Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
Vidas sofridas

Aquele seria um grande dia para qualquer casal, mas para Etelvina não.
Logo nas primeiras horas da madrugada começou a sentir as dores do parto. Lentamente arrumou o parco e pobre enxoval que havia conseguido fazer para o bebê e sozinha foi para a maternidade que ficava próxima de onde morava.
Sim, sozinha, pois nos últimos tempos, Ariosvaldo, seu companheiro, já o deixou de ser. Libertara-se. Melhor só e em paz, que acompanhada e sofrendo agressões daquele cuja profissão era gigolô.
Os solavancos do ônibus eram um martírio para ela, posto que além da gravidez contava com o peso dos seus quarenta e cinco anos. Aquela viagem, que era curtíssima, parecia não ter fim - mesmo já estando acostumada, pois a fizera algumas vezes nos últimos meses. Entretanto, só o ato de pensar na felicidade de ter seu primeiro filho a recompensava por todo aquele sofrimento e risco.
Um menino!
Foi informada quando fez a ultrassonografia pelo médico que a acompanhava.
Com certeza seria um grande companheiro nas futuras lutas, pensava.
Chegou à maternidade exaurida, e como acontece com a maioria das brasileiras, demorou a ser atendida. Estava em um hospital público e o médico que a atendia esperou até o último momento na tentativa de um parto normal, para só então realizar a cesariana.
Grande surpresa em seguida. O tão esperado menino na verdade era uma menina, e Etelvina não pensou duas vezes. Chamaria a criança de Maria Clara. Maria porque era devota de Nossa Senhora, e Clara porque tinha a esperança de que ela viera para modificar e clarear sua vida dali para sempre.
Etelvina praticamente dobrou o número de faxinas que fazia. Trabalhava qual uma condenada, pois agora tinha a filha e prometera a si mesma que faria dela uma doutora. Em momento algum descuidou da educação da menina e sempre que podia a ajudava nos estudos e a acompanhava na escola. Sua preocupação maior era defender a filha das maldades do pai, que conhecia tão bem e sabia do que era capaz.
O tempo passou, a idade chegou e a doença se fez presente.
Tudo ficou mais difícil.
Etelvina já não tinha mais a energia necessária para manter a educação da filha, e com isso Maria Clara, aos dezesseis anos, viu-se só na luta para vencer.
Foi quando apareceu a figura do pai.
Estranhou!
Seu pai era bem mais velho que sua mãe. No entanto, sendo forte e saudável, tinha a aparência de vinte anos mais jovem.
Sua conversa fácil logo a envolveu e a promessa de uma vida melhor a encantou. Ariosvaldo, usando das artimanhas que lhes eram peculiar, a arrastou como a mãe no passado, para a prostituição.
Qual não foi o desespero de Maria Clara quando, já envolvida até o pescoço naquela profissão, sua mãe, no leito de morte, quis saber como a filha estava conseguindo o dinheiro para manter seu dispendioso tratamento.
Fernando Antonio Pereira
Enviado por Fernando Antonio Pereira em 15/10/2019
Reeditado em 15/10/2019
Código do texto: T6770574
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fernando Antonio Pereira
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 71 anos
1100 textos (6708 leituras)
4 e-livros (173 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/11/19 16:00)
Fernando Antonio Pereira