Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

135 -Cento e Trinta e Cinco

 Dizia coisas. Quem o não soubesse acharia nos tiros o começo de uma qualquer mudança. Uma guerra, um medo colectivo, a queda de um ídolo, uma nova aparição só para tontos. Muitas vezes escrevia. Algumas das palavras pareciam pesadas, medidas, acertadas, dignas de um pensador ou filósofo. A perversidade acontecia num parágrafo qualquer e punha a ferver quem o lesse. Ou não. - Olha o lobo, olha o lobo, gritava e de quem acudisse troçava e a quem não visse insultava e ai dos que enfrentando a fera se não resguardassem. Muitos foram mordidos com palavras, com veneno tecido de uma raiva que lhe chegava, cósmica, de onde nunca se soube. Depois da guerra, trucidados os que ouviram, leram, comentaram ou nem reagiram, dormia. No intervalo, escrevia poesia. Entre o gozo das tiradas, sereno aparecia, acamaradava, era outra pessoa. Quem não soubesse nunca acreditaria no seu lado cobra.

Edgardo Xavier
Enviado por Edgardo Xavier em 05/01/2020
Reeditado em 05/01/2020
Código do texto: T6834568
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Edgardo Xavier
Portugal, 74 anos
2693 textos (44595 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/09/20 16:41)
Edgardo Xavier