Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

GATOS

"Acordava e ia dá uma olhada no quintal. Ia ver se os gatinhos filhotes já estavam com a doença.
Acho que no meu quintal tem uma espécie de verme, de germe, ou: uma Maldição.
De um gato que tínhamos no quintal, surgiram três, quatro, sete, dez. Chegou uma hora que não sabíamos mais quantos eram ao certo.
No nosso quintal, os gatos e as galinhas conviviam lado a lado.
Às vezes as galinhas chocavam seus ovos, às vezes eram as gatas que embuchavam.
Os gatos mais velhos tinham os olhos esbugalhados. Salientavam-se os olhos até, numa manhã, caírem.
A maldição se repetia sempre: os filhotes cresciam, seus olhos começavam a inchar: saltavam o máximo que podiam, e aí caíam. Ficava só o buraco ressecado e vazio no lugar.
Manhãs após manhãs, eu abria um pouco a janela da cozinha e constatava a perpetuação da maldição.
Nossas roupas eram lavadas e estendidas lá. 'E se nós pegássemos a maldição também?'
Durante as refeições, todos à mesa, eu ficava olhando os olhos de todo mundo: do meu pai, da minha mãe e dos meus irmãos. Tinha medo que eles pegassem. Impedia-os de irem ao quintal. Ficava na porta choramingando até eles voltarem.
Eu mesmo nunca pisei no quintal.
Eu era o único que não ia ao quintal.
Eu tinha medo deles, mas é porque eu não sabia o que eles tinham. Sentia-me seguro longe deles."


[Era só desconhecimento; não era maldade!]
Arthur Ambrósio
Enviado por Arthur Ambrósio em 18/01/2017
Código do texto: T5885254
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Arthur Ambrósio
Barueri - São Paulo - Brasil, 41 anos
17 textos (235 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/08/20 02:44)
Arthur Ambrósio