vida é uma benção divina! Vejo vídeos de pessoas doentes e com deficiências, fico refletindo comigo mesmo, sou abençoado por ter a vida que tenho e ser saudável não passo pelo o que estas pessoas passam. Talvez seja o karma delas, terão de passar por isso nessa vida, por isso eu sempre rezo, amém!
Meus desconhecidos amigos de coração são tão engraçados, sempre me manda vídeos e piadas em meu celular sobre a nossa situação social e política nesse pais. Somos um povo muito alegre e festeiro, rimos de tudo e somos os mais malandros e espertos do mundo. É como diz a frase, é melhor rir do que chorar, viva. E por falar em política, não posso esquecer de sair com o broche do meu partido político de coração. Assim os homossexuais, as feministas, os mendigos drogados, os menores traficantes e os que têm uma cor diferente da minha não se aproximem com o seu mimimi irritante. Outra mensagem do meu amigo no celular, diz para eu ver as fotos da mais nova musa teen da televisão, são fotos para uma coleção de biquíni e meu amigo disse que ele já bateu umas cinco pra ela. Todos nós sabemos que explorar o comércio da hiper sexualização de crianças e adolescentes é algo muito rentável nos dias de hoje. E já que destruímos nossa sexualidade quando nos tornamos adultos,vamos destruir com nossa perversidade patológica a sexualidade pura e intacta das crianças e dos adolescentes,pois morremos de inveja de seus corpos e mentes livres. Não posse perder essa, amém!
Vou sair para a grande entrevista de emprego, não posso esquecer do meu currículo, pois ele é o documento que comprova que eu sou a peça ideal para o trabalho...

Seis horas da manhã, acabo de acordar de um terrível pesadelo. Sonhei que eu via uma garota horrorosa saindo do meu espelho para me entregar duas pílulas. Depois no sonho eu me transformava num grande retardado que se preparava para uma entrevista de emprego. Acordei do pesadelo na hora em que eu ia estourar meus miolos com uma escopeta no meio da entrevista do tal emprego
Tomo meus medicamentos para o transtorno bipolar. Ligo o chuveiro e os caranguejos continuam caminhando pelas paredes, eles nunca saem de lá.
Olho pela janela e o céu está coberto pela nuvem de gás tóxico da poluição do ar. Ligo a tv e o jornalista diz que vai chover por minha causa. Estou com uma diarréia terrível por causa de uma infecção intestinal. Meu ânus começa a reclamar, ele briga comigo me ofendendo de diversas maneiras. Diz para eu parar de me alimentar mal e também para eu começar a falar mais, a deixar de me calar. Ele me explica furiosamente que cada vez que eu me calo e deixo de dar vazão ao meu ódio e para tudo o que sinto através da minha boca, meu ânus acaba sendo comprometido por todas aquelas emoções ruins que eu guardo em minhas entranhas, ele me diz que aquilo que não sai pela boca sai pelo cú. Talvez isso explique o grande número de pessoas com tumores e hemorróidas no mundo.
 De repente a voz na tv começa a falar desesperadamente sobre o fim dos tempos,ele grita bem alto que estamos vendo a revolta dos esfíncteres. Conta a história de um homem que teve seu pênis decepado por um ânus raivoso durante o sexo anal,fala de uma garota que explodiu de tantas fezes retidas em seu corpo pois seu ânus a estava impedindo de defecar normalmente. Em outros casos o repórter conta os casos de um ânus fazendo discursos nas ruas, de outro que criou dentes e saiu mordendo as pessoas por ai, bem no rosto. E o repórter ainda finaliza a notícia dizendo que finalmente havíamos chegando no dia em que os ânus rebeldes haviam dominado seus antigos donos humanos. Quando eu saio do banheiro para ver a tv eu vejo que não era o repórter quem estava dando a notícia mas sim uma enorme bunda branca com um cú falante bem no meio da tela da minha televisão. As pregas rosadas se moviam como uma pequena boca. Eu fico desesperado, peço desculpas ao meu esfíncter revoltado. Corro para a janela e vejo que lá fora perto do portão havia uma figura humana de preto parada olhando para mim. Ele usava um capuz negro e uma máscara branca onde era possível ver apenas os olhos. Fico apavorado, volto-me para dentro de casa e tropeço em alguma coisa no meio do caminho. Ao cair no chão eu vejo que tem alguém no meio do corredor, ele estava de quatro. Era a figura com capuz negro e máscara branca, ele olha para mim e começa a vir na minha direção se movendo pelo chão como se fosse uma aranha. Consigo fugir para o meu quarto e me escondo nas cobertas em cima da cama. Espero um tempo para olhar se o perigo passou, quando decido olhar vejo que não há mais nada em meu quarto. Ao olhar para o teto vejo que a figura de capuz negro e máscara branca está lá,pendurado de ponta cabeça olhando para mim. Ele pula em cima de mim, ele me segura e lentamente retira a sua máscara. Vejo que ele não tem rosto, apenas um enorme e fedorento ânus no lugar da face. Ele se aproxima e solta uma enorme e fétido gás em meu rosto. Mal consigo respirar, começo a perder os sentidos lentamente...

Seis horas da manhã, o despertador toca. A garota bizarra sai lentamente do meu espelho e me entrega as pílulas para o transtorno bipolar. Vou para o banheiro para tomar banho e os caranguejos continuam caminhando pela parede, eles nunca saem de lá. Estava sonhando com um mundo onde os esfíncteres se revoltavam contra os seus donos e que um enorme cara de cú e perseguia dentro de casa. Talvez os medicamentos estejam me causando estes pesadelos horríveis. Decido jogar os medicamentos fora,percebo que com o passar dos dias a intensidade em minhas emoções aumentam,me sinto revigorado,cheio de idéias e paixões,não estou me sentindo mais como um morto vivo zumbificado pela forte medicação para controle do meu EU superior. Faço um ritual mágico, com velas negras e vermelhas, incensos, álcool, símbolos cabalísticos, sigilos caóticos e figuras demoníacas. Invoco o tio Lú ao som de batidas e tambores hipnotizantes. Ele aparece com suas vestimentas negras, chapéu e anéis prateados. Reparo que uma longa cauda negra de escorpião sai de sua traseira. Ele carrega em sua testa a letra negra do anarquismo. Pergunto a ele sobre a realidade e a vida. Pergunto se é verdade que os rumos do mundo são ditados por uma organização secreta que controlam os governos e a economia como fantoches. Pergunto se somos uma raça nascida do cruzamento de alienígenas repitilianos com macacos. Pergunto se eles são os verdadeiros deuses que começamos a adorar no início dos tempos. Pergunto se nossas mentes são controladas pelos mesmos alienígenas, numa espécie de hiper experimento galáctico científico. Pergunto se ele é Jesus Cristo. Ele apenas dá uma baforada em seu baseado e me oferece uma dezena de cogumelos azuis. Ele sorri e me diz para prestar a atenção. Diz que eu estou dormindo, condicionado pelo sono dos imbecis. Diz que eu só preciso estar atento e esquecer tudo aquilo que eu acredito que sou. Ele fala para eu observar melhor aquilo que meu cérebro condicionado acredita ser a realidade. Após suas palavras sábias, eu decido prestar mais a atenção e reparo que não estou mais em minha casa. Observo que possuo escamas vermelhas guelras e nadadeiras pequenas. Percebo que eu estou dentro de um pequeno aquário bem decorado, minha visão está um pouco turva, mais do que o de costume, ao meu redor vejo enfeites de plástico. Aquilo que eu imaginava ser o sol é apenas uma lâmpada iluminando todo o pequeno aquário. Respiro com certa dificuldade, não consigo enxergar a água ao meu redor. Fico confuso. Percebo que para sair dali eu só preciso nadar até a superfície do aquário e pular fora, mas sinto um temor enorme em minhas vísceras que me deixam paralisado, sinto que aquele ambiente mesmo assustador ainda me trazia certo conforto e comodidade. Tio Lú aparece e ri de minha cara de peixe. Ele diz que eu estou paralisado pelo medo da vida, da liberdade e da morte. Eu lhe pergunto o que fazer e ele me diz para eu prestar atenção em mim. Ele me pergunta se eu estou vendo a água que me rodeia e eu lhe respondo que água? Também me diz para eu olhar para o lado de fora do aquário e observar que existem outras realidades além daquela realidade ordinária o qual estou acostumado a viver, ele diz que eu estou hipnotizado pelas minhas crenças e que eu sou um gigante guiado por anões. Digo a ele que eu não posso deixar as minhas coisas e minha vida de lado,tenho responsabilidades, o que as pessoas vão pensar? Tio Lú sorri e dá uma imensa baforada em seu cachimbo feito com osso humano, seus anéis refletem a luz do aquário.

Seis horas da manhã, acordo tomo meu café. Hoje não recebi a visita da menina bizarra do espelho. Tomo meu banho, as patas dos caranguejos fazem ruídos nos azulejos do banheiro. Eles nunca saem de lá. Estou me sentindo cheio de energia, idéias, talvez eu escreva um poema ou uma crônica sobre o cotidiano. Estou me sentindo vivo e auto confiante. Olho para o lado, minhas pílulas para o transtorno bipolar estão me aguardando para serem consumidas por mim. Ligo o som e ouço um rock progressivo dos anos 70. Minha visão e meus pensamentos se fundem com a música, fico confuso. Assim que a música acaba eu me lembro das palavras da Dra psiquiatra branquinha sabichona, hiper atividade, pensamento acelerado, delírios de grandeza. Logo fico chateado e me lembro que estou doente e minha alegria se vai. Penso em várias formas de suicídio, inúmeras estórias e personagens surgem em minha mente, já não sei quem sou. Resolvo me embriagar com álcool, sinto me vivo, o meu eu real surge por alguns instantes. Saio na janela para saudar a vida e cantar uma bela canção de amor, vejo que as pessoas são de madeira, que o céu está de ponta cabeça e que as construções são feitas de areia. E o vento sopra levando tudo embora. Fico enfurecido, destruo minhas coisas. Um corvo negro senta na minha janela, canto o seu canto de morte enquanto observa o meu momento de loucura destrutiva. Minhas mãos estão repletas de sangue quente, me cortei nos cacos de vidro. Flores brotam onde havia os cortes, dou um leve sorriso e me lembro de meu antigo jardim.  Amém!
Vou para a igreja buscar salvação e alívio para as minhas angústias. Percebo que uma missa negra é celebrada.
No interior da igreja a missa diabólica começa. A sacerdotisa adentra o templo carregando a cruz apodrecida do messias envelhecido com o seu pênis ereto. Uma pequena banda de crianças siamesas nuas toca canções disfônicas. Os vermes rastejam cantando cânticos sagrados pelas paredes sujas de fezes e sangue do templo negro. Freiras lésbicas começam uma orgia macabra próximo ao altar maldito onde o bode negro será sacrificado para que todos os presentes se banhem em seu sangue quente. Durante a orgia,freiras urinam umas nas outras num ritual que aos olhos do pequeno homem apavorado mostravam apenas seres sexualmente pervertidos surgidos do pior dos infernos. No interior daquele templo o pequeno homem via estátuas de santos empalados. Ao seu lado a bela estátua da virgem nua , o sangue de sua menstruação escorria de sua bela vagina engessada. No centro do altar a sacerdotisa corta a garganta do bode negro, espalhando o sangue do animal por todo o seu belo corpo nu. Aquele sangue quente fez com que os mamilos da sacerdotisa ficassem enrijecidos, durante a sua espetacular excitação ela se senta no pênis ereto do messias envelhecido. Seus gritos de prazer levam os participantes da missa negra à estase. Enquanto isso as freiras pervertidas se masturbam no chão do templo negro enquanto as crianças siamesas da banda maldita jogam notas de dinheiro em direção aos fiéis. Todos se bebem o sangue do bode negro. O pequeno homem olha para o lado e vê que Tio Lú está se deliciando com a cena macabra. Com suas pupilas demoníacas ele olha para o pequeno homem e diz que está na hora de acordar. Enquanto isso a velha serpente da antiga religião mentirosa queima junto com o templo negro misturando-se com as cinzas, após a sacerdotisa ter dado a ordem para que as freiras pervertidas e os porcos fiéis incendiassem aquele local maldito.

‘’Acorde meu amigo. Você tem sido manipulado durante sua vida toda. Mentiram pra você sobre quem você é,sobre o que é o mundo e a vida. Nada é real, não acredite em nada do que lhe disseram até hoje. Fizeram você acreditar que está doente e que precisa de tratamento. Contaram mentiras pra você sobre o mundo e o universo. Eu sou sua voz interna, seu Eu superior, sou o Tio Lú. Abra os seus olhos e veja que os caranguejos não estão nas paredes’’. Tio passa pela rua retorcendo os pescoços dos pobres transeuntes que passavam por nós nas ruas negras próxima ao templo negro. Ele é temido por todos,em sua cintura ele trazia pequenos membros de bebês mortos.

‘’O sujeito 333 acordou da experiência. Algo em seu interior o fez despertar. Precisamos dar outra dose de sono alienado para ele Dr Illuminati. Ele percebeu que ele tem sido manipulado por nós durante todos estes anos, assim como todos os outros ao seu redor que compartilhavam do mesmo sonho desperto que ele. Precisamos distraí-lo novamente para que sua voz interna não o acorde, ele se tornou um perigo para a ordem mundial. Vamos mudar suas memórias e colocar no lugar outras novas que ele nunca viveu. Vamos mudar a sua alimentação, colocar novas propagandas em sua tv ,vamos fazer ele se interessar por sites e redes sociais novas. Vamos mudar o médico dele para que novos medicamentos sejam dados à ele. Vamos bombardeá-lo com propagandas para que seus interesses mudem. Precisamos reforçar o controle do sujeito 333, não podemos colocar em risco o nosso poder, pois nós somos a Grande Ordem. Ele não vai perceber as mudanças pois sempre agimos com sutileza. Vamos colocar pessoas, programas e sites na internet que façam piadas com o que ele pensa ter descoberto, vamos utilizar a psicologia inversa para distraí-lo,assim ele vai pensar que tudo o que ele pensou não passa de paranóia e de uma grande bobagem. Precisamos dele dócil e controlado, assim como todos os outros do planeta. Vamos iniciar o processo de controle mental do sujeito 333. Licença concedida pelo Dr. Illuminati’’.


NÃO MUITO LONGE DO PLANETA DOS CIMPANZÉS DOMESTICADOS

N ã o    c o n s i g o    e n t e n d e r    e s t e s    s e r e s   d e s s e    p l a n e t a   e s t r a n h o
E l e s   s e   m a t a m   p o r   s u a s   c r e n ç a s   f a l  s a s     e    f a n t a s i o s a s
E s t e s    s ã o   c o m   t o d a     c e r t e z a    a    p i o r   e s p´e c i e    q u e   j á    e s t u d a m o s   n o     u n i v e r s o
E    e l e s   p r e c i s a m   d e   u m  g á s     t ó x i c o    p a r a    r e s p i r a r
O   o x i g ê n i o    q u e    o s    m a t a m     l e n t a m e n t e
n ã o    v a m o s    p a r a r    n e s s e    p l a n e t a
v a m o s      e m b o r a   d e s s e    l u g a r
K H A O S
Enviado por K H A O S em 05/10/2017
Código do texto: T6133631
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
K H A O S
São Paulo - São Paulo - Brasil, 38 anos
34 textos (3845 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/11/19 10:06)
K  H  A  O  S