Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ciranda da História

Belém, 02 de novembro de 2015.


Outro dia reparei que meu herói não era mais lembrado
Perdeu - se também a heroína no meio de tanta futilidade
Não sei se é justo pelo tanto que pensaram em nós
Acontecerá conosco a mesma tragédia
O esquecimento? A verdadeira morte?
Eu acredito tanto na vida.


Brinque uma ciranda viva
Tão alegre memória
Roda alegre criativa
De quem montou a história

Roda roda pessoinhas
Olhem no sorriso do lado
Foi a mesma cirandinha
No passado
Foi sonhado
Um final começado

Passeio pelo horizonte
Não sei que fiz, não lembro
Não quero ser poente
E sim aurora de um novo tempo

Se me ajudas a descobrir
Talvez eu volte pra você
E se recordas como agi
Vai prosseguir
Meu produzir
Não terá fim
Meu viver

Brinque uma ciranda viva
Tão alegre memória
Roda alegre criativa
De quem montou a história


Roda roda pessoinhas
Olhem no sorriso do lado
Foi a mesma cirandinha
No passado
Foi sonhado
Um final começado

Com tanta novidade
Esqueço de manter acesa
A chama da verdade
Heróis e suas certezas

O que realmente acaba
É aquilo que não traz saudade
Gaveta empoeirada
Dou uma limpada
Rememorada
Eternizada
Vontade

Brinque uma ciranda viva
Tão alegre memória
Roda alegre criativa
De quem montou a história

Roda roda pessoinhas
Olhem no sorriso do lado
Foi a mesma cirandinha
No passado
Foi sonhado
Um final começado


CIRANDAR!


Boneca de talho
De um miriti
Na cara um olhão
De um caroção
Bem preto açaí

Cuidado tatu
Cuidado cutia
Ali tá escondido
Uma armadilha

Da mandioca
Da Dona Coroca
Vem tapioca
Que coisa gostosa

Palmito dá creme?
Dá sim senhor!
Parece mingau
Gostoso sabor!

Vou tomar açaí
Quebrou a vasilha
E agora o que faço?
Usa a cuia minha filha

Envira te fiz a corda
Envira laçou o amor
Do ouriço eu fiz vaso
Agora te dou a flor

A Rede Rosada
Se viu vermelhada
Da Rede Xadrez
Jurou ser amada

Rabeta Rabetona
Rabetar rabetinha
Quantas rasas tu aguenta
Quantos fardos de farinha?
Vai a mãe, vai o filho
Vai o avô, vai o pai
Vai cunhada, vai a sogra
Vê cachorro se não cai



Quiquió é passarinho
Quiquió é assobio
Quiquió te guiou
Onde agora é o rio

Corre maninho
Que tá espocando
É nada maninho
Jabuti tá brigando

Grita bem alto
O capelão
Chega assustou
Até o gavião

Mansinho amigo
É o peixe-boi
Mascando o mato
Pergunta o que foi?

Quieta e escuta
O pirarucu
O bicho fugiu
Alguém soltou pum?

Cadê o piquiá
Que tava aqui?
Meu avô falou
Eu vou repetir

Cadê castanheira?
Que tava aqui?
Minha avó falou
Eu vou repetir

E o igarapé?
Que tava aqui?
Mãezinha falou
Eu vou repetir

Cadê jabuti?
Que tava aqui?
Meu pai reclamou
Eu vou repetir

Cadê natureza?
Que tava aqui?
Eu vou reclamar
Pros netos insistir



Brinque uma ciranda viva
Tão alegre memória
Roda alegre criativa
De quem montou a história...
Pantoja Ramos
Enviado por Pantoja Ramos em 03/04/2016
Código do texto: T5593682
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pantoja Ramos
Belém - Pará - Brasil, 44 anos
294 textos (10568 leituras)
74 áudios (2350 audições)
38 e-livros (2427 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/11/19 11:06)
Pantoja Ramos