Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NÃO SE SABE O PORQUÊ

- Me diga, Fulana, por que eu ainda acredito que eu sempre estou errado?
- Bem, Fulano... Você nunca toma uma atitude de certeza.
- Como estar certo sobre que atitude tomar?
- Você precisa saber o que é certo e o que é errado.
- E o que é certo? O que é errado?
- Certo é você praticar o bem, errado é praticar o mal.
- Como se pratica o bem? E como se pratica o mal?
- Bem... O bem se pratica fazendo boas ações, amando ao próximo, não mentindo, sendo fiel... O mal, você deve saber...
- Não sei não...
- Ah, Fulano, me poupe, né?! O mal é... O mal é matar, roubar, trair, mentir, negar amor ao próximo etc etc...
- Mas eu não faço nada disso, pratico boas ações, amo ao próximo, costumo não mentir, por mais que certas mentiras precisem ser contadas às vezes, sou fiel. O que mais preciso para não ser do mal e ser do bem?
- Ah, você é do bem... Para de ficar pensando com tanta negatividade... Aff... Tem gente pior que você!
- Ah, então quer dizer que estou sendo nivelado pela maldade?
- Ah, você entende tudo errado, né, Fulano... Eu quero dizer que não há nada em você para que se preocupe tanto.
- Mas se eu não me preocupar, quem vai?
- Aff... Para de ser besta e viva sua vida em paz!
- Caramba, Fulana, é o que estou tentando. Mas por que as pessoas fingem ter bom senso e serem do bem, mas no fundo não se importam nem um pouco com seu esforço em fazer o bem?
- Você se importa demais com a opinião dos outros! Deixe de ser besta e viva sua vida!
- Ora, se eu deixar de me importar, serei como eles, não?
- Não, você só será você mesmo!
- Ah, então quem eu sou?
- Se você não sabe, como irei saber?
- Ora... Quase nesse instante você me disse que eu era do bem.
- Ah, é que sei lá... Você fica vendo coisas onde não existem. Fica complicando tudo, todo cheio de complexidades sem noção.
- Mas como eu devo ser? Me dê uma ideia melhor.
- Ah, seja você mesmo!
- Nossa... A resposta do século!
- Só me deixa! E foque você mesmo nos seus problemas, que eu tenho os meus!
- Tudo bem. Quando resolver os seus, a gente se fala.
  E dessa conversa cada um seguiu o seu rumo, seguiu um contexto diferente. Ninguém sabe o que é, ninguém sabe o que sente, ninguém sabe descrever precisamente seus desejos.
  É um encadeamento aleatório, é um sistema aberto, com interferência total do meio, um jogo de cartas marcadas.
  Não se pode agradar a todos, tem gente que vai embora sem nem sequer explicar o motivo, nos deixando quando queríamos sua presença. Erramos tanto, nos prendemos tanto, nos sentimos tão largados nesse meio, no fim da linha, que não conseguimos entender o porquê de tantas escolhas mal feitas e jogadas ao vento.
  Há pessoas que hoje estão aqui, nos fazem sorrir e amanhã não estão mais. E a gente nem sabe o porquê.
Marco Young
Enviado por Marco Young em 13/10/2019
Reeditado em 13/10/2019
Código do texto: T6768116
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Marco Young, o twitter e Instagram, ambos de nome de usuário @mrmarcoyoung e o e-mail mrmarcoyoung@yahoo.com .). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marco Young
Aracaju - Sergipe - Brasil, 20 anos
150 textos (1985 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/11/19 02:20)
Marco Young