Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Dança das Cinzas

O movimento quase coordenado dos corpos e dos passos de dança dos casais no
grande salão formavam algum tipo emulação de uma inquieta lagoa. Várias linhas
narrativas que se encontravam em uma chique e densa bola de pelos. Momentos
felizes, doces e memoráveis eram tecidos naquele emaranhado de histórias. Beijos,
abraços, piadas e risos decoravam os pedaços daquela previsível obra de arte.
Obra sem sentimento. Sem profundidade. Sem sabor. Sem complexidade. Sem
arte.
Uma obra de arte sem a duradoura essência artística. Um conjunto de rabiscos sem
cor e senso de profundidade. Não demoraria mais que algumas horas para que
aquele grande encontro de histórias esfriasse, resultando no descolamento coletivo
das pontes de calor humano superficil. Aquela aglomeração de pensamentos
ambulantes mal se lembraia da ocorrência daquele evento, e seus cursos sobre as
estradas da vida cotinuariam sem significativos desvios.
As donzelas dessa enfadonha festa não me interessavam. Seus sorrisos armados
com o auxílios de transparentes e quase invisíveis anzóis puxados pelas suas sujas
personalidades não impressionaria o mais iludido dos iludidos. Vestidos tão brancos
e tão reluzentes que foram claramentes vendidos para as tolas moças como
passagens mais acessíveis ao tão desejado Paraíso. Um oceano de cabelos loiros,
cujas gotas se diferenciavam entre si pelas sutis, porém praticamente
imperceptíveis, tonalidades de amarelo. Mesmo não estando jogado ao meu próprio
azar em um inferno de água, aquela visão fazia-me afundar em profundas náuseas.
Era uma prisão. Uma prisão que não me prendia por meio do frio concreto, mas sim
pela tentativa de me incapacitar ao induzir uma pertubação nos circuitos orgânicos
que regiam o meu encéfalo. Passar por todos aqueles reflexos era como me perder
em um labirinto desprovido de qualquer possibilidade de escapada. Cada passo era
coroado com uma perda de um pedaço da fraca esperança dentro do meu ser.
Porém houve um momento no qual eu achei a porta.
E a chave... Era a lágrima... De um lamento.
Minha audição negava a entrada dos sons da entediante banda da festa e procurou
a fonte daquele lamento. As manifestações vocais se atenuavam tais quais as
últimas crepitações de uma chama em sua última valsa.
Quando o mundo ao redor se calou, eu a achei.
Um vestido marrom, como se tivesse sido banhado pelo mais amargo café e
acalmado com doce filete de leite. Pele branca cuja pureza terminava em sua
cinzentas mãos. As palmãs cobriam o seu rosto submerso em choro. Dedos sedespedindo lentamente de suas pontas. Lágrimas e flocos de cinzas caíam juntos.
Cabelos tão negros quanto a obscura jornada que a esperava após o seu último
deitar.
Os ventos da surpresa e da curiosidade me carregaram até a triste moça. O
estranho labrinto se desmoronou e se materializou em uma estrada retilínea. Seu
visível fim localizava-se na cadeira solitária da donzela quase caía em cinzas.
Ao alcançar as suas proximidades, a sua gravidade me puxou violentamente. Só
havia uma névoa branca ao nosso redor. Minha atenção só pertencia à ela.
Coloquei minhas mãos sobre as massas cinzentas que imitavam mãos e as tirei
gentilmente se seu rosto, a fim de não desmanchá-las.
A corbetura cinzenta deu lugar àquilo que populou meus olhos com vivas cores. Um
rosto autêntico, lavado pelas salgadas lágrimas que clamavam por mais tempo
naquela terra agridoce. Um rosto que eu poderia admirar por horas. Uma aparência
que naquele momento me era estranha, apesar da lembrança dele poder ser
guardada em meu coração por todo o sempre.
Meu coração bombeava um incomum licor em todos os vasos do meu corpo. Uma
mistura de tristeza por sua situação terminal e uma empatia pelo seu grave
sofrimento físico e emocional. Ambos dissolvidos no líquido tingido pela repentina
paixão, desencadeada pela efêmera e singular essência emanada pelo seu olhar.
Releguei ao esquecimento o sentimento azul e deixei todas emoções vermelhas
tomarem as rédeas da situação. Uma das minhas mãos puxava delicadamente uma
de suas frágeis mãos em direção ao oceano amarelo que era a festa. Em seguida,
os riachos que se hospedavam em seus olhos secaram, e o eclipse em sua
expressão deu lugar à um forte luz emanada por um genuíno sorriso.
Com sua companhia, consegui desbravar as selvagens marés mais que
desconhecidas. Sentia-se como um solitário marujo valente o suficiente para
desafiar a ira da vida marinha com a bênção de uma divinidade mais que bela. No
final das contas, toda a tormenta se desfez no instante no qual pousamos nossas
mãos em nossos braços, e o raiar alegre e revigorante do dia rasgou a densa
cortina de nuvens negras quando nossos pés se moveram em sintonia com as
notas, os acordes, os dedilhados e as batidas.
Cada segundo que gastava enquanto testemunhava a sua felicidade era uma
semana de chuva de ouro sobre mim. Sentir aquilo encheu-me de estranheza. Uma
estranheza desencadeada pelo correr daquele doce calor sob minha pele. Nunca
havia sentido um calor tão intenso e tão rápido consumir a arquitetura da minha
pessoa. Um incêndio que não me amendrontava, muito menos me obrigava aapagá-lo. Queria que ele me queimasse vivo, e levasse junto toda a minha
insatisfação do momento.
A vivacidade da donzela era um paradoxo quase perfeito com sua condição
terminal. A dança lhe presenteava com sorrisos de mel e risos de açúcar.
Lembranças constantes de sua doença não lhe preocupavam mais. Se aquele era o
momento do ascensão de seu espírito para o intangível mundo celeste, não lhe
importava. O clímax estava alí, bem diante de seus olhos. Uma obra prima contida
nas linhas do seu conto.
Cada rodopio era temperado com o levantar de uma nuvem de flocos cinzentos.
Cada passo andava junto com uma mancada. Movimentos antes orgânicos se
enrijeciam.
Assim foi a sua despedida. Sem palavras. Apenas o seu sorriso perdurando
enquanto seu corpo se desmanchava no ar. Num piscar de olhos, o desmanche
resultou em uma pequena montanha de cinzas no lugar onde ela estava. Os casais
ao redor se horrorizaram ao ver aquela cena mais que inesperada. A reação média
dos homens não variava mais do que uma expressão de espanto. As reações das
mulheres eram mais variadas, indo de longos e agudos gritos à desmaios
repentinos.
Eu apenas ajoelhei em sua frente. Um pouco do que restava dela cobria as palmas
das minhas mãos. Lágrimas caiam do meu queixo caído, sem antes passar pelos
contornos desenhados pelo meu sorriso.
Caio Lebal Peixoto
Enviado por Caio Lebal Peixoto em 18/07/2020
Código do texto: T7009783
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Caio Lebal Peixoto
Vila Velha - Espírito Santo - Brasil, 24 anos
98 textos (1255 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/20 21:48)
Caio Lebal Peixoto