A árvore do pecado

A tarde ensolarada avança, e Angelina e Rodrigo se aproximam sorrateiramente de uma frondosa macieira. Negra empoderada, Angelina veste uma roupa em estilo africano, em tons amarelos. Um lindo turbante esconde seus cabelos cacheados. Angelina olha para os lados, para ver se não tem ninguém à vista. Depois faz "escadinha" com as mãos para que seu marido possa subir na árvore cheia de frutos. Ele tem dificuldade de escalar, e Angelina tem dificuldade de aguentar o peso de Rodrigo. Como estão em lua de mel, o maridão faz de tudo para agradar a amada.

- Vai, amore! Coloca a perna ali naquele galho.

- É muito alto, não sou bailarino. Se você consegue fazer um... como é mesmo o nome?

Tentando disfarçar, para não quebrar o clima de lua de mel, mas sem muita paciência, a jovem responde:

- Grand jeté.... se esforça amor, vai valer a pena!

Angelina lança olhares de promessa ao marido.

Preocupada, a esposa olha novamente para os lados, para ver se não tem ninguém por perto.

Rodrigo se esforça, mas o galho está alto. Ele ainda tenta argumentar com a amada amante.

- Ah, gatinha.... cê tem certeza? Vamos fazer um amorzinho gostosinho naquela cama imensa do hotel... pensa bem...

Mostrando sua irritação, Angelina rebate:

- Não. Já fizemos. Você perguntou, agora aguenta. Tenho essa fantasia de fazer amor na árvore do pecado.

- Mas, gatinha... ninguém sabe se a macieira é realmente a árvore do pecado e...

- Rodrigo!!! Estamos em plena lua de mel, e, se não puder realizar minha fantasia agora, vai ser quando?

Rodrigo dá um suspiro resignado e tenta subir.

- Não dá pra, pelo menos, trocar de árvore? Um carvalho, um flamboyant? Os galhos são mais fortes...

- Não! Tem que ser macieira.

Com muito custo, Rodrigo consegue subir no galho.

- Agora me puxa.

- Mas esse galho não aguenta dois...

- Tá me chamando de gorda??!!!

- CLARO que NÃO!!! Você é linda, uma gat...

- Vamos, me puxa... deixa de blá-blá-blá...

Rodrigo consegue puxar Angelina, e no meio dos galhos e folhagem eles começam a se beijar.

O fogo cresce e arde.

Rodrigo até se esquece do local incômodo.

Eles vão tirando as roupas e ficam nus.

As roupas vão caindo ao redor da árvore.

São Adão e Eva pós-modernos.

De repente, quando estão lá no bem-bom, uma matrona, estilo mamma italiana, surge e senta-se debaixo da árvore. Olhando para os lados, tira do meio dos seios um grande doce caramelado. Ela o come com gosto. Os dois amantes se olham.

Rodrigo tira o turbante da cabeça da mulher e coloca-o à frente de seus "documentos".

O que fazer?

Sem poder falar, eles se comunicam através de gestos.

E a matrona come.

E o galho balança.

E a matrona tira outro doce escondido dentre as roupas.

Ela come.

Rodrigo faz sinal de que está com cãibra.

Angelina arregala os olhos, aflita.

Agitada, ela tenta ajudar, mas só se ouve um ruído de madeira quebrada.

Som de madeira se quebrando.

Estrondo.

Os dois caem.

Dia seguinte.

Angelina e Rodrigo, na cama do hospital, lado a lado.

Rodrigo geme baixinho.

Ele está com a perna esquerda engessada e levantada; o braço direito também está engessado e levantado. A cabeça está envolta em bandagem.

Tudo dói quando ele respira.

Rodrigo geme mais.

Angelina está com o braço engessado e cheia de escoriações no rosto e nos braços. A queda foi feia. Ela se mostra empolgada, esquecendo-se das dores.

- Amore... Amore.... - diz Angelina.

- Hum... ai...

- Que tal um ménage à trois?

Os dois olham simultaneamente para o lado.

A matrona, usando o turbante de Angelina, está ao lado de Rodrigo.

Ele está no meio das duas mulheres.

A matrona tem também a cabeça enfaixada por debaixo do turbante e está com as duas pernas engessadas, levantadas, com um enorme pau separando-as e dando-lhes estabilidade. A pose lembra uma posição ginecológica.

Ela come um enorme pacote de biscoito recheado.

Aflito e choroso, Rodrigo só é capaz de murmurar.

- Não, não!! Pelo amor de Deus, nãoooooo!!!!

A matrona sorri com ar safadinho.

Carla Giffoni
Enviado por Carla Giffoni em 13/10/2021
Reeditado em 13/10/2021
Código do texto: T7362989
Classificação de conteúdo: seguro
Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.