Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


O voo.

 
O voo saiu de Brasília com conexão em Recife até chegar a Teresina. Tudo que eu queria era uma poltrona ao lado da janela para dormir sossegada, a semana tinha sido cansativa. Infelizmente, a minha era a do meio. Essa poltrona deveria ser mais barata, pois  é a pior de todas.

Mas, aprendi cedo que não adianta chorar pelo leite derramada nem pela lua. Nem o leite volta para a vasilha nem a lua vem até mim. Assim, para evitar aquela cena quase obscena que ficamos quando dormimos no avião -  os olhos meio abertos, a boca escancarada e o pescoço em movimento de vai e vem -,  sempre levo um lenço que uso para cobrir a cabeça.
 
Enquanto tentava dormir com o avião ainda em solo, o passageiro da poltrona da janela chegou. Era um homem com cerca de 1,80m de altura e pesava uns 150 quilos. Assim  que se sentou ocupou metade do meu assento. Eu acabei pegando metade do assento do corredor.


Em seguida, o outro passageiro também chegou.  Não prestei muita atenção, mas percebi que, literalmente, fiquei com metade da metade de uma poltrona. O último passageiro estava com as pernas totalmente sobre as minhas, estávamos  grudados por falta de espaço. E, parecia querer apenas dormir, pois também colocou um lenço sobre os olhos.

 
Após o avião levantar voo, tentei encontrar uma posição mais confortável, mas, mal conseguia  me mexer. Roguei alguma praga contra a companhia aérea por colocar poltronas estreitas nos aviões para lucrarem mais! O moço da poltrona ao lado, também procurando uma posição melhor, tirou o lenço do rosto por alguns  instantes e perguntou se estava tudo bem.


Foi quando percebi quem era. Tive de súbito uma experiência a “Lá Damares”. Calma! Não vi Jesus na goiabeira, minha fé não chega a tanto. Respondi calmante que estava tudo tranquilo.

Claro que estava tudo tranquilo! Era nada menos que Túlio Gadelha do meu lado, como não estaria tranquilo?  A perna dele em cima da minha era o preço a pagar por comprar passagem em promoção. Pouco tempo depois ele dormiu e se encostou em mim.  Dormir logo em seguida vencida pelo cansaço e por aquele  doce perfume que exalava dele...

 
- Senhora... acorde! Precisa descer. Chegamos à Recife.


- Ahnn? Chegamos?

 
Olhei em volta e não havia ninguém do meu lado.  Puxa! Eu  devo ter dormido assim  que o avião decolou. Parecia tão real.


Desci ainda sonolenta. No embarque para fazer a conexão encontrei um colega de trabalho que também estava no voo:
 
- Leninha... eu estava preocupado contigo. Achei que fosse pedir à aeromoça para te mudar de lugar. Aquele era Túlio Gadelha, não era? O cara se acha! Tomou todo seu espaço e ainda dormiu em seu ombro. Você deveria ter pedido pra trocar de lugar.
 
- Sim. Claro que pensei nisso, mas, sabe aquele senhor gordo que estava do lado? Ele poderia entender que eu estava reclamando por causa dele. Não queria que ele se sentisse discriminado.


- Sim! Verdade. Nisso você tem razão. Bem pensado!

- Pois é . Mulher pensa em tudo!

 

 
Lena Lustosa
Enviado por Lena Lustosa em 12/07/2019
Código do texto: T6694075
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lena Lustosa
Teresina - Piauí - Brasil
260 textos (21940 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/19 02:21)
Lena Lustosa

Site do Escritor