Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Autorretrato

Quando criança, não via malícia ao ouvir.

        - Ó, quão belo é você!

O indo e vindo das estações fez florescer fios dourados que cobriram-me como manto, escondendo minhas orelhas, nuca, chegando a tocar meus ombros. Na face, um semblante suave e sereno, adornado por finas sobrancelhas, róseos lábios e a cada nova primavera tinha os olhos azuis cada vez mais e mais viciados pela sedutora imagem da silhueta feminina. O corpo forte de um divino grego, fora se transformando no habitat de minha alma, a qual pouco a pouco corrompida por minhas atitudes egoístas levou-me ao prazer de saborear o deleite na conquista daquela a mim destinada na criação.

A musa sofre, chora e ressentida assiste ao seu jovem amado se lançar nos braços de tantas outras, aquele que perdera a inocência e já via malícia quando diziam.

       - Ó, quão belo você é!

Maldito sou, por maltratar a quem me amou, usá-la e descartá-la e repetir inúmeras vezes o ato cretino. Condenado estou pela luxúria lucrada por minha beleza, afogado nas lágrimas infindas daquelas que lancei ao sofrer e acorrentado num inferno sonoro, que executa sempre a mesma música cujo refrão é NARCISO, NARCISO, NARCISO...
Oliver Barra
Enviado por Oliver Barra em 30/06/2020
Reeditado em 08/07/2020
Código do texto: T6991882
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Oliver Barra
Sertãozinho - São Paulo - Brasil, 37 anos
7 textos (103 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/07/20 17:47)
Oliver Barra