Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cristal quebrado


         Certa vez um homem chegou em seu lar trazendo no conforto das mão junto ao peito uma delicada, bonita e reluzente taça de cristal. Ele estava muito feliz com aquilo e por isso cuidava com muito apreço em virtude do bem que ela lhe proporcionava, tanto que fazia questão de ofertá-la orgulhoso à pessoa com a qual dividia a vida. Assim ele cuidadosamente retirou do peito aquele sublime item, tão belo e brilhante, na intenção de compartilhar com outras pessoas a beleza do que trazia consigo, então colocou a peça de cristal exposta em lugar de destaque no qual se adorna em amor no aconchego de sua morada, guardada a sete chaves, mas de tal modo que era visível a todos a exultação que sentia.
Certo dia em efêmero desentendimento com a pessoa a quem foi oferecida a singularidade do encanto do cristal e que em momento de destempero, enquanto esbraveja e gesticulava com as mãos, não se importou ou pareceu não se importar com a fragilidade da taça de cristal que, vítima de um esbarrão, foi ao chão. E o que era belo e intenso se espatifou em poucos pedaços, talvez três ou quatro estilhaços totalmente mórbidos.
O homem triste com o que via, até tentou reparar os danos ao juntar os cacos com todo cuidado sem se importar com o sangue que escorria em seus dedos após se cortar, pois as feridas do seu coração pareciam mais dolorosas e profundas do que as das mãos, ainda sim ele colou peça por peça na tentativa de trazer de volta o relampejo da formosura que outrora tivera o cristal.
E olhando de longe parecia que ele havia feito um bom trabalho, quase não se percebia as marcas do ocorrido, só que a verdade é que aquele objeto reparado já não tinha o mesmo fulgor de antes, já não refletia a exuberância que um dia esteve impregnada em si. E quanto mais se observava de perto, mais se notava as chagas trincadas disfarçadas em cola, e, apesar dessa imperfeição, do que já foi perfeito, o cristal turvo ainda permanecia em destaque no mesmo lugar de antes, sempre, a vista de todos na tentativa inglória de ser o que já foi em tempos áureos.
Entretanto, após outra contenda entre os dois, em que a mesma pessoa não pensou nem por um instante nas consequências de seus atos, ao segurar a taça já debilitada em uma das mãos e num momento de ira lhe arremessou com medonha violência contra a parede. Desta vez o cristal ficou despedaçado em centenas de pequenos fragmentos.
O homem, totalmente desolado, se deu conta de que não adiantaria juntar os estilhaços, primeiro que seria quase impossível encontrar todos eles e segundo que mesmo que os encontrassem, eles já não poderiam mais ser reparados como foi feito no passado.
Assim é a confiança que se assemelha a uma taça de cristal que quando quebrada nunca mais volta a ser como no início. Contudo, existe uma grande diferença entre quebrá-la ao esbarrar nela e ao atirá-la em cólera, pois no primeiro caso até pode ser perdoado, já no segundo provavelmente não.
Airton Memória
Enviado por Airton Memória em 03/11/2019
Código do texto: T6786204
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Airton Memória
Valparaíso de Goiás - Goiás - Brasil, 35 anos
14 textos (122 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/11/19 23:02)
Airton Memória