Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


 
Por que não partiram o bolo?




Esther amava bolo. Nas festas comia pouco para se esbaldar no bolo. Mas naquela festa, apesar do bolo ser enorme, não o partiram. Foi para casa decepcionada. Festa que não partem o bolo não é festa.

Era madrugada, mas estava sem sono. Resolveu lê um pouco. Antes, porém, achou melhor conferir a fatura do cartão de crédito do marido que tinha chegado.

_ Bora ver quanto é o rombo desse mês.

Abriu a fatura e viu que era R$ 666,00 o valor a pagar. Puxa! O número da besta. Deu um sorriso dessa lembrança. Besteira! Tem gente que acredita em cada besteira!

Ao conferir a fatura encontrou uma compra diferente numa loja chamadas “Donnas”. A data era dia 11 de junho de 2019. Véspera do dia dos namorados. Estranho! Estavam sem dinheiro e combinaram de não trocar presentes. Muito estranho aquela compra. Mas poderia ser somente coincidência. Com certeza era isso. Melhor ir dormir porque estava cansada e com fome.

_ Droga de festa que não partem o bolo!  _ Bravejou mais uma vez.

A loja só abria às 09 horas, mas Esther já tinha ligado para lá várias vezes. Precisava saber o que seu marido tinha comprado. Não era desconfiança. Podia ser erro e não queria pagar por algo a mais. O valor nem era tão alto R$ 49,90.

Teve uma ideia, já que a loja estava fechada, ligou para o cartão de crédito.

_ Alô?
_ Oi, bom dia! Olha... estou conferindo aqui o cartão e vi uma compra não identificada. Você teria como me informar o que foi comprado?
_ Claro! A senhora pode me passar o numero do cartão e dia da compra? Caso a senhora discorde da compra poderá contestá-la.
- Sim. Claro.
_ Senhora, desculpe a demora, mas o cartão não está em seu nome. Só passamos informação ao titular.
_ Ah, tudo bem!

Resolveu ligar para a loja.

_ Oi! Bom dia! Essa loja vende roupas masculinas?
_ Não senhora. Somos especializados em roupas íntimas femininas.
_ Mas, vocês não vendem nem um cinto masculino?
_ Não senhora. Sinto muito.
_ Entendi.
 ******
 

_ Bom dia! Aqui é João Marcelo. Eu recebi minha fatura e tem uma compra que não reconheço.
_ Senhor. Posso primeiro confirmar alguns dados?
_ Claro!
_ Obrigada pelas confirmações. _ Senhor, a compra foi realizada dia 11 de junho às 11h58min, foi uma camisola tamanho 44 na loja “ Donnas”. O senhor não reconhece essa compra? Posso fazer uma abertura de averiguação e o senhor paga somente as compras reconhecidas até ser resolvido.

 João desligou.

 
****


 
_ Não me peça mais para fazer isso. Eu quase infarto! Achei que a atendente iria descobrir que eu não era o João Marcelo.
_ Agora você concorda comigo? Ele tá tendo um caso.
_ Isso não prova nada... Tudo bem que foi uma camisola, mas ele pode ter se esquecido de te dá. _ Argumentou o amigo de Esther.
_ É 44 o tamanho. Eu uso 38. Ele se esqueceu de me dar  por mais de mês?
_ Hummm. Homem é desligado! Além disso, muito barata pra dar de presente pra amante.
_ Eu nem um presente desse preço ganhei. _ Choramingou Esther.
_ Eu conheço Marcelo desce sempre e ele jamais faria isso como você. É louco por você!
_ Sei... Você não me contaria se soubesse. São amigos.
_  Engana-se! Sou seu amigo também e jamais pactuaria com algo assim.
_ Acho que é puro ACHISMO! Você não tem certeza. É melhor conversar com ele. _ Conclui o amigo de Esther.
_ Não... Eu vou arrumar minhas coisas. Não vivo mais um minuto com esse mentiroso. Enganador. Ele vai negar tudo e eu ficarei pior ainda.
_ Boa sorte, então. Qualquer coisa estou aqui.


 
****

 
Esther arrumou tudo que pretendia levar. Deixou a mala pronta e iria sair antes que ele chegasse para o jantar, sem espaço para discussão. Não se submeteria a isso.

O celular tocou. Era sua mãe que sempre ligava na hora errada. Não falaria para ela, pois  não queria deixá-la preocupada. Mal disse alô começou a chorar.
_ Mãe. Marcelo está tendo um caso. Comprou até presente pra ela.
_ Minha filha, acalme-se. Você tem certeza? Tudo na vida tem solução. Pode ser uma besteira.
_ Tenho sim. Tudo comprovado. Não é besteira. Ele comprou até presente do dia dos namorados.
_ Converse com seu marido. Mas qualquer decisão saiba que vamos te apoiar. Gostamos muito do Marcelo, é como um filho pra nós, mas você sempre terá nosso apoio.
_ Mãe, estou a ponto de enlouquecer. Dói tudo! Estou me sentindo humilhada, me sentindo menos que a mosca do cocô do cavalo do bandido. Só quero chorar e sumir!

O pai de Esther que ouvia a conversa da esposa com a filha estava consternado. Assim que ela desligou o telefone ficou cabisbaixo. Sabia que a filha era muito decidida. Esperava sinceramente que tudo se resolvesse.

_ Acha que devemos ir lá? _ Perguntou a mãe de Esther.
_ Acho que não. Sei que ela está sofrendo muito, mas não podemos nos meter ainda.
_ Pensei em passar lá quando fosse à costureira que fica na mesma rua. Aproveito a desculpa.
_ O que você vai fazer na costureira?
_ Mandar ajeitar aquela camisola que você me deu no dia dos namorados. Ainda não usei porque precisa dar uma apertadinha na alça.
Lena Lustosa
Enviado por Lena Lustosa em 01/12/2019
Reeditado em 01/12/2019
Código do texto: T6808052
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre a autora
Lena Lustosa
Teresina - Piauí - Brasil
352 textos (28553 leituras)
1 e-livros (41 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/01/20 08:10)
Lena Lustosa

Site do Escritor