Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

202 - João

 Vi a rede presa com um grampo a um prego da parede. Era estranha no contexto da profunda arrumação do espaço, dos livros aos quadros, das telas vazias aos trabalhos quase prontos, do material em perfeito estado de limpeza. Sentei-me onde me indicou e ele, o Pintor, levantou os estores para deixar entrar a luz de um sol forte de Maio. E todo o ambiente se alterou revelando a intensidade das cores e o passeio das sombras mutantes da rede que se mexia com a aragem da janela. Projectava beleza e intimidade, gerava alongados desenhos na parede branca que, assim riscada de luz e cinza, imediatamente me recordou Ana Hatherly e a ousadia de pintar com sombras que lhe exigiam fitas de papel, ventiladores ocultos e muitos focos. Ser artista plástico admite destas estranhezas e, ao longo da vida, vi muitas, herméticas para profanos, tão naturais para os que, igualmente diferentes, se irmanam marginais a crenças, origens e línguas. Somos da mesma família por nos ser fácil entender, sem explicações forçadas ou complexas, este mundo de mínimos, de pequenos nadas, de frágeis coisas importantes, de impensáveis afectos. Quase sempre que lanço um livro recebo de presente uma pedra. O Poeta que a traz, embrulhada para travar interrogações, sabe, sem que lhe tivesse dito, do meu amor pelas pedras. A última era um naco de granito nada dócil e foi com carinho que a recebi.

Edgardo Xavier
Enviado por Edgardo Xavier em 11/06/2020
Reeditado em 12/06/2020
Código do texto: T6974573
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Edgardo Xavier
Portugal, 73 anos
2650 textos (44004 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/08/20 11:29)
Edgardo Xavier