Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
DEUSA PROTETORA DOS GATOS
Vou ficar aqui fora, deitadinho neste canto de muro. Daqui, enquanto escovo meus pelos com umas boas lambidas, fico a observar esses deliciosos passarinhos e outros bichinhos inocentemente circulando por aí. Nossa! Só de pensar nisso meu estômago está a me lembrar daqueles pedaços de frango, daquela tigela cheia daqueles macios pedacinhos tão deliciosos, hummmmm... xô pensamento, não é para isto que estou aqui bem posicionado, e quer saber mais? trocaria tudo isto pelo que está no meu pensamento neste exato momento...
Tudo sossegado... silêncio profundo... devo ficar assim também. Continuo o pentear-me, quero estar bem na fita quando for visto. Mas confesso, não vou conseguir dormir, essa impaciência, hoje, está demais!
Quando eu ouvir o barulhinho dos delicados passos dentro da casa, o estalido da chave da fechadura abrindo a porta (Deus meu!). Verei aquela imagem aparecer (seria a Protetora dos Gatos? Para mim é.) e dela o maravilhoso som que dela sai: “Oi, Boy”! chegando a mim com uma sonoridade tão maviosa... não sei a tradução no meu “gatês”, mas tão suave que eu só sei é que devo responder - e faço – no meu melhor ronronar e o meu melhor bailar.
Não pode ser diferente... e não posso esquecer: devo levantar a cabeça, fitá-la, levantar-me e esticar, reta, para cima, a cauda... cumprimento-a em resposta à sua bela fala com meu macio e respeitoso “miauês”. É assim que a devo saudar. E não vou esquecer.
Tem um gesto e uma fala vinda dela que são extraordinariamente belos e adoráveis para mim, e eu me esmero o tempo todo nas minhas práticas das maneiras de a recepcionar e saudá-la, com a esperança de não cometer erros e não os perder (miau! me eriço todo, só de pensar). Ela se abaixa (e aí eu, como humilde protegido, já exclui o pensamento de que é uma saudação a mim, mais um símbolo de grandiosidade. Ela se faz menor para chegar à minha pequenez.), estende as duas mãos e como se cantasse diz: “vem cá, menino lindo... vem, entra, Boy!”
Lembro-me da primeira vez. Naquele dia, como hoje, o meu “gatês” sôfrego não conseguia compreendê-la. Aflito, não sabia o que fazer diante de tão belos gestos e da música que saía vindo dela. Fiquei estático... não sabia o que fazer. Se me levantava, se olhava nos olhos bela dela ou se baixava os meus, pois não sabia qual seria o respeitoso; não sabia o que fazer com minha cauda. Só me lembro, no milésimo de segundo que olhei nela, vi que ela estava reta para cima e com a ponta ligeiramente curvada. “Ufa”! foi um alívio. Pelo menos este é o sinal de que algo extraordinariamente bom me chamava a atenção. E que aparição!
Mas o que mais fazer? Como me fazer entender? Sufoco dos grandes!
Os dias se passaram e eu tive que aguçar cada vez mais, e com muita atenção, todos os meus modos para adaptar minha performance diante de tão bela criatura.
Notei que quando sua aparição se fazia naquela porta, e após minha saudação, ela repetia com perfeição seus sinais e voz. Certo dia arrisquei acrescentar mais um passo no meu respeitoso diálogo com ela: segui em direção a porta aberta, passei o mais perto que pude da perna dela (que medo que me deu de estar sendo desrespeitoso e profanador!) e meus pelos roçaram sua pele... ufa! nada pareceu errado. Entrei. Surpreso vi que ela fechou a porta, dirigiu-se ao seu (que me pareceu) trono e descansou os pés num macio e belo colorido tapete. Hesitei... Olhei à distância e, devagarinho, fui chegando mansamente e me deitei junto aos pés dela e a fitei. Ela não olhou, mas os dedos dos seus pés se levantaram e vieram em direção à minha cabeça, chegaram por baixo e fizeram um suave movimento de carinho a coçar meu pescoço.
Foi ali que que me chegou toda compreensão: Ela era, verdadeiramente, a Deusa Protetora dos Gatos.
 
www.ismeraldopereira.recantodasletras.com.br
Ismeraldo Pereira
Enviado por Ismeraldo Pereira em 27/11/2019
Código do texto: T6804791
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Ismeraldo Pereira
Ilhéus - Bahia - Brasil
102 textos (2487 leituras)
23 áudios (627 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/01/20 00:22)
Ismeraldo Pereira

Site do Escritor