Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O caso do basculante

O Cacá não era empregado de Seu Rodrigo. Era, na verdade, um prestador  autônomo de serviços. Hábil na colher de pedreiro, Cacá andava de casa em casa fazendo reformas ou mesmo erigindo pequenos puxadinhos.  O negro – forte, um tanto gordo, dentes muito claros a exibir o sorriso simpático –  chegava às obras – sempre acompanhado de um auxiliar – e não desperdiçava oportunidade de exibir sua simpatia. Era a solicitude em pessoa e sempre alegrava o serviço com muitos causos. Um boa praça, todos diziam.

Seu Rodrigo o contratara para construir um quartinho de despejos, trabalho pequeno, que a habilidade e a disposição do homem dariam por completo em poucos dias. Entijolamento e laje prontos, seu Rodrigo mandara vir a porta e se preparava para encomendar o basculante ao serralheiro, quando Cacá lhe fez a oferta:

– Se quiser tenho um basculante muito bom, quase novo, que posso vender pro senhor por um precinho de amigo.

–Traga-me, que fazemos o negócio.

No dia seguinte, pela manhã, o negro – que não morava longe – trazia às costas o basculante, pintado de novo e por um precinho especial, de derrubar serralheiro estabelecido. Negócio feito. Mãos à obra. Mais dois, três dias,  e Cacá partiria para outros serviços, deixando a casa de seu Rodrigo mais confortável.Tudo muito benfeito, segundo a opinião de quem viu.

Recebendo em casa o irmão Jacinto, o seu Rodrigo vai lhe apresentar o quartinho, recém-inaugurado:

–  Veja, quem fez foi o Cacá. Você conhece?

–  Claro... Já trabalhou lá em casa. Uma simpatia. Pena que...

– Deu-lhe problemas?
           
 – Andou me levando uns sacos de cimento... Ficou no sobrepreço.
 
– Aqui não ,  felizmente. Até  me vendeu o basculante, por um preço muito bom.

Jacinto, então, foi inspecionar a peça vendida e deu o seu veredicto:
           
 – Epa... O basculante é seu. Esta ferrugem na alavanca não me engana. Ele estava lá na sua granjinha... Há pouco tempo eu vi esta peça lá, bem guardada, naquele quartinho de sobras de obra. O Cacá esteve por lá?

– Paramos aqui;  ele   foi até lá para uma pequena reforma.

Foram até a granjinha e a suspeita se confirmou.

– Vai denunciar à polícia? – perguntou Jacinto.

 – Que nada!  Ele me  furtou, mas não explorou!

               



Walter Rossignoli
Enviado por Walter Rossignoli em 22/12/2014
Reeditado em 22/12/2014
Código do texto: T5077340
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (ROSSIGNOLI, Walter. Disponível em: <). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Walter Rossignoli
Juiz de Fora - Minas Gerais - Brasil
251 textos (20484 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/19 21:19)