Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A vela

Maria rezava. Sempre. Todas as noites Maria rezava. Ali, no canto da parede, junto ao seu altar onde figuravam as imagens de seus santos. Maria era devota, ou como ela mesma dizia batendo no peito, Católica Apostólica Romana. Sempre na mesma hora, sempre portando o mesmo terço, herança de sua mãe morta, sempre acendendo uma vela, símbolo do Cristo, luz do mundo. Maria rezava. Céus, como rezava! Ajoelhada e com a fronte encurvada quase que com vergonha de encarar os santos. Estava ali... perfeita imagem de contrição. Rezando... rezando... rezando...
O marido, José, também rezava. Mas não como ela. Para ele sua principal devoção era prover a casa. Sua oração matinal era um sinal da Cruz antes de ir para a roça. E apreciar as belezas que o Papai do céu havia criado. Entretanto, era como Maria, católico devoto, e católico antigo, daqueles que faziam de tudo para que a Fé fosse a fé de sua família, ainda que a ferro e a fogo. Mas a função de rezar não era sua. Era de Maria.
Haviam os filhos, seis ao todo. Três meninos e três meninas. Estes, mal rezavam, o único sinal de fé deles era a “bênção Pai e mãe”. Porém deveriam ficar comportados enquanto sua mãe rezava. O que eles cumpriam à risca. Menos Julinha, que tinha seis anos e não entendia porque a mãe falava tanto sozinha e quase sempre a mesma coisa.
- Mãe... tô com fome – choramingava.
- Psiu! Cala a boca, moleca! Não vê que ela tá rezando? – dizia algum dos irmãos.
- Mas ela demora muito! Já que ela quer conversar, traz Pe. Ciço pra cozinha e continua a conversa, acho que ele não reclama!
- Julinha, Julinha! Falo nada! – Relhava outro irmão.
Certa noite, porém, Maria foi colocar os meninos na cama e dar um beijo de boa noite em cada um quando a Julinha perguntou:
- Mãe, santo tem medo do escuro?
- Que é isso, menina! Olha o respeito! – Respondeu se benzendo.
- Então por que a senhora sempre acende uma vela para eles?
Maria respirou fundo e olhou para a menina que lhe interrogava. Na verdade, ela nunca se preocupou em saber o porque de ela rezar assim, mas a pergunta de uma criança faz com que a gente procure uma resposta pra tudo.
- É uma forma de respeito, minha filha.
- E o que a vela tem a ver com isso?
- Ah, minha filha, pra pedir a iluminação de Deus. Pra que ele nos escute... nos proteja. Coisas assim.
- E Deus só escuta quem tiver com vela?
- Não... claro que não... a vela é apenas um jeito de respeitar, entendeu?  Se você quiser rezar sem vela, pode rezar.
- Entendi, mãe.
- Tá bom, então agora vai dormir que amanhã tem que levantar cedo.
- Boa noite, mãe...
Antes de dormir, Maria rezou mais uma vez. Pediu a Deus perdão pelas besteiras de sua filha; Era devota demais para lembrar que Deus sabia que ela era uma criança. Para garantir a chegada de sua prece, acendeu uma velinha junto da imagem de Jesus e foi dormir também. Maria adormeceu tão profunda e devotadamente que nem se lembrou de fechar a janela da sala.
Naquela mesma noite o vento soprou e balançou as cortinas que tocaram na vela acesa. O fogo logo espalhou pelo telhado de madeira atingiu toda a casa. Quando José e Maria acordaram, o quarto das crianças estava em chamas. Os mais velhos conseguiram fugir, menos Julinha.
Maria Chorou. Maria Rezou. Maria gritou. Se bateu.
No outro dia, não havia velas no velório. Nem nunca mais houve velas naquela casa. Mas Maria continuou rezando. Porém o fogo agora queimava por dentro. Maria continuou rezando. Rezando. Rezando.
Ela nunca entendeu o porque daquilo... e nunca rezou para isso. Ela rezava apenas para aceitar. O que ela nunca soube responder para si mesma era se santos tinham ou não medo do escuro.
Tiago da Silva
Enviado por Tiago da Silva em 29/07/2018
Código do texto: T6403325
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tiago da Silva
Afogados da Ingazeira - Pernambuco - Brasil, 28 anos
451 textos (11339 leituras)
3 áudios (296 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/09/19 19:21)
Tiago da Silva