Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

HOUVE UM DIA EM QUE O TIO-AVÔ ESTAVA SENTADO NA SUA CONFORTÁVEL CADEIRA DE BALANÇO. ELE FAZIA ISSO TODAS AS TARDES DEPOIS DO ALMOÇO.
NESSE DIA, COM O BALANÇO DA CADEIRA, O TIO-AVÔ COCHILOU PROFUNDAMENTE E TEVE UM SONHO MUITO ESPECIAL. NO SONHO, A SUA CADEIRA DE BALANÇO CRIOU ASAS E VOOU PARA MUITO ALÉM DA SUA ACONCHEGANTE CASINHA.
ELA BATEU SUAS ASAS E VOOU TÃO ALTO QUE ULTRAPASSOU AS FRONTEIRAS DO TEMPO. ELA ROMPEU A LINHA QUE DIVIDIA O PRESENTE DO PASSADO. O TIO- AVÔ ESTAVA VESTINDO UMA JAQUETA DE COURO MARROM, CALÇA, GORRINHO, BOTAS LONGAS E ÓCULOS DE PROTEÇÃO E UM CACHECOL ENROLADO NO PESCOÇO. O TIO-AVÔ SE SENTIA UM PERFEITO AVIADOR PILOTANDO A SUA CADEIRA DE BALANÇA COM ASAS.
MAS, DE REPENTE, COMEÇOU A SOPRAR UM VENTO MUITO FORTE FAZENDO COM QUE O TIO-AVÔ PERDESSE O CONTROLE DA DIREÇÃO DA CADEIRA DE BALANÇO E ASSIM A CADEIRA CAIU NO EM CIMA DO TELHADO DO SÍTIO DE UM ILUSTRE MORADOR DA CIDADE DE TAUBATÉ.
POR INCRÍVEL QUE PAREÇA, O TIO-AVÔ E A SUA CADEIRA DE BALANÇO NÃO SOFRERAM COM A FORTE COLISÃO CONTRA O VELHO TELHADO DAQUELE SÍTIO ACONCHEGANTE.
ENTÃO, O VELHO TIO-AVÔ SE LEVANTOU E SACUDIU A POEIRA DA SUA VELHA JAQUETA DE COURO E EM SEGUIDA DESCEU PELA CHAMINÉ E CAIU NO MEIO DA SALA, ONDE UMA SIMPÁTICA VELHINHA SENTADA NUM OUTRA CADEIRA DE BALANÇO E SEGURANDO UM LIVRO ABERTO EM SUAS MÃOS CONTAVA ANIMADAMENTE UMA DIVERTIDA HISTÓRIA PARA OS SEUS NETINHOS.
- QUEM É VOCÊ? DISSE A SENHORA DE CABELOS BRANCOS.
- EU SOU OLUAS, MAS, PODE ME CHAMAR DE TIO-AVÔ! E DESDE JÁ VOU PEDINDO PERDÃO PELOS ESTRAGOS QUE CAUSEI NO SEU TELHADO DEVIDO A MINHA QUEDA NO TELHADO. QUE LUGAR É ESSE? ONDE EU ESTOU?
-VOCÊ ESTÁ NO SÍTIO DO SEU LOBATO.
SEU LOBATO! NÃO PODE SER, DEVE ESTAR ENGANADA!
- NÃO ESTOU... VOCÊ ESTÁ NA CIDADE DE TAUBATÉ NO SÍTIO DO SEU JOSÉ BENTO MONTEIRO LOBATO.
AS PERNAS DO TIO- AVÔ COMEÇOU A TREMER E ELE SE DEU CONTA DE QUE HAVIA VOLTADO AO SÉCULO PASSADO.
NISSO, UM MENINO COM UM ESTILINGUE NA MÃO, UMA MENINA DE NARIZ ARREBITADO, UMA BONECA DE PANO FALANTE E UM SABUGO DE MILHO QUE ASSIM COMO A BONECA DE PANO, TAMBÉM FALAVA, AJUDARAM O TIO-AVÔ A SE SENTAR NO SOFÁ MACIO E CONFORTÁVEL DA SALA.
ENTÃO, O TIO-AVÔ JÁ RECUPERADO DO SUSTO QUE HAVIA LEVADO SE ACALMOU E PERGUNTOU:
- EM QUE ANO ESTAMOS?
E TODA A TURMINHA DO SÍTIO DO SEU LOBATO RESPONDEU AO MESMO TEMPO.
- MIL NOVECENTOS E QUARENTA E OITO!
- NOSSA! AINDA NÃO ESTOU ACREDITANDO QUE REGRESSEI SÉCULO PASSADO E VIM CAIR DA MINHA CADEIRA DE BALANÇO BEM NO SÍTIO ONDE MORAM OS PICA-PAUS DAS CABEÇAS AMARELADAS.
QUANDO O TIO-AVÔ COMPLETA A SUA FALA, EIS QUE ENTRA NA SALA, UMA SENHORA TAMBÉM DE CABELOS BRANCOS COM UMA BANDEJA COM DELICIOSOS BOLINHOS DE CHUVA E UMA SABOROSO CAFÉ QUENTINHO E SERVE AO CONVIDADO INESPERADO.
E LOGO EM SEGUIDA, ENTRA O ANFITRIÃO DO SÍTIO.
- PELO VISTO, SINHÁ ESTÁ RECEBENDO UMA VISITA QUE VEIO DO TEMPO PRESENTE.
- SIM, LOBATO! ELE CHEGOU VOANDO NUMA CADEIRA DE BALANÇO QUE POSSUI ASSAS.
- ORA, QUE SORTE A MINHA ENCONTRAR UM AMIGO QUE CHEGA AO MEU HUMILDE SÍTIO PILOTANDO UMA CADEIRA DE BALANÇO ALADA.
- LOBATO! VOCÊ SÓ PODE ESTAR FICANDO LELÉ DA CUCA, POIS, CADEIRAS DE BALANÇO NÃO VOAM.
- ORA, SINHÁ! VOCÊ SABE MUITO BEM QUE AQUI NO SÍTIO, EU CRIEI UMA BONECA DE PANO E UM SABUGO DE MILHO QUE SÃO INTELIGENTES E FALAM.
E O NOSSO CARO TIO-AVÔ SE ESPELHOU NAS MINHAS HISTÓRIAS E CRIOU UM ESPANTALHO QUE VIROU GENTE E QUE TAMBÉM FALA.
VENHA CÁ! MEU ILUSTRE CONVIDADO DO SÉCULO VINTE E UM PARA QUE EU POSSA LHE DAR UM LONGO ABRAÇO.
SEJA BEM-VINDO AO SÍTIO ONDE A IMAGINAÇÃO E A FANTASIA SÃO UMA FAZ DE CONTA QUE ACONTECE COMPARTILHANDO COM O MUNDO REAL.
SEU LOBATO LEVOU O TIO- AVÔ PARA CONHECER O SEU SÍTIO, SEUS PERSONAGENS E SUA IMENSA BIBLIOTECA E FOI EXPLICANDO TODOS OS DETALHES E CURIOSIDADES QUE O VISITANTE DO SÉCULO VINTE E UM SEMPRE QUIS SABER.
ENTÃO, O CURIOSO TIO- AVÔ SEM PERDER TEMPO SENTOU –SE NA VARANDA DO BELÍSSIMO SÍTIO DO ILUSTRE ESCRITOR E COMEÇOU UMA ANIMADA CONVERSA COM ELE.
COMO É A CRIANÇA HABITA O SEU CORAÇÃO? PERGUNTOU O TIO- AVÔ PARA SEU LOBATO.
- A CRIANÇA QUE HÁ DENTRO DE MIM NUNCA ENVELHECE, FALA LOBATO VESTINDO SEU FAMOSO PIJAMA LISTRADO ENTRE UM ACESSO DE TOSSE E OUTRO.
E EM SEGUIDA O TIO-AVÔ FAZ UMA NOSSA PERGUNTA AO GRANDE MESTRE DA LITERATURA INFANTIL.
- COMO FOI O NASCIMENTO JECA TATU, SENHOR LOBATO?
E LOBATO SOPRANDO O AR RESPONDE APÓS LIMPAR A SUA GARGANTA DOS PIGARROS QUE INSISTEM PARA QUE ELE SE CALE.
- NA FAZENDA DO PARAÍSO... É PRECISO DIZER QUE A FAZENDA DO PARAÍSO ERA DE MEU PAI. FICAVA UM POUCO ALÉM DE TREMEMBÉ, A ANTIGA ESTRADA DE FERRO
NOVAMENTE O TIO- AVÔ DISPAROU OUTRAS PERGUNTAS QUE LOBATO ME RESPONDEU COM MUITA GENTILEZA E ALEGRIA DE VER ALGUÉM TÃO DISPOSTO A DESCOBRIR DETALHES DA SUAS OBRAS RIQUÍSSIMAS.
- E OS LIVROS PARA AS CRIANÇAS?
 
- ELES VIERAM COMO VÊM AS CRIANÇAS. LIVROS PUROS, INOCENTES E TOTALMENTE DESAPEGADOS DE MALDADE
- POR QUE PREFERIU UM "NARIZINHO ARREBITADO"?
 
NÃO PREFERI... MUITO NATURALMENTE, COMO VAGÕES ATRÁS DE UMA LOCOMOTIVA. TUDO SAIU DE UM NARIZINHO...
 
E O VIAJANTE DO TEMPO CONTINUA TESTANDO A PACIÊNCIA DO MESTRE LOBATO.
 COMO NASCEU A DONA BENTA?
- EU TINHA UM AMIGO CHAMADO PEDRO E A AVÔ DELE SE CHAMAVA BENTA, ASSIM FOI A DEIXA PARA EU BATIZAR A AVÔ DA “NARIZINHO ARREBITADO”
E PARA FECHARMOS ESSA CURIOSA E FASCINANTE CONVERSA, SEU LOBATO, PODE-ME FALAR COMO SURGIU A BONECA DE PANO, O SÁBIO SABUGO DE MILHO E O MENINO PEDRINHO?
ELA FOI FEITA POR TIA ANASTÁCIA PARA A MENINA NARIZINHO. NASCEU MUDA E É CURADA PELO DR. CARAMUJO, QUE LHE RECEITOU UMA "PÍLULA FALANTE", ENTÃO, ELA DESEMBESTOU A FALAR: "ESTOU COM UM HORRÍVEL GOSTO DE SAPO NA BOCA!".
PEDRINHO ERA OUTRO NETO DA CONTADORA DE HISTÓRIAS, ELE CONSTRUIU O SABUGOSA, USANDO UM SABUGO DE MILHO. AS HISTÓRIAS NÃO SERIAM TÃO ENGRAÇADAS SE NÃO FOSSE E, A BONECA DE PANO DA MENINA DO NARIZ ARREBITADO. ELA É FALANTE, IRREVERENTE E DIVERTIDA, POSSUI UM BAUZINHO CHEIO DE CACARECOS QUE ELA GUARDA DE SUAS AVENTURAS.
 ASSIM QUANDO O TIO-AVÔ ESTAVA SE DESPEDINDO DE SEU LOBATO. UMA VOZ ROUCA DÁ UM GRITO QUE ECOA NOS QUATRO CANTOS DO LENDÁRIO SÍTIO.
- EUREKA!  EU DEPOIS DE CONSULTAR TODO O MEU ACERVO DE LIVROS CONSEGUI RECONSTRUIR AS ASAS DA CADEIRA VOADORA DE BALANÇO DO ILUSTRE VISITANTE TIO- AVÔ, O INTERGALÁTICO, DISSE O SÁBIO SABUGO DE MILHO.
E LOGO EM SEGUIDA A TAGARELA BONECA DE PANO QUESTIONOU O SABUGO DE MILHO DIZENDO QUE ELA  QUE HAVIA RECONSTRUÍDO AS ASINHAS DA CADEIRA VOADORA DO ILUSTRE VISITANTE INTERGALÁTICO. COM O SEU FAMOSO POZINHO MÁGICO DE PIRLIMPIMPIM
ENTÃO SEU LOBATO OLHOU PARA SEU COLEGA INTERGALÁTICO E DISSE:
- ESSES MEUS FILHOS ME COLOCAVAM EM CADA SITUAÇÃO, POIS, VIVEM BRIGANDO O DIA INTEIRINHO FEITO CÃO E GATO.
O TIO- AVÔ QUE ESTAVA SE PREPARANDO PARA SUBIR NA SUA CADEIRA DE BALANÇO E DECOLAR DE VOLTA PARA O PRESENTE DEU UM LONGO ABRAÇO EM SEU LOBATO E COM MUITA EMOÇÃO E LÁGRIMAS NOS OLHOS, FALA AO ILUSTRE CONTADOR DE HISTÓRIAS.
PRAZER EM CONHECÊ-LO! O SENHOR E SUA OBRA MARAVILHOSA SERÃO LEMBRADOS PARA SEMPRE! ADEUS, SEU LOBATO!
ASSIM QUE O TIO- AVÔ SUBIU NA SUA CABEIRA DE BALANÇO, ELA NOVAMENTE ABRIU AS SUAS ASINHAS E VOOU RUMO AO PRESENTE COM O TIO AVÔ NO COMANDO.
E QUANDO A CADEIRA DE BALANÇO ATERRISSOU NO SOLO E RECOLHEU SUAS ASINHAS, O TIO-AVÔ, O INTERGALÁTICO, ACORDOU DEPOIS DE UM DEMORADO COCHILO E DEPOIS DE SE ESPREGUIÇAR NA SUA CADEIRA DE BALANÇO DISSE AOS SEUS SOBRINHOS NETOS QUE ATÉ O SEU DESPERTARAM FICARAM VELANDO O SEU COCHILO.
- “QUEM ESCREVE UM LIVRO CRIA UM CASTELO. QUEM O LÊ, MORA NELE!", JÁ DIZIA SEU LOBATO
E ASSIM COM O DESPERTAR DE SEU LONGO COCHILO TERMINAVA O DIA EM O NOSSO QUERIDO TIO – AVÔ SE ENCONTROU COM SEU LOBATO.

 
Saulo Piva Romero
Enviado por Saulo Piva Romero em 18/04/2020
Reeditado em 11/05/2020
Código do texto: T6921401
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Saulo Piva Romero
Itanhaém - São Paulo - Brasil, 48 anos
244 textos (20168 leituras)
243 áudios (908 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/09/20 16:41)
Saulo Piva Romero

Site do Escritor